quinta-feira, 5 de janeiro de 2023

Uma história de vida - Siomara Spineli


UMA HISTÓRIA DE VIDA


É...estava mofada a parede que eu me recostava para ver as estrelas. Mofada!!! Imagina?!

Penso...acho que a culpa foi minha. A minha distância, a minha indiferença, eu que fui escolher outros meios de olhar as estrelas, logo elas, que nunca mentiram, sempre sorriram para mim, faceiras e espertas, eu que caminhei a distância incontável, como as estrelas, só para enxergá-las de outro lugar, em outras paredes. Eu que preferi ver as estrelas no interior distante de outras terras, em vez de contemplá-las sentindo a maresia naquela parede tão minha... perdia a hora, os minutos corriam e os pensamentos vagueavam no Espaço Sideral naquele azul tão lindo ofuscado pelas luzes da cidade.

Na cidade distante que me acolhia, o céu era lindo, tão mais lindo, deve ter sido de ciúmes que a parede mofou. O lugar não era meu. As pessoas não eram minhas. Mas o céu, aquele céu quase irreconhecível que via, ele sim era meu. Lá estava a lua, tão facetada quanto eu e o cinturão de Órion que não me deixava confundir, era o mesmo céu! Com mais milhões de estrelas se pudesse contá-las. Deixei lá, minha parede favorita, meu lugar singular. Ela deve ter sentido minha falta, minha ausência, frio, ela deve ter sentido tristeza e definhou, deixou-se ser coberta pelo mofo, apenas para me culpar do abandono. 

Voltei, parede querida, mas não sou mais tão pequenina para que me acolhas tão bem quanto antes, mas estou aqui. 

Ela fria, apenas acolheu-me nos braços, mas as cicatrizes de tantos outros abandonos não pôde largar.


Siomara Spineli (poetisa, educadora e ilustradora)



2 comentários:

  1. Parabéns pela escrita sensível! Acordar com essa narrativa me fez ter novos olhares e ideias.

    ResponderExcluir
  2. Que lindo, minha amiga! Amei. Como é bom ler um texto bem feito. Cheio de significado, de autoavaliação... Excelente!

    ResponderExcluir

Comentários com termos vulgares e palavrões, ofensas, serão excluídos. Não se preocupem com erros de português. Patativa do Assaré disse: "É melhor escrever errado a coisa certa, do que escrever certo a coisa errada”