APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


domingo, 20 de outubro de 2013

SOBRE O BAIRRO PARAÍSO - Joseni Santos



Gilberto, 

lendo este seu cordel, desfila nos meus pensamentos os muitos preconceitos pelos quais passei por morar no Bairro Paraiso – Santa Cruz - RN. Tudo isto que você escreve é verdade. Não conheço o restante do seu cordel, portanto, não tenho conhecimento adequado para tecer outros comentários, mas me atrevo a dizer, até porque eu sempre falei sobre estes assuntos e a minha postura foi e é de defesa do Bairro do Paraiso como das demais zonas periféricas de qualquer cidade que viva à margem dos direitos sociais defendidos na Constituição Federal Brasileira.

Defendo que o referido Bairro deveria ser prestigiado e lembrado pelos representantes das diversas esferas do poder os 365 dias do ano e não só no período eleitoral. Existem muitos jovens e crianças que vivem em risco social, cultural, e educacional, entre outros, existe também os adultos que convivem diuturnamente com a falta de oportunidade do exercício da cidadania plena. Qual o remédio que combate estas mazelas sociais que imperam e derrubam a dignidade humana? 
Sabemos que risco social se combate com investimento maciço, duradouro, permanente e com objetivos precisos nas áreas de saúde, educação, segurança, moradia, entre outros. Mas, o que vemos?
Este tipo de investimento só dá resultados a longo prazo e os nossos políticos e demais gestores públicos "não querem" e "não podem" esperar por este tempo, portanto, o resultado é triste.
Temos hoje um "Bairro do Paraiso" generalizado em muitos lugares onde o que impera é a escuridão das leis, das drogas, da prostituição e das mazelas sociais.
Morei no Paraiso por muito tempo - hoje moro em Natal - RN - e vou constantemente para Santa Cruz e fico no Paraiso, não me envergonho e nem me envergonharei das raízes de onde saí. Não vejo motivos para isto, da mesma forma como não critico àquelas pessoas que de lá saíram em busca de outros locais por melhores condições de vida, de moradia, de segurança ou por puro preconceito.
Existem alguns fatos conflitantes que me intrigam com relação aos moradores do Paraiso (me incluo também): 1º) reclamamos bastante porque o Bairro é esquecido pelos políticos e dizemos sempre que eles só nos procuram em época de eleição, em contrapartida, em época de eleição os recebemos de braços abertos e, ainda, acreditamos nas falsas promessas; votando neles e reelegendo-os ou elegendo àqueles indicados por eles; 2º) quando qualquer político ou instituição querem fazer comícios, passeatas, carreatas, ou como dizemos "adjunto" de gente começa pelo Paraiso. 3º) Àquelas pessoas que tentam construir um diálogo consistente e conscientizador sobre a forma como os políticos e gestores tratam o Paraiso, geralmente, são "escanteadas" pelos próprios moradores.
FICO INTRIGADA. LIVRE PENSAR! SÓ PENSAR!


Francisca Joseni dos Santos – Professora – escritora – gestora educacional – psicopedagoga – cidadã.