APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


segunda-feira, 28 de agosto de 2017

CADA PRÉDIO EM SÃO PAULO CONSTRUIDO TEM O SAL DO SUOR DO NORDESTINO - HÉLIO CRISANTO



CADA PRÉDIO EM SÃO PAULO CONSTRUÍDO
TEM O SAL DO SUOR DO NORDESTINO
MOTE: Andorinha

Se um cassaco viaja pro sudeste
A procura de pão pra sua gente,
É taxado de pobre e penitente,
Como muitos que vem lá do nordeste.
Ao chegar, de pedreiro faz um teste
Pega um prumo, enfrenta o sol a pino
Ergue fábricas, faz casa de grã-fino
Mesmo assim nunca é reconhecido
Cada prédio em São Paulo construído
Tem o sal do suor do nordestino

Sem dinheiro no bolso e sem mobília
Pega um ônibus pra terra da garoa
Dá um beijo na testa da patroa
Se despede do lar e da família
Na estrada, três noites de vigília
Com três dias alcança o seu destino
Pra juntar-se com João e Severino
Num barraco que há pouco foi erguido
Cada prédio em São Paulo construído
Tem o sal do suor do nordestino

Diversão para ele é coisa rara
Quando a grana recebe vem mirrada
No canteiro de obras faz morada
Pois se aluga uma casa é muito cara
O seu chefe briguento nem repara
As agruras do pobre peregrino
Que suado parece um clandestino
Sem história, cansado e esquecido
Cada prédio em São Paulo construído
Tem o sal do suor do nordestino

Se depois do almoço ele descansa
Adormece num banco de concreto
Sem diploma, esse pobre analfabeto
Já não acha na vida uma esperança.
A saudade maltrata, o tempo avança
A distância lhe deixa em desatino
Só lhe resta pedir ao Deus divino
Que a miséria não o deixe aborrecido
Cada prédio em São Paulo construído

Tem o sal do suor do nordestino