APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


terça-feira, 12 de julho de 2011

Representantes da APOESC em Messias Targino



No último domingo, 10.07.2011, eu, Hélio, Chico Jorge e Aderso estivemos em Messias Targino
a convite do Dr Epitácio Andrade Filho para participar do lançamento do seu excelente livro A SAGA DOS LIMÕES.
A cidade é bem cuidada e bonita.
Fomos muito bem recepcionados pelo vereador Pôla Pinto.
Chegamos atrasados ao evento mas foi bem interessante conhecer o cordelista Basto, contactar com descendentes da famosa potiguar Chica Brejeira e aprender mais sobre a negritude e cultura daquela região.

Para maiores detalhes sobre o evento, cliquem em http://polapinto.blogspot.com/ , donde extraímos:

Mais de 200 pessoas participaram de lançamento de Livro e Cordel

Mais de 200 pessoas participaram no domingo (10), do evento promovido pelo Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (Sintraf) de Messias Targino, onde foi lançado o livro “A Saga dos Limões-Negritude no Enfrentamento ao Cangaço de Jesuíno Brilhante”, de Epitácio Andrade Filho e o lançamento dos Cordéis “A História de Chica Brejeira”, de Basto do Córrego Verde e o Grande Encontro do Cangaceiro Jesuíno Brilhante com o Cabo Preto Limão”, de Gil Holanda.


Prefeita Shirley, de Messias Targino, com o cordel de minha autoria O Doutor e o Cangaceiro, ao lado do cordelista Basto, autor de obra sobre a vida de Chica Brejeira.

O cordel “A História de Chica Brejeira retrata em 40 estrofes de 07 versos, a história da mulher de maior longevidade já registrada no Rio Grande do Norte. Dona Chica Brejeira nasceu no Sítio Salobro, zona rural de Messias Targino/RN, em 15 de setembro de 1884, e morreu em 31 de dezembro de 2003, aos 119 anos. Desde adolescente, cultivava o hábito de “fumar brejeiro” (cigarro de palha), daí o apelido, constituindo um verdadeiro desafio à ciência contemporânea, quando se associa o fato de ser descendente de escravos e ser mulher pobre do sertão nordestino.

Em breve, exporemos mais detalhes desse longo percurso que resultará em um importante documentário.