APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

RISCOS DE DENGUE NA ZONA RURAL

Médico Alerta para Riscos de Dengue na Zona Rural 


(Médico Epitácio de Andrade Filho)
Em visita realizada, no último dia 07 de Janeiro, à Escola Municipal “Epitácio Andrade”, na comunidade Várzea da Jurema, na zona rural de Patu, situado no médio-oeste potiguar, o médico sanitarista Epitácio Filho constatou, in loco, condições propícias para se desenvolver um surto epidêmico de dengue, que pode atingir a população da localidade.
Cacimbão sem tampa com água parada
O principal risco a saúde dos comunitários está num cacimbão sem tampa com água parada, localizado a frente da escola rural, que homenageia o pai do médico, o ex-prefeito Epitácio de Andrade.
(Médico Epitácio Filho e a placa da escola da Várzea da Jurema)
A escola municipal da Várzea da Jurema foi construída no ano de 1987, e foi restaurada em 1993, conforme placa aposicionada no local. Atualmente, está em recesso escolar, mas além dos alunos da localidade, recebe também os alunos da comunidade Rajada. Alerta o médico Epitácio Filho, que o risco de acidente com as crianças também está presente pelo fato do cacimbão e da cisterna localizados no entorno da escola estarem sem tampas.

(Cacimbão sem tampa no entorno da escola)
O estado de conservação da escola requer cuidados urgentes e “deve ser aproveitado o período de recesso escolar para se promover serviços de reparo no reboco das paredes e a recuperação das calçadas”, afirmou o atleta Macélio Limão, 34 anos, que acompanhava o médico sanitarista na visita a escola e lembrou que aquela unidade de ensino foi onde iniciou seus estudos.           
(Macélio Limão (ao Centro) e seu pai Zé Catonho à direita)
Macélio Limão e seu pai José Alves Rodrigues, também conhecido como Zé Catonho, acompanhava o pesquisador social Epitácio de Andrade Filho, em visitas aos lugares de memória do Cangaço de Jesuíno Brilhante (1844-79), intencionando chegar ao Saco dos Limões, esconderijo dos principais inimigos do cangaceiro, que se localiza nas proximidades, mas resolveram fazer uma doação de um exemplar do Livro “A Saga dos Limões” para a escola, onde constataram a situação de precariedade e riscos a saúde pública em que se encontra.