APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

SONETO DE JULES LAFORGUE

Sonnet
J'écarte mon rideau, j'étouffe un bâillement.
Toujours cet horizon de hauts-fourneaux de brique
Fumant dans le ciel gris d'un air mélancolique.
- Comme la vie est triste et coule lentement !

Oh ! qui m'emportera bien loin, en un moment,
Là-bas ! dans des pays, au soleil des Tropiques,
Où je serais aimé comme un enfant phtisique
Aimé bien doucement, bien maternellement.

Il faudrait un miracle, et la vie est trop bête.
Pourtant, je puis mourir! m'en aller dés demain
Je n'aurais même pas visité ma planète !

Et nous, nous sommes! et nous hurlons en vain.
Et les cieux éternels continueront leur fête !
Comme la vie est triste, triste. Enfin.
Jules Laforgue


SONETO

Abro minha cortina, e fico a bocejar.
O horizonte de fornos de barro é o mesmo
Tisnando o céu cinza de ar grave, a esmo.
- Como a vida é triste e passa devagar!

Oh! Quem me levará pra longe rapidamente,
Para um país dos trópicos sempre ensolarado.
Como criança tísica lá serei amado
Amado suavemente, maternalmente.

Quero um milagre, a vida é sem sentido.
Veja, posso morrer! Ir embora e fim!
O planeta Terra mal terei conhecido!

E nós somos! E berramos assim.
Os céus eternos continuarão em festa!
Ah, como a vida é triste, triste. Enfim.

           

Jules Laforgue
O escritor Jules Laforgue nasceu em Montevideu em 16 de agosto de 1860 e morreu de tuberculose em 20 de agosto de 1887, na região de Paris.
Foi um poeta simbolista de língua francesa, embora também seja classificado como decadente.[1]
Ficou conhecido como um dos precursores do verso livre. Ele mescla, com sua visão pessimista, a melancolia, o humor e a informalidade da oralidade.



Liliane Mendonça
Nasceu no Rio Grande do Sul, formou-se em Letras- francês pela Universidade Federal do Paraná (UFPR) e atua como tradutora e escritora autônoma, no estado do Paraná.






[1] O decadentismo é uma corrente filosófica e literária que surgiu na França nas duas últimas décadas do século XIX. O estilo critica os costumes burgueses e explora as regiões mais extremas da sensibilidade e do inconsciente. Outro representante do estilo foi Paul Verlaine.
Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Decadentismo