APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


sábado, 11 de junho de 2011

MARCOS CAVALCANTI (COLUNA)



O século XXI teve início, precisamente às 10:45h do dia 11 de setembro de 2001, data em que a perplexidade mundial se fez sentir e se expressar na sua máxima intensidade em todos os quadrantes do globo terrestre, face a um acontecimento sem precedentes na história da humanidade. A data, por sua importância poderia ou poderá marcar num futuro próximo os livros de história com a denominação de uma nova era, substituindo o que chamamos atualmente de contemporaneidade por uma outra designação ainda não conhecida. Esse traumático marco histórico de consequências permanentes tem vários ingredientes belicosos e desastrosos para a humanidade, dentre os quais, destaco o ódio e a ambição humana nascidos da ideologia político-religiosa, como os principais responsáveis por gerar o terrorismo e todas as suas desgraças, pretensamente “justificadas”.

São 8 horas da manhã de 11 de setembro de 2001, acordamos tensos, ansiosos pelo porvir. Foram meses de preparação minuciosa, com acompanhamento especializado, aquisição de produtos, leitura de manuais, escutas, relatórios e tudo o mais que uma operação deste porte requer daqueles que estão engajados e conscientes do tamanho de suas responsabilidades. Sem que soubéssemos exatamente o que nos esperava, eu e minha companheira partimos para o local previamente agendado. Era o princípio das dores que começava. O trânsito horrível aumentava ainda mais a nossa tensão, a nossa angústia. Felizmente conseguimos chegar sãos e salvos ao nosso “Marco Zero”, espaço de um novo tempo que ia surgir, banhado pela luz intensa de um sol suspenso num céu de brigadeiro, refletido no grande espelho da costa atlântica que nos circundava.

Passava das 9 horas quando recebemos a ordem peremptória de nos separarmos e de nos prepararmos para a operação que daí a pouco iria se desencadear de modo irreversível na vida dos vários envolvidos. A minha companheira mostrou-se vacilante, apertou-me a mão com lágrimas no rosto, embaçando ainda mais o olhar de pavor que de suas pupilas saltavam ante ao desconhecido. Disse-lhe para ser forte e que acontecesse o que acontecesse, eu estaria, em pensamentos, ao seu lado. Um último argumento lancei para mudar os planos e seguir em frente junto com a minha parceira, mas fui impedido pelo encarregado-chefe da operação. Restava-me a resignação e seguir o meu caminho solitário, com todas as incertezas e temores de um principiante, mesmo tendo me preparado tão bem durante o longo aprendizado.

Dirigi-me à antessala do grande prédio e me prostrei no balcão de atendimento. Os ponteros do relógio na parede à minha frente se arrastava lentamente. Eu sabia que em instantes entranhas seriam rompidas pelos golpes cirúrgicos de mãos firmes e determinadas. Gritos nos corredores; sirenes nas calçadas. Eu andava de um lado para o outro aguardando notícias do desencadeamento da operação. Já havia passado quase duas horas de nossa despedida. Perguntava. Não me diziam nada.

No ápice de minha aflição, finalmente pude ouvir da recepcionista que a Esperança havia acabado de nascer, exatamente às 10:45h daquela manhã de 11 de setembro de 2001. Ela pesava 4,70kg, media 52 cm e era a cara do pai coruja. Para esse momento especial havia preparado uma camiseta com a imagem de minha esposa grávida, com uma mensagem que dizia mais ou menos assim: Na cidade dos Reis, eis que nasce uma Rainha, se tua mamãe assim desejar, terás por nome Nadiajda, que se traduz por Esperança. Sede bemvinda querida filha ao jardim de nossas vidas. Nossa doce e linda Esperança. Nadiajda era o nome que havia escolhido para minha primeira filha, 10 anos antes de seu nascimento, a partir da leitura que fiz do livro Viagens, de Graciliano Ramos, e cujo significado de origem russa remete à Esperança.

Não havia televisão na sala da maternidade Januário Cicco, mas em toda parte, o mundo boquiaberto tomava consciência de que jamais seria o mesmo após o terrível atentado. Para mim e minha esposa Sueli, naquela instante em que a morte marcava para sempre a vida de milhares de pessoas de várias nacionalidades e que trabalhavam nas torres gêmeas, bem como de outras tantas em consequência dos tresloucados atos; era a vida em forma de Esperança que brotava em nosso jardim, linda e forte como uma rosa contrastando com esse dia louco e despedaçado. Parabéns filha por mais este aniversário!!!!

Marcos Cavalcanti



EUDÓXIA, TU VIVES EM TUA POESIA!



Amigos Leitores,


Com muito pesar venho comunicar esta nota triste. A cultura de Santa Cruz e do Estado do Rio Grande do Norte amanheceu de luto nesta manhã de sexta-feira, 09 de setembro de 2011. Depois de vários dias internadas no Hospital Regional Aluízio Bezerra, a poetisa Eudóxia Ribeiro Damasceno, no alto de seus 89 anos, fragilizada por uma doença contra a qual lutou nestes últimos anos de sua vida, teve sua voz silenciada, despedindo-se de todos nós, seus amigos, parentes e admiradores.
A rua Cel. Ivo Furtado sente a morte da ilustre moradora da casinha verde, onde a poesia fazia morada ao seu lado. Eudóxia nos deixou o Romanceiro “As tramas da Família Baianos”, romance inventivo, fruto do imaginário criativo e da sensibilidade poética desta grande poetisa. Também foi ela pioneira na literatura popular que exalta o Alto de Santa Rita, lançando o cordel “Louvor ao Alto de Santa Rita. Muitas outras poesias deixou-nos escrita em seus caderninhos de arame, além da obra inédita “A vida de Euclides”. Espero que a posteridade possa ver estes poemas publicados.
Eudóxia viveu voltada para poesia e para a sua religião, a católica, sendo devota fiel de Nossa Senhora de Fátima e amiga de todos os padres que passaram por esta paróquia, desde que fixou residência nesta cidade. Sua docilidade, sua educação, seu jeito humano e afável de tratar as pessoas eram marcas de sua nobre personalidade. Adorava a natureza e muitos de seus poemas retratam esse amor. Cultivava em seus pequeno jardim, muitas espécies de plantas e na vida cultivou com esmero o sentimento da amizade. Sou um destes amigos que hoje sente no íntimo a tristeza de tamanha perda.
Se em sua trajetória literária tivesse tido mais apoio, muitos teriam sido os romances inventados porque a poesia lhe saia do âmago com enorme facilidade. Se não se notabilizou no estado, a exemplo de uma Dona Militana, teve pelo menos o reconhecimento de uma importante instituição de nosso estado, o IFRN, que imortalizou a sua memória, rendendo-lhe a homenagem da comenda cultural Mestre Antônio da Ladeira, bem como colocando-a como destaque cultural do nosso estado, no seleto rol do Portal da Cultura Popular, o qual vale a pena acessar para um contato mais íntimo com a obra e o maravilhoso ser humano que ela era.
Sei que é lugar comum dizer que os artistas não morrem, uma vez que se eternizam por suas obras, mas não importa o lugar comum da frase quando se homenageia o incomum dos seres, àquela que por sua arte, por sua sensibilidade poética permanecerá viva em nossas mentes, em nossos corações.
Receba Eudóxia a homenagem de todos nós que fazemos a ASPE, você que era membro afetiva de nossa entidade, e tenha a certeza de que zelaremos por sua memória, pelo tesouro cultural que você representa e nos legou por suas palavras, por sua doce poesia.

Santa Cruz-RN, 09/09/2011.

Marcos Cavalcanti

fonte: http://apoesc.blogspot.com/2011/09/eudoxia-tu-vives-em-tua-poesia-marcos.html
MORRE EUDÓXIA RIBEIRO

Morreu hoje a poetisa Eudóxia Ribeiro, a respeito de quem o grande apologista cultural e poeta Marcos Cavalcanti escrevera:

EUDÓXIA, A ROMANCEIRA DO TRAIRI

Tive a honra de fazer a apresentação do livro de Eudóxia Ribeiro, intitulado “As Tramas da Família Baianos”. Trabalhei em sua modesta confecção e publicação (apenas 100 exemplares) com o mesmo entusiasmo que dispensei à produção dos meus dois livros de poesia, e se o fiz movido, sobretudo, pela amizade que nos une, não é menos verdadeiro que o fiz também consciente de que ajudava a revelar a única criadora de romance em verso com ecos de estilo ibérico de que este estado já teve notícias, por isso, e não sem razão, que comparei-a em grau de importância para a cultura popular de nosso estado, à famosa romanceira de São Gonçalo do Amarante, Dona Militana, recentemente falecida.


(UMA VIDA DE POESIA ENTRE A PARAIBA E O RIO GRANDE)

Militana notabilizou-se por conservar na memória e cantar um sem número de romanceiros de origem ibérica. Já Eudóxia, está por merecer o reconhecimento, ainda que tardio, mas antes tarde do que nunca, por ter produzido a partir de seu próprio imaginário, semi-letrado, diga-se de passagem, uma obra poética que pede a atenção da crítica especializada neste particularíssimo e cada vez mais raro gênero literário. Na tentativa de tirá-la do anonimato levei de presente a sua obra para dois grandes folcloristas, o primeiro deles, o Dr. Fábio Lucas, renomado estudioso do romanceiro ibérico e nacional, e o segundo, ninguém menos que o respeitado Deífilo Gurgel, este último, responsável por revelar a própria Dona Militana. Nada soube quanto às impressões que o romance de Eudóxia possa ter causado neles. Esperava uma nota, um artigo, uma resenha, fosse o que fosse, mas o silêncio sobre a obra de nossa única escritora romanceira, lamentavelmente permanece.


Um novo alento surge agora com o lançamento deste site dedicado à cultura popular do nosso estado [referência ao bloghttp://www2.ifrn.edu.br/culturapotiguar/], onde temos a oportunidade de ver e de ouvir a própria Eudóxia, na única entrevista que concedeu até o momento. E mais uma vez sou chamado a apresentar Eudóxia Ribeiro Damasceno, esta paraibana da cidade de Areia, que escolheu o Rio Grande do Norte, a cidade de Santa Cruz, por sua terra afetiva e de morada. Tivesse eu a mestria da palavra de um Câmara Cascudo, com maior gosto e melhor tinta a apresentaria, como falta-me talento e arte, dou-me por satisfeito em dizer que a figura humana de Eudóxia, está em plena sintonia com o significado etimológico que seu nome evoca. Vem do grego e significa “a que tem boa reputação”.

A poetisa Eudóxia é doce, é carinhosa, e mesmo em face da doença que lhe limita as ações motoras, no alto de seus quase 90 anos, mostra-se em sua cadeira de rodas, atenciosa com os que a visitam em sua casinha verde, não trazendo em si, a menor marca de vaidade, não esperando nenhum reconhecimento, mas simplesmente feliz por ter realizado o seu grande sonho: a publicação de As Tramas da Família Baianos. Que o amigo leitor possa buscar e encontrar o seu livro, e com ele se deixe conduzir pelos reinos e encantamentos de sua imaginação poética.

Marcos Cavalcanti

FONTE: http://apoesc.blogspot.com/2011/09/morre-eudoxia-ribeiro.html




HOMENAGEM AO 2º FESTIVAL DE MÚSICA FELINTO LÚCIO



Gostaria que as minhas palavras de louvor ao 2º Festival de Bandas Maestro Felinto Lúcio Dantas tivessem a força do ápice de um dobrado executado pela Banda de Música da Polícia Militar do Estado do Rio Grande do Norte; que fossem elas dotadas do carisma do maestro Bembém regendo ao mesmo tempo a excelente Filarmônica de Cruzeta e a platéia entusiasmada ali presente; que se revestissem em seus significados, da elegância da maestrina Paula Francinete à frente da frenética Banda de São Tomé; que espelhassem reflexos da criatividade de um Márcio Dantas, compositor e maestro que traz no DNA a seiva da musicalidade genealógica da família Dantas, de Carnaúba; que traduzissem numa só tirada, o fôlego do Sargento Silas produzindo não somente sons, mas emoções com os seus solos magistrais de trompete; mas tudo isso é muito pouco, na verdade é um quase nada na tentativa vã de dar ao leitor uma boa dimensão das horas mágicas que vivenciamos ao sabor da Música, no Teatro Cadinha Bezerra, nestes dias 04 e 05 de junho, graças a ASSOMUSC e a toda a sua equipe capitaneada bravamente pelo maestro Camilo Dantas, cujo trabalho sempre tão bem orquestrado se fez recompensar pela excelência do resultado obtido. Maestro, credibilidade é a palavra que faz de seu esforço, a certeza de que no próximo ano, teremos o público e os próprios músicos pedindo BIS.

Como é maravilhosa a arte. Como é tocante a harmonia sonora que brota do sopro coletivo de uma banda de música traduzindo-nos emoções. No palco, dedos ágeis e juvenis fizeram ecoar acordes de gente grande; na batida ritmada dos pés víamos a marcação do compasso da música que se evolava inefável pelo ar; o zelo com os instrumentos em polidos tons de ouro ou prata davam ao cenário um brilho de realeza. Dizer mais para quê? Os instantes foram do sentir, sentir a música em toda a sua essência penetrando nos nossos ouvidos, fazendo vibrar os nossos tímpanos, martelos e bigornas para se alojar para sempre na memória de nossos corações.

Mas a despeito da excelência de um evento dessa magnitude, que tanto nos envaidece, que tanto nos honra, há sempre uma nota triste, uma nota que destoa, um ruído, uma dissonância desagradável que nos incomoda e que se fez sentir nas palavras afiadas e afinadas do maestro Bembém e do Músico-Capitão Leitão, conterrâneo nosso, cujo eloquente dueto pôs em evidência a falta de apoio de alguns governantes insensíveis às causas das bandas de músicas municipais; denunciaram também o desprezo da mídia estadual, que se amesquinha ao divulgar no âmbito cultural, apenas o que ocorre no eixo Natal-Mossoró.

Meus conterrâneos, não faz sentido e nem é razoável que o Banco do Nordeste, tendo constatado o sucesso do evento no ano de 2010, não tenha aprovado a edição de 2011; é paradoxal e nos causa um certo constrangimento, um nó na garganta, que a cidade anfitriã de tão extraordinário evento, não tenha tido a possibilidade de se apresentar por falta de instrumentos musicais e de músicos, deixando uma lacuna que nos fere no mais profundo íntimo de nossa sensibilidade; não faz sentido ou no mínimo é lamentável que das 9 cidades que formam a região do Trairi, nenhuma delas estivesse presente com uma BANDA para formar o TODO deste extraordinário festival. Acordes, acordem os nossos prefeitos da sonolência cultural!

Mais não digo para não ser desagradável, e destaco por fim, a presença entre o público, dos ex-prefeitos Gilson Andrade e Hildebrando Teixeira, que seguindo o exemplo de Zé Rocha, deram a sua contribuição no passado para a formação e manutenção de nossa Banda de Música Municipal, e que lá estiveram prestigiando o evento, juntamente com os vários ex-integrantes de ontem e de hoje da nossa querida Banda, entre eles, o grande maestro Deusdete Araújo.

Parabéns aos empresários que patrocinaram o evento; parabéns aos blogs e as rádios que o divulgaram; parabéns às crianças, jovens, adultos e idosos que lotaram o teatro, reforçando a máxima de que a boa música, sendo universal é também um fenômeno atemporal. Viva à música e a ASSOMUSC, viva ao maestro Camilo, e finalmente demos vivas ao nosso Festival!!!
FONTE:



Marcos Cavalcanti




ECO! LÓGICO

Uma pérola,
Uma concha
Nas profundezas do mar
Viram atração de um colar.

Dois marfins,
Um elefante
Num deserto abrasador
Na mira do caçador.

Um couro,
Um jacaré,
Um tiro de lanterna no Pantanal,
Uma bolsa no bolso de um boçal.

Umas penas,
Um pavão
Numa fantasia de Tupi
Colorindo a Sapucaí.

Uma árvore,
Uma peroba
Numa cadeira esculpida
No meio da sala sem vida.

O homem,
Mil vaidades
Destruindo o natural
Pro seu belo artificial.

Autor: Marcos Cavalcanti


ECO! LÓGICO (em espanhol)

Una perla, / Una concha / En las profundidades del mar / Se volverán atracción de un collar. /

Dos marfiles, / Un elefante / En un desierto abrasador / En la mira del cazador. / Un cuero, / Un caimán, / Un tiro de linterna en el Pantanal, / Una bolsa en el bolso de un chaval. /

Unas plumas, / Un pavón / En una fantasía de Tupi / Coloreando la Sapucaí. /

Un árbol, / Una peroba / En una silla esculpida / En medio de la sala sin vida. /

El hombre, / Mil vanidades / Destruyendo el natural / Para su hermoso artificial.

Autor: Marcos Cavalcanti

O DIA EM QUE MACACO VIROU SÃO JOÃO

As crianças são fontes de alegria em nossas vidas. Não raro vemos brotar de suas ações, o poético, o comovente, o delicado ou até mesmo o hilário. Quem tem criança em casa ou em sua convivência diária sabe muito bem do que estou falando. A narrativa que compartilho com todos vocês neste blog cultural é só mais um exemplo disso.

Eu assistia televisão em meu quarto, quando Marília, minha filha de 4 anos, entrou empurrando um carrinho de bebê de brinquedo. No carinho estava aquele que em sua cabecinha de criança ela chama de filhinho. Marílio é o nome que ela deu ao bonequinho barrigudo e de olhos azuis. Ao me ver deitado na cama, ela olhou para a televisão e disse:

_É a minha vez agora, o senhor já passou a tarde todinha assistindo.

Com tão forte argumento, eu já estava pronto para mudar da TV5Monde, para o seu canal preferido, o Discovery Kids, mas para a minha surpresa, ela emendou apontando para a TV:

_ É esse aí mesmo o meu canal.

_Então vamos aprender francês juntos. Disse-lhe aproveitando a deixa.

Ela, sorridente, pulou em cima da cama, toda feliz.

Repita comigo! Dimanche é domingo. Ela repetiu. Lundi é segunda... e assim fui dizendo até o sábado. Ela repetia tudo direitinho. Então peguei Marílio e fui apontando para as partes de sua cabeça. Primeiro para o nariz. Diga nez (pronuncia-se “nê”). Ela repetiu. Boca é bouche. Quando ia apontar para a orelha. Ela me interrompeu.

_Pera aí que eu vou correndo buscar o meu caderno.

Como ela tinha acabado de tomar banho, eu apelei:

_Não corra não, minha filha, que você vai ficar toda suadinha. No que ela me respondeu:

_Tem nada não painho. Eu sou o vento! E saiu em disparada. Mal dobrou a porta do quarto que dá acesso ao corredor, um forte estouro ecoou nas proximidades de nossa casa. Era um destes fogos de artifício do mês de São João. Ela voltou correndo e de olhos arregalados, disse:

_Painho, é o trovão e o vento tem medo de trovão.

Passados alguns segundos, e mais calma, ela voltou com o seu caderno. Retomei a lição e fui escrevendo cada uma das palavras dos dias da semana, até que ela se cansou da leitura na sexta-feira (vendredi). Então eu desisti e voltei novamente a olhar para a televisão. Foi quando ela pegou o lápis comum e escreveu no caderninho a palavra MACACO, mandando em seguida que eu lesse. Eu li e imediatamente me veio a correspondente em francês.

_Filhinha, macaco em francês é singe (pronuncia-se “sange”). Ela arregalou os olhos e na bucha exclamou:

_ É mesmo painho, é igual a Sãoooo Jooooãaao!!. Não me contive e caí na gargalhada e ela riu também sem entender direito o que estava acontecendo. Eis aí o dia em que o macaco, em francês, virou o santo evangelista.

FONTE: http://apoesc.blogspot.com/2011/06/o-dia-em-que-o-macaco-virou-sao-joao.html