APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


terça-feira, 12 de julho de 2011

DEZ ANOS SEM ONÉSIMO - Hélio Crisanto



Há dez anos o poeta Potiguar Onésimo Maia partiu fora do combinado e foi cantar no céu
junto a Otacilio Batista, Pinto de Monteiro, Diniz Vitorino e outros monstros sagrados do
repente. Natural de Mossoró, tornou-se um grande ícone da nossa cultura pela arte de
improvisar, nenhum cantador tinha o dom de arrancar gargalhadas da platéia igual a ele, pois
tinha como característica o gracejo. Aqui na cidade de Santa Cruz, tive o privilégio de ouvi-lo
cantar, e ser campeão em um dos festivais que participou e, se não fosse a sua morte prematura,
tenho a certeza que sairia vitorioso em outros que viessem pela frente. Eis algumas estrofes
imortais deste grande vate:

Fico feliz quando canto
Meus versos de improviso
Os dedos chutando as cordas
Os lábios com ar de riso
Sopra o vento de repente
Raspando o chão do juízo

Você canta Portugal
Canta França, canta Hungria
Mas se eu tirar a tampa
Do baú da putaria
Nunca mais ninguém da fé
Da sua sabedoria

O sapo tem muitas coisas
Mas nenhuma vale nada:
Tem couro e não dá bainha
Tem tripa e não dá buchada
Tem sangue e não dá chouriço
Tem leite e não dá coalhada

Já vi uísque importado
Ter perdido pra pitu
Saiba que um bacharel
Precisa de um papangu
Porque Monteiro Lobato
Cresceu com Jeca Tatu