terça-feira, 28 de junho de 2011

O LENHADOR, O GATO E O TÉDIO - Marcelo Pinheiro

Severino era um velho lenhador que costumava ir à floresta todos os dias,
antes do raiar do sol. Trabalhava duro para sustentar sua família de cinco
filhos pequenos e Sossego, um gato que passava o dia deitado e comendo
carne fresca.

Já era tardinha quando Severino chegou de volta a casa onde morava
depois de mais um dia extenuante de trabalho. Olhando para o gato que
dormia preguiçosamente debaixo de um tamborete lhe veio à vontade
desabafar:

- Vida boa..., são cinco e meia da tarde e você aí, dormindo com a barriga
cheia de carne. Não precisa cortar lenha para sustentar os filhos. Isso é
que é vida.

O gato abriu os olhos ainda com preguiça e falou:

- Que nada! O ócio tem seu alto preço. Ele nos torna íntimos do tédio,
disso eu posso te falar com propriedade, e não há nada pior do que pensar
que a vida não tem sentido algum. Seu trabalho ao menos lhe dá a ilusão
de que, apesar de fatigante, é compensador. A madeira que você derruba
vai virar casas, móveis, instrumentos musicais... E eu, para que existo?

Sem dizer uma palavra, o lenhador saiu já esperando o dia amanhecer
para ir novamente trabalhar. Não queria ter tempo para sentir que sua
vida não tinha sentido algum.

Marcelo Pinheiro.

7 comentários:

  1. Marcelo, excelente texto para reflexões. Tenho 30 anos de serviço público. Em breve, aposentar-me-ei. Já sinto a angústia do ócio. Tenho que pensar em algo prazeroso pra fazer. Escrever contos talvez seja uma saída. Preciso aprender com esses muitos mestres que desfilam suas artes por aqui.Parabéns e um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo,
    Texto curto, simples e profundo. Ótima reflexão sobre as contradições: trabalhar muito para poder trabalhar menos; trabalhar muito para descansar/folgar; descansar e sentir tédio por isto.
    Êta vida humana complicada, hein?!
    Parabéns!
    Aguardamos o próximo!!!

    ResponderExcluir
  3. Realmente Marcelo, muitas pessoas só se sentem vivas quando trabalham, quando fazem algo. Cito como exemplo, a maioria dos aposentados, pois mesmo depois que se aposentam, fazem questão de de continuar trabalhando. Parabéns por mais esse belo texto.

    ResponderExcluir
  4. Marcelo, texto excelente e que tem um grande alcance filosófico. Haveria muito a debater.
    Parabens meu amigo !!!

    ResponderExcluir
  5. Dr.vc manda ver nos seus textos...Parabéns!

    Rita de Cássia

    ResponderExcluir
  6. Marcelo Pinheiro.3 de julho de 2011 19:24

    Obrigado por terem lido e pelos comentários.

    ResponderExcluir

Comentários com termos vulgares e palavrões, ofensas, serão excluídos. Não se preocupem com erros de português. Patativa do Assaré disse: "É melhor escrever errado a coisa certa, do que escrever certo a coisa errada”