APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


domingo, 19 de maio de 2019

É MELHOR JAIR (cordel)





É MELHOR JAIR (cordel)

a um amigo ultradireitista

Amigo, desde o começo
Ja irei desabafando
Saiba que lhe tenho apreço
É bom Jair meditando
Em tudo que vou dizer 
Se por acaso o ofender 
Melhor Jair perdoando.

Melhor Jair ir abrindo
O seu sigilo bancário
É melhor Jair saindo
Deste sufocante armário
Melhor deixar de alarde
E perceber, mesmo tarde
Que deu uma  de otário.

É bom Jair percebendo
Que a máscara está caindo
Até cego já está vendo
A fortaleza ruindo
Melhor Jair se calando
Ou Jair se desculpando
Pois de você estão rindo.

É bom Jair se juntando
Aos muitos arrependidos
Que vivem se desculpando
Pois se sentiram traídos.
Por ser idiota útil
Você se tornou inútil
Ferindo os entes queridos.

Melhor Jair esquecendo
A Dilma, o Lula e o PT
Não fique se defendendo
E fazendo que não vê
Que os cristãos se desviaram
Quando ao Jair apoiaram
Prejudicando você.

É bom Jair percebendo
Que você foi enganado
Quando saiu defendendo
Um cara despreparado
Com quem você se parece
Vê se evolui, vê se cresce
Deixe de ser pau mandado.

É bom Jair descartando
Argumentos idiotas
Melhor Jair apagando
As bobagens e as lorotas
Fonte de vergonha alheia
Porque a coisa tá feia
Para os falsos patriotas.

É melhor Jair notando
Que o Jair nunca mitou.
Jair desmistificando
As bobagens que falou
Pois você votou, eu sei
Por causa do kit gay
Feito um trouxa acreditou.

Melhor Jair se livrando
Dessas ideologias
Que acabam prejudicando
Florestas e minorias
Promovendo guerra e fome
É bom ver que só no nome
Este Jair é messias.

É bom Jair se curando
Desse falso moralismo
Pois acabou colocando
Nosso país no abismo
Veja que tem mente estreita
E apoia a Extrema Direita
Devido o seu egoísmo.

Melhor Jair aceitando
Que se aceitar não dói menos
Melhor ir se acostumando
Com os argumentos serenos
De mestres e pensadores
Que denunciam os horrores
Dos que liberam venenos.

Vejo robôs e zumbis
Babando e dando palpite
Sem perceber os ardis
e os propósitos da elite.
Procure ser mais amável
Não defenda o indefensável
Babaquice tem limite.

Melhor Jair pesquisando
Olhando as acusações
Pois estão se acumulando
Em torno dos figurões
A quem você defendeu
Por quem panelas bateu
Servindo aos espertalhões.

Você que apoiou Aécio,
Cunha, Temer e o Jair
Perceba o quanto foi néscio
Quando tentou se iludir
Creu numa falsa esperança
Procedeu como criança
Se errou, deve admitir.

É melhor Jair pensando
Numa outra solução
O país tá afundando
Chega de alienação
Deixa de olhar o passado
Seu governo é o culpado
Se cale e peça perdão.

Melhor eu Jair pedindo
Desculpas por lhe ofender
Estou só  advertindo
Mas devo reconhecer
Fiz generalização
Sempre há uma exceção
Você é um bom cidadão
Errou, mas foi sem querer.


AUTOR:
Gilberto Cardoso Dos Santos

19.05.2018

Ouvindo o que não quer



Palavras têm força. Ao serem ouvidas,  independente do emissor,  a força permanece sendo exercida por dias ou até mesmo perduram por  toda   uma existência.  

Os poetas escondem-se por trás dos escudos sintáticos para se defenderem. De forma sutil, sem direcionar a decepção, usam a pedra como escudo no meio do caminho. 

Mas não precisa ser poeta para sofrer com os projéteis verbais. O certo  é que, no artista , a perfuração infecciona e só será curada  quando houver cirurgia vocabular publicada. Quando isso acontece, parte-se para a etapa das trincheiras escritas.Torna-se hábito, por parte do vate, recorrer a tal expediente visando a cura. 

Combustível de não tão  fácil digestão, a agressão verbal impulsiona neurônios artísticos na elaboração da obra. Contrário do sistema digestório, primeiro vem o lixo para depois sair o luxo.

A exposição na guerra da realidade visa sentir o mercado agressivo da inveja. Procura colher a essência das sensações entristecidas pelos significados deploráveis, com o objetivo de produzir razão alegre.

Vincent Van Gogh cortou a própria orelha. Nossas orelhas são cortadas na convivência social. No trajeto do berçário até o necrotério muitas são  decepadas. Quando não se consegue mais se esconder, restam apenas os borrões de uma caneta sem tinta. 

Heraldo Lins Marinho Dantas
15.05.2019

CORDEL COLETIVO CONTRA A REFORMA DA PREVIDÊNCIA

  

Minha gente, fique atenta:
Querem mexer no direito
Da aposentadoria,
Que vai ficar sem efeito.
É o fim da previdência.
O governo sem decência,
Trata o povo sem respeito.

Os governos quando assumem,
Dizem existir tal rombo.
E no seu planejamento
Arrancam o couro do lombo
Do nosso povo sofrido,
Que depois de ter vivido
Na vida vai ter um tombo.

Nando Poeta–Natal-RN


Essa reforma é danosa
Pra todo trabalhador
Mas atinge frontalmente
O pequeno agricultor
Que durante sua vida
Tem uma batalha sofrida
Assim como o professor.

Joao Maria De Medeiros - Santa Cruz/RN


Em um banquete de orgias
Feito pela realeza,
A multidão dos sem sonhos
Come as migalhas da mesa.
Querem, por fim, os canalhas,
Que quem consuma as migalhas
Seja o dono da despesa.

Francisco Gabriel–Natal-RN

Nossa aposentadoria
É um direito sagrado,
É suor do nosso rosto
Com esforço conquistado,
É direito adquirido
Que político descabido
Não venha deixar de lado.

Poeta Declamador Juarez Araújo–
Campina Grande-PB

O governo Bolsonaro
Com seu pacote malvado.
Recheado de surpresas
Pronto pra ser detonado.
O pavio já está aceso
Na mão o fogo está preso
Do Capitão reformado.

Viny Psoa – São Paulo-SP

Bolsonaro no Poder
Parece mais Satanás.
Reforma da Previdência,
Assunto que não apraz.
Pra gente se aposentar
Querem nos escravizar.
Vamos trabalhar bem mais.


Bob Bezerra–Natal-RN


Quem trabalha sempre cansa
Por isso quer descansar.
Na sombra da previdência,
Descanso é aposentar,
Mas agora quem tem sorte
Só descansa após a morte,
Como querem aprovar.


Marcelo Figuerêdo–Bom Jesus da Lapa-BA


O déficit da Previdência
Não tem base estrutural.
O que há é inadimplência
Do ramo empresarial.
Se é necessário um conserto,
Não vamos causar aperto
Em quem já ganha tão mal.


Gilberto Cardoso dos Santos–Santa Cruz-RN
Eu queria que o governo
Fosse um pobre premiar
Dando emprego, pão e renda
Para o mesmo se cuidar;
Mas só vejo incoerência,
Feito a Lei da Previdência
Que hoje querem aprovar.


Plácido Amaral–Caicó-RN


Quando vejo alguns patrões
Defendendo a tirania,
Eu pergunto: a tal reforma
Quem é que beneficia?
Não são os trabalhadores!
Se fosse, os exploradores,
Estavam em agonia.


Penha França–Natal-RN


Se trata da previdência
Com muita enrolação.
Esse bando de políticos
Não tem dó, nem coração.
Se votarem essas propostas
Que ao povo viram as costas,
Não terão mais voto não.


Anselmo Pamplona–Natal-RN. 


Não vamos nos enganar
Com aposentadoria
Do nosso agricultor que
Trabalha no dia a dia.
Todos vão ficar na mão.
Com a mobilização
Vai findar essa ironia.


Ivonete Morais–Fortaleza – CE


Não tem déficit a Previdência.
O que querem é maltratar
O homem trabalhador.
Chega de escravizar!
Desmembra da União;
Bota a DRU pelo chão
Que o dinheiro vai sobrar.
Salete NascimentoUma senhora me disse:


- Poeta Zeca Pereira - Barreiras - BA

A reforma da maldade
É mesmo uma carniceira.
Vive espreitando meu fim,
Não há aposento pra mim
E sim pra minha caveira.


Zeca Pereira–Barreiras-BA

Governo é desmiolado,
Medidas que trazem fel.
O trabalhador no país
Ficou jogado ao léu.
Ninguém vai intimidar.
Vamos se unir e lutar
E construir mais cordel.


Paulinho Nó Cego–São Luiz-MA

Com a reforma iminente
Da Previdência em ação,
Perder-se-ão simplesmente
Direitos do cidadão.
Que lamentável postura.
Não é direito amargura,
Nem é justiça aflição!


Marconi Araújo–Campina Grande – PB,

Do jeito que a coisa vai,
Morro e não me aposento;
Quando chegar aos 80,
Viverei só de lamento.
Os DONOS da previdência,
Por falta de competência
Deram ao povo só tormento.


Carlos Silva – Aporá – BA

A reforma desreforma
Essa nossa Previdência.
Esquecendo o agricultor,
Que é homem de competência.
Sou contra a tudo que vem
E o Brasil hoje tem
Uma péssima presidência.


Neto Ferreira–Livramento-PB

Reforma da Previdência
Que está pra ser aprovada,
Garante ao trabalhador
Não ter direito de nada.
E o futuro do ancião
Vai ser pura escravidão,
Morrer no cabo da enxada.


Vanecílio Paulo – Barcelona-RN

A reforma da previdência
Surge com novo perfil.
Protegendo o engomado
Desconhecendo o Brasil.
Aposentado e rural
Tratado como animal
Sem “baioneta e fuzil”.


LUIZ PENHA–Natal-RN
A corja desse congresso
Ratazanas Nacionais.
Querem aprovar a reforma
Se achando uns bossais.
Se o povo sair as ruas
Vai revelar falcatruas
Cai o bozo e tudo mais.


Erica Guarani–Natal-RN

Na capitalização,
Não garante o pagamento,
Dos que são aposentados,
Sem ter mais recolhimento
Pro fundo da previdência,
Já que a nova transferência,
Não vai pra o nosso provento.


Hélio Gomes Soares (Hegos) – Natal-RN

A reforma da previdência
Que estão querendo fazer
Com certeza alguns direitos
Todos nós vamos perder
A população coitada
Vem sendo sempre roubada
Só Deus pra nos defender!


Geralda Efigência–Natal-RN
Vou falar um pouco agora
De uma certa incompetência
E espero que de nós
Nosso Deus tenha clemência.
Jesus queira nos livrar
Pra gang não aprovar
A reforma da previdência.


Ed Santos – São Pedro-RN

Já perdi a esperança
Que algo vá melhorar.
Com esse no governo
Nem pense que vai mudar.
Os direitos adquiridos
Dos pobres mais desprovidos
Ele tratou de tirar.

E quem já se aposentou
Não fica de fora não.
Vai ser tirado o direito
De ter sua revisão.
Com esse invento mal feito
Tá perdido e sem jeito
Com ou sem a inflação.


Tonha Mota–Natal- RN
A reforma da previdência
É uma grande enganação.
Eles querem acabar
Direitos do cidadão,
Só resta a gente lutar
Pra a reforma derrotar
E a vil exploração.


Socorro Ribeiro–Extremoz-RN

Se tivesse em meu poder
Faria sem resistência
Outro tipo de reforma
Jamais a da previdência.
Pelo bem da maioria,
A reforma que eu faria
Seria a da presidência.


Adriano Bezerra–Santa Cruz-RN

Essa maldita reforma
Que o governo quer fazer,
Prejudica o operário,
Que faz o país crescer.
Pois, para se aposentar,
Teremos que trabalhar
Com certeza até morrer.

Rainilton de Sivoca – Parelhas-RN

No mundo imaginário
Prevalece a inocência
De uma gente sem noção,
Já perdi a paciência.
Ver um povo feito gado,
Cabisbaixo e enganado
No caso da Previdência.

Reforma sem consistência,
Povo sem informação.
Não sabe pra onde ir,
Dopado de ilusão.
Não percebe a cagada
Que tá levando à derrocada
Da nossa grande nação.


Zé Martins – Natal-RN

Meu povo batalhador
Preste bastante atenção.
A reforma vai massacrar
A vida do cidadão.
O político quer enganar
Nosso dinheiro roubar
Através da corrução.


Heriberto Gomes - São Bento do Trairi-RN
Nessa reforma maldita
Ninguém vai se aposentar.
Maltrata o trabalhador,
Político quer aprovar,
Pois todos são mercenários.
Não atinge judiciário,
Muito menos militar.


Laélcio Pontes - Santa Cruz- RN

Crueldade desmedida,
Muita falta de amor.
Sonegação de direitos
Dum tratado de horror.
Tem bastante incoerência
O plano da previdência
Que planejam nos impor.


Luciano Melo-Natal-RN

A bastante comentada
Reforma da Previdência,
Não cobrando os que lhe devem
E vivem na opulência,
Será manobra de “esperto.”
Prejudicará por certo
Os que vivem na carência.


Cícero Pedro de Assis-São Paulo-SP.
Se o Brasil hoje tem dívida,
Se o país tá devedor,
Não queiram pelo descaso
Culpar o trabalhador.
Por ganância e covardias,
Pra sustentar regalias
Pregam a lei da indolência.
Pelas mãos de quem oprime,
Querem praticar o crime
De matar a previdência.

Não há razão pra tamanha
Injustiça e estupidez.
O projeto da reforma
É crime de insensatez.
Exploração aos pequenos
Quem ganha mais, paga menos,
É ação injusta e falha.
Impossível suportar,
Cada vez querem tirar
Mais suor de quem trabalha.

Não é reforma, é um crime
Que só favorece os nobres.
A mão que protege os ricos
Bate com força nos pobres.
Haverá mais consequência
Se não houver resistência.
Que a luta é a única forma
De mostrar pra essa gente
Que o povo unido é valente
E não aceita a Reforma.

É desumano querer,
De jeito injusto e maldoso,
Tirar quarenta por cento
Do salário de um idoso.
E sobre a pensão por morte
A reforma faz um corte
Que o salário se deforma.
Contra essa ação dura e bruta,
Somente através da luta
Se combate essa Reforma.

Somente a força do povo,
Num momento histórico e raro,
Pode soltar o seu grito
E mostrar pra Bolsonaro.
Tirar direitos da gente
Não é um papel decente
Mas é função de um canalha
O povo não se conforma
Ninguém aprova a reforma
Que maltrata quem trabalha.

Mas vamos ficar atentos
Deputados, senadores,
Pra saber quais de vocês
São contra os trabalhadores.
A lei do voto é mais forte
E a gente vai dar um corte
Em quem não nos representa.
Contra essa Reforma bruta,
Ou a gente entra na luta,
Ou ninguém mais se aposenta.


Rariosvaldo Oliveira–Natal-RN
 

quarta-feira, 15 de maio de 2019

POR QUE EU DEFENDO TOQUINHO - Renan ll Pinheiro




Começo essa postagem dizendo que, ao contrário da minha mãe, nunca tive Toquinho como o melhor parceiro de Vinícius. Para mim, e creio que não estou sozinho nessa, este é sem dúvida Tom Jobim.
Contudo, só um insensível não reconheceria os méritos dele. Não só ele foi parceiro do poetinha em preciosidades como "A tonga da mironga do cabuletê", "Tarde em Itapoã", "Sei lá - A vida tem sempre razão", "O filho que eu quero ter (cuja letra foi criada para a melodia composta previamente pelo músico, depois de uma conversa onde lhe revelou que estava pensando em ter filhos), "Carta ao Tom 74", como ainda colocou música no soneto "São demais os perigos desta vida", que ele escreveu para a abertura da peça "Orfeu da conceição", feito que espantou o veterano porque considerava quase impossível musicá-lo. Sem mencionar sua contribuição para a música infantil brasileira, através de clássicos como "Arca de Noé", "Aquarela", "O caderno" e "Ao que vai chegar" - as duas últimas parcerias com Mutinho. Além de tudo, é um exímio violonista, chegando a ser considerado, tempos atrás, um dos melhores do Brasil.
Por que estou recordando isso? Porque, devido a uma opinião política que eu mesmo considero infeliz (e penso que Vinícius concordaria comigo), mas que ele tem o direito de expressar (estamos numa democracia, recordam?), vi insultos dirigidos a ele nas redes sociais apelidando-o de "tosquinho" e dizendo que ele só subiu na vida e na carreira porque "escorou-se" em compositores de talento. Alto lá! Ele pode ser melodista em vez de letrista, mas sem um melodista de talento a letra não fica impressa na alma de quem a escuta. Sugiro que quem disse coisas tão ridículas escute alguma das obras que elenquei, ou faça uma pequena busca na Internet.
Por mais que os ânimos estejam acirrados, não podemos abrir mão da civilidade, ela é que nos distingue da barbárie e da arbitrariedade. Critico a postura do cidadão, mas não retiro os méritos do artista, esses ele sempre terá. Ou estamos voltando aos exageros dos Anos de Chumbo, onde o Pasquim crucificou Simonal, Henfil "enterrou" Elis Regina e Marília Pera (aquela por ter interpretado a "vendida" Carmen Miranda num musical e a outra por ter participado das Olimpíadas do Exército, provavelmente pressionada), e a bela "Sabiá" foi vaiada na fase brasileira do "III Festival Internacional da Canção"?
Não contem comigo para irracionalidades de nenhuma espécie.

TOQUE DE AMOR Valdenides Cabral de Araújo Dias




TOQUE DE AMOR

Valdenides Cabral de Araújo Dias

            Nena existiu, eu vi, nesse lugar onde guinés, galinhas e pintos obedecem ao comando de voz de José, seu irmão mais velho. Desde cedo aprendeu a olhá-lo como ser duplo. José sempre foi, para ela, o homem rude e sereno, o sério e o palhaço que a fazia rir nos tempos de menina. José é o que cava a terra com os olhos pregados no céu. Um vaqueiro de muitos silêncios e poucos bichos.
            De olhar preso no horizonte, onde Cacimbas é apenas um topônimo, ele a ensinou, um dia, a enxergar longe no escuro da noite e a ver, na luz dos vagalumes, a cor de seus sonhos. Homem de poucas palavras e profundas reflexões, José assimilou uma e outra margem de um açude que, quando seca, ele próprio se transforma na terceira margem, para sobrevivência sua e de seus bichos. Foi longe disso que Nena cresceu, mas disso tudo sabia. E sentia.
Nena cresceu  longe dele. Foi em busca dos sonhos que viu, um dia refletidos na luz dos vagalumes. José, planta(n)do a terra, fincado, ficado, ficando na casa onde nasceram, arando o chão, colhendo o que a chuva permite. A casa, José, as teias de aranhas descendo pelas paredes, o rádio num canto da sala, os potes de água de beber na despensa, a porteira do curral dentro da sala de jantar. O muro da casa caído, a frente da casa, caiada.
Ontem mesmo, tive plena certeza de que Nena ainda existe naquele lugar. Isso digo porque a vi, ontem, tocando a mão de José, depois de um longo tempo de ausência, e fotografando com os olhos o chapéu velho do irmão mais velho, que a levou aos seus oito anos. Também as linhas tortas da casa, as lamparinas, o jirau de um queijo imaginário. E o mesmo sorriso longo e franco de José, agora sem dentes. O que eu vi, o que eu senti, foi um toque de amor.

terça-feira, 14 de maio de 2019

Sombras nas cavernas - Heraldo Lins


Nossa existência é marcada por experiências agradáveis que gostaríamos que fossem eternas.Mas nos vêm as amargas que influenciam e alteram nossos medos. Os inocentes não acumularam medos, por isso se deixam ficar nos braços dos outros. Evitamos braços e abraços desconhecidos depois da experiência das dores. 

Somos lapidados pelos sentimentos de perdas e ganhos.  O ganho nos dá a sensação de poder, a perda nos ensina a saber escolher. Somos guiados pelo poder de ter para dominar. Nunca almejamos algo para dividir. 

A relação afetiva também segue o mesmo padrão.  Sempre queremos algo com exclusividade. Com apego e egoísmo. É característica do animal. Demarcação de territórios.  Nem aceitamos de bom grado quando o objeto de conquista já mantém uma convivência de união. Foge da nossa capacidade de aceitar tal fato. 

Sofremos a angústia de querer mais e sempre ter menos. Nunca sofremos quando queremos pouco e  nos é dado muito. O pior é não ter consciência desse jogo dos sentimentos. Eles alimentam as ideias e seguimos achando que foram produzidas por nós. Nem nos damos contas que há algo mais forte direcionando nossos quereres.

 O próprio animal que está escondido nas etiquetas civilizatórias que, assimilados durante a convivência social, nos dita as regras. 

 Vamos caminhando na estrada da vida acreditando em nossas decisões. Mesmo sendo longe da lógica, decidimos pelo mais agradável.  Pelo bem-estar imediato. A batata é substituída pelo milk shake. A esposa, pela amiga íntima. O diferente e perigoso traz um brinde de adrenalina. Droga natural que move as ações humanas. Que faz  homens e mulheres se arriscarem para vivenciar suas fantasias.  Sem isso permaneceríamos, ainda hoje, olhando as sombras refletidas na parede da caverna de Platão.

Heraldo Lins
Natal/RN, 14.05.2019

terça-feira, 7 de maio de 2019

SE ARREPENDIMENTO MATASSE...





SE ARREPENDIMENTO MATASSE..

Pouquíssimas coisas são tão eficazes em produzir bons sentimentos quanto a sensação de estar certo, de ter procedido corretamente. Já ser enganado, fazer papel de bobo, sentir a consciência com o dedo em riste não é nada agradável.

Após ver as tristes notícias sobre os rumos sombrios que o país está tomando – cortes e mais cortes nos já parcos recursos – fui para a feira, tristíssimo por um lado, mas feliz por não ter parte nisso tudo que está ocorrendo.

Seguia eu tomado por esses sentimentos conflitantes quando um feirante estendeu-me a mão, e disse: Olá, meu amigo! Você é uma pessoa a quem eu posso chamar de meu amigo, não aqueles que estão lá em cima, esses políticos safados e enganadores!

Estranhando a saudação e o gesto, observei e vi que não estava bêbado. Conheço-o há um bom tempo, confio muito nos produtos que me vende. É daquele tipo de homem simples, de pouco estudo, que odeia mentira, que busca honrar os fios do bigode. O gesto inusitado me surpreendeu porque ele em geral se mostra desconfiado; é de poucas palavras e nada expansivo; Tivéramos, além disso, certo estranhamento no último pleito eleitoral. Tacitamente, sem que externássemos qualquer acordo, chegamos ao ponto de evitar tratar do tema em nossos poucos encontros sabáticos. Limitávamo-nos ao mútuo envio de vídeos pelo Messenger e às relações de compra e venda. Nunca nos tratamos com desrespeito. Com diplomacia, mas em vão, busquei abrir seus olhos durante a campanha. A surpresa só não foi maior porque, depois da vitória de seu candidato, vi-o mudado, compartilhando algumas postagens minhas contrárias à Reforma da Previdência

Quando retornei, acrescentou: Eu sou muito mole, professor! Só duas vezes inventei de me envolver com política e fazer campanha: na eleição de Fernando Collor e nessa. Pense num arrependimento grande, meu amigo.

Só ri, respeitosamente, e depois disse alguma coisa para justificar e intensificar sua decepção. Apareceu outro freguês; aproveitei e disse que precisava ir noutra banca; ao voltar, passaria por lá, pra continuarmos a conversa.

Voltei, e ele me apresentou a razão de sua frustrada paixão pelo presidente: Sabe por que decidi votar nele? Por causa daquela frase que ele repetia: ‘Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará’. Eu achava aquela frase bonita e pensava ‘esse é um homem de Deus’. Mas me enganei feio! Ah, miserável mentiroso! Mas ele vai pagar caro! Deus tá vendo o que ele fez, usando a palavra dele com mentira.

Nesse instante, tive outra surpresa: chegou um senhor branco, baixo e gordo, até então desconhecido; perguntou ao vendedor, com ar agitado: Esse é o professor de quem você falava, né? E dirigiu-se a mim: Professor, nós, lá no IFRN, estamos no maior desespero. Bem que o senhor vivia avisando a ele. O coordenador do IF chorou e tudo, disse que não podia fazer nada, infelizmente. Segunda-feira serão demitidos dois funcionários já, e isso é só o começo. Eu trabalho lá há 11 anos, mas pelo jeito também vou ser despedido. Eu sou auxiliar de serviços gerais. Sou pai de família e estou preocupado com meu futuro. Morro de vergonha do voto que dei, fico lá calado, com medo que eles me culpem, pois eu achava que a educação ia melhorar, não piorar desse jeito. Como é que pode mexer num dinheiro que já é pouco, fazer um negócio desses com a gente?

Muito triste, amigos, disse-lhes eu. Países que deram certo como Finlândia, Canadá e Holanda, investiram muito em educação e o resultado é que se tornaram muito prósperos. Nós estamos indo na contramão.

Ao fim de nossa conversa, quando já me dirigia a outra banca, deparo-me com J. Nildo, evangélico. Este passava o dia inteiro e boa parte da noite no Facebook defendendo a candidatura de um mito, em nome de Deus.

Não resisti e disse: Anda calado, sumido das redes sociais... o que é que está acontecendo, amigo?

Resposta: Rapaz... é  muita ocupação. Chego em casa, janto, logo bate o sono e vou dormir.

Eu entendo, disse-lhe. Percebo que tem muita gente passando por isso ultimamente. A gente abusa, né? Facebook já não é mais como antes. Disse-lhe, e fui conversar um pouco com um vendedor mais à frente, também decepcionado. Não confio mais em nenhum desses ladrões. Fiz papel de besta, pode acreditar, professor!

Por último, entrei na barbearia de um amigo, cuja cabeça não consegui fazer durante a campanha - arrependidíssimo por haver apostado todas as fichas numa miragem. Com tanta raiva e vigor se exprimia, que temi pelo cliente de quem tirava a barba. Este não resistiu e, mesmo com a navalha ao pescoço, balançou a cabeça afirmativamente, e disse repetidamente: É verdade.

Completei, então, para mim mesmo, a frase que intitula a crônica:


SE ARREPENDIMENTO MATASSE, MUITOS ELEITORES JÁ TERIAM MORRIDO.

Gilberto Cardoso dos Santos

segunda-feira, 6 de maio de 2019

DÁ PRA VIVER SEM CULTURA? - cordel de Moraes Moreira


DÁ PRA VIVER SEM CULTURA?
.
Sem alma, corpo é cadáver;
Sem corpo, alma é fantasma.
Ah, como é triste se ater
Com quem não se entusiasma!
Prefiro uma sepultura
Do que viver sem cultura,
Onde a matéria não plasma.
.
A história da humanidade
Jamais se escreveu sem arte;
Em toda e qualquer idade
O grande artista fez parte,
Eternizando  momentos,
Verdadeiros monumentos,
Em várias formas, destarte.
.
E quem é que não precisa
Dessas ricas referências?
O sorrir de “Mona Lisa”,
Entre outras aparências,
A beleza foi pintada;
Van Gogh  - “Noite Estrelada”
A despertar consciências.
.
Veja bem como se trata
O traço do grande esteta:
Composição abstrata
A sua obra é completa;
Quão genial é seu toque,
O americano Pollock,
Pintando, era um poeta.
.
Apresentou seu talento
No mundo da lua, o artista!
Ali, naquele momento,
Era ele o impressionista..
Vou olhar de pincenê
O trabalho de Monet,
Que vai encher minha vista.  
.
Do amor se fez o tesouro!
Dei nota dez e dou vinte,
Pintado em folha de ouro
Assim foi o “Beijo” de  Klimt,
Tela que pegou na veia,
Foi ela, - “A Última Ceia”
De Leonardo da Vinci.
.
 Não demorou muitas horas
O mestre, pra dar ouvidos:
Senhores e minhas senhoras!
Os relógios derretidos,
O Salvador, desses ismos,
Formigas, surrealismos,
Dali, dos tempos vividos.
.
Tema: “Bombardeamento”
Traz a tristeza no traço;
Tem um arrebatamento
Que leva a gente ao abraço.
A vida significa,
Admirando “Guernica”
Do grande Pablo Picasso!
.
Michelangelo pintou
No céu, “Capela Sistina”
O que Papa encomendou     
Aquilo que o mestre ensina,
Em suas visões idílicas,
Mostrou-nos passagens bíblicas,
Que a gente nem imagina.
.
As obras primas são tantas,
Só acha quem as procura.
Ó gênios, como me encantas
Com a divina loucura! 
Meu povo, vai, não vacila!       
“Abaporu” de Tarsila!   
Dá pra viver sem cultura?
.

Moraes Moreira 22 de abril 2019