APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


sexta-feira, 9 de setembro de 2011

MORRE EUDÓXIA RIBEIRO

Morreu hoje a poetisa Eudóxia Ribeiro, a respeito de quem o grande apologista cultural e poeta Marcos Cavalcanti escrevera:

EUDÓXIA, A ROMANCEIRA DO TRAIRI

Tive a honra de fazer a apresentação do livro de Eudóxia Ribeiro, intitulado “As Tramas da Família Baianos”. Trabalhei em sua modesta confecção e publicação (apenas 100 exemplares) com o mesmo entusiasmo que dispensei à produção dos meus dois livros de poesia, e se o fiz movido, sobretudo, pela amizade que nos une, não é menos verdadeiro que o fiz também consciente de que ajudava a revelar a única criadora de romance em verso com ecos de estilo ibérico de que este estado já teve notícias, por isso, e não sem razão, que comparei-a em grau de importância para a cultura popular de nosso estado, à famosa romanceira de São Gonçalo do Amarante, Dona Militana, recentemente falecida.


(UMA VIDA DE POESIA ENTRE A PARAIBA E O RIO GRANDE)

Militana notabilizou-se por conservar na memória e cantar um sem número de romanceiros de origem ibérica. Já Eudóxia, está por merecer o reconhecimento, ainda que tardio, mas antes tarde do que nunca, por ter produzido a partir de seu próprio imaginário, semi-letrado, diga-se de passagem, uma obra poética que pede a atenção da crítica especializada neste particularíssimo e cada vez mais raro gênero literário. Na tentativa de tirá-la do anonimato levei de presente a sua obra para dois grandes folcloristas, o primeiro deles, o Dr. Fábio Lucas, renomado estudioso do romanceiro ibérico e nacional, e o segundo, ninguém menos que o respeitado Deífilo Gurgel, este último, responsável por revelar a própria Dona Militana. Nada soube quanto às impressões que o romance de Eudóxia possa ter causado neles. Esperava uma nota, um artigo, uma resenha, fosse o que fosse, mas o silêncio sobre a obra de nossa única escritora romanceira, lamentavelmente permanece.


(UMA VIDA DE AMOR PELA POESIA)

Um novo alento surge agora com o lançamento deste site dedicado à cultura popular do nosso estado [referência ao blog http://www2.ifrn.edu.br/culturapotiguar/], onde temos a oportunidade de ver e de ouvir a própria Eudóxia, na única entrevista que concedeu até o momento. E mais uma vez sou chamado a apresentar Eudóxia Ribeiro Damasceno, esta paraibana da cidade de Areia, que escolheu o Rio Grande do Norte, a cidade de Santa Cruz, por sua terra afetiva e de morada. Tivesse eu a mestria da palavra de um Câmara Cascudo, com maior gosto e melhor tinta a apresentaria, como falta-me talento e arte, dou-me por satisfeito em dizer que a figura humana de Eudóxia, está em plena sintonia com o significado etimológico que seu nome evoca. Vem do grego e significa “a que tem boa reputação”.

A poetisa Eudóxia é doce, é carinhosa, e mesmo em face da doença que lhe limita as ações motoras, no alto de seus quase 90 anos, mostra-se em sua cadeira de rodas, atenciosa com os que a visitam em sua casinha verde, não trazendo em si, a menor marca de vaidade, não esperando nenhum reconhecimento, mas simplesmente feliz por ter realizado o seu grande sonho: a publicação de As Tramas da Família Baianos. Que o amigo leitor possa buscar e encontrar o seu livro, e com ele se deixe conduzir pelos reinos e encantamentos de sua imaginação poética.

Marcos Cavalcanti, Santa Cruz-RN, 23/09/2010


(TRECHO DE “AS TRAMAS DA FAMÍLIA BAIANOS”)

FONTE:

http://www2.ifrn.edu.br/culturapotiguar/?page_id=360