APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


sexta-feira, 9 de março de 2012

EU, NÚMERO! - Francisco Maciel


(Francisco Maciel)
Fui fazer minha declaração de imposto de renda. A contadora certificou-se do meu nome apenas para confirmar os meus números: Cadastro de Pessoa Física, matrícula.... Ao longo dos anos tenho colecionado números que se encarregam de dizer quem sou. Até em sala de aula já fui um aluno presente em um número e é assim que me faço na Companhia de Água que abastecesse a minha casa, de Energia, no Sistema Único de Saúde, no Departamento Nacional de Trânsito, no Banco.... Ano passado estive internado em um hospital e por lá fui o 216, num condomínio hoje sou o vizinho do 503 e assim é que se chega à lista telefônica onde através dela se consegue ligar para o meu número.
Os números sobrepõem os nossos nomes e nos revelam profundamente. Podemos adotar um pseudônimo, tentar mascarar quem somos nos nossos nomes, ter um apelido para um apego ou desapego, mas qualquer mudança nos números nos fará sempre frios e calculistas. Dizem que os números não mentem e por isso acredito que personagens como Dona Clotilde do Chaves, no meu imaginário será sempre a bruxa do 71 e que nunca vou me interessar pelos possíveis nomes dos liderados de Ali babá, pois o que definitivamente me surpreenderá será sempre o fato de que com a soma deles chegou-se ao número 40 . Estranha-me, porém, que neste caso, pela primeira vez, o segredo para abrir um cofre não tenha sido uma sequência numérica e sim uma alusão a sésamo: um nome.
Nossas esperanças e expectativas também são traduzidas em números. Na urna eletrônica é nos números que deixamos claro em quem acreditamos e quem pode atender nossa fome e sede de quê, de olho na variação da bolsa e no dígito da inflação que influenciam nosso modo de vida. Os números sondam até a nossa religião através daqueles que vez por outra nos apresentam cálculos refeitos, na esperança de se chegar ao número exato da data do retorno do messias, no recomeço ou fim de tudo, enquanto vivemos a expectativa iminente por uma perseguição prenunciada na marca da besta apocalíptica, simbolizada por um homem de futuro, sem especificidade ao seu nome, mas que é um número: 666.
É por causa também desse desvairamento por números que os livros de autoajuda estão em alta e tentam apontar caminhos para o reencontro do ser teclado com a criatura. É o resgate do cérebro matemático, da mente cibernética, tecida de senhas ou dopada por tantos miligramas, desde a número 1 até a 51.
Essa busca, esse resgate da autoestima no mundo contábil passa por uma verdadeira apologia ao nosso nome. Numa sinopse do livro “Como fazer amigos e influenciar pessoas”, lançado por Dale Carnegie em 1937 diz que ele é “um dos maiores best-sellers do mundo. A razão é que a obra já explorava um ponto sensível no comportamento humano: a melhor maneira de se relacionar com as pessoas”. Nesta obra o autor já defendia que “o nome de uma pessoa é para ela o som mais doce e importante que existe em qualquer idioma”. E tem sentido: Jesus não mandou um número descer de uma árvore, mas um nome: Zaqueu, desce depressa!
É por isso que ouso em sala de aula fazer sempre a chamada dos alunos pelo nome, enfrentando certa resistência por parte dos que já se habituaram em ser um número; contrários àquele que em sã consciência se empenhava para carimbar sua marca em meio às conexões nervosas, numerológicas e entrelaçadas do nosso cérebro, num incisivo e insistente: Meu nome é Enéas!
 
Prof. Maciel- Japi/RN.