APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


sábado, 13 de junho de 2020

AFEIÇÃO - Crônica de Luzia Pessoa


Afeição

Ano passado frequentava a porta da sala de aula uma linda menininha do quinto ano. Os olhos ebony que falavam sem que ela precisasse abrir a minúscula boca de lábios pálidos.
- Próximo ano vou ser sua aluna!
- Sim. Se Deus quiser!
Por ser eu  uma professora-formiga (amo adoçar  os dias daqueles que com muito orgulho chamo de meus) pensei :
- Ela é uma abelhinha que quer um pouco desses doces, embora nunca tenha lhe dado sequer um pirulito. Ao menos sei de cor o seu nome...ainda que pela mesma raíz etmológica, o coração saiba.

Era um tempo em que ainda existia calendário e eis que chegou o dia dela, de fato, ser minha. Primeiro dia de aula e ela saltitante pelos corredores da escola com seus olhinhos expressivos e corpinho menor que a idade. Chrónos, lhe desarticulou o corpo da passagem dos dias, mas  Kairós e Aíôn  lhes deram um tempo sagrado e eterno, sem  medida precisa,  onde as horas não passam cronologicamente e com isso ela chegou ao sexto ano com a alegria que sentíamos ao passar no vestibular. Uma alegria legítima!

Nessa época  podíamos abraçar e falar vendo a boca articular as palavras. Assim num intervalo e outro ela corria ao meu encontro, trocávamos um abraço e  em seguida:

- É a senhora agora?

Até que chegou o dia que eu, ela e todos os coleguinha conversamos e trocamos elogios ,falamos de nós, traçamos planos, olhei os cadernos novos, expliquei que ali era o início de um novo tempo.

Talvez nesse momento um anjo caído tenha dito amém e eis que o tempo das delicadezas deu lugar ao medo e foi decretado que todos os planos fossem suspensos.

E ela? aquela menininha de olhinhos jabuticabais...
Pois, dentro de um nó de marinheiro virtual  ela "deu" com meu número de telefone e passou a me enviar mensagens.

Parece que Kairós e Aíôn  a protegem. Ela segue sem "covidar". Oxalá, continue assim.

- Professora, hoje é feriado, mas é um dia lindo e eu vou fazer as tarefas.

- Tô com saudade!

- É segunda que as aulas voltam?

- É quando?

Algumas vezes ela diz coisas que doem...

- Tô com saudade de escrever do quadro!

Ontem foi dia dos namorados. Ela não perde nenhuma oportunidade de sermos melhores amigas e sem nenhum propósito ou adequação, não hesitou:

- Feliz dia dos namorados, professora!

O nome disso é afeição

Escuto  Zeca Baleiro -Nalgum lugar - e peço a Deus que proteja meus meninos e meninas.

"(...) Nada que eu possa perceber neste universo iguala o poder de tua intensa fragilidade cuja textura compele-me com a cor de seus continentes (...)"

Luzia Pessoa de Araujo


6 comentários:

  1. Texto tocante, Luzia. Parabéns por ele e pelo belissimo trabalho feito na escola e fora dela. Antes, vc cuidava essencialmente do corpo; hoje cuida de mentes em fromação e o faz da melhor maneira. (Gilberto Cardoso dos Santos)

    ResponderExcluir
  2. Me emocionei muito. Lindo texto! Parabéns titia!

    ResponderExcluir
  3. Somente um ser humano como você, minha querida amiga, poderia extrair em meio a simplicidade de uma sala aula, um texto (Poema) com tamanha sensibilidade!!

    ResponderExcluir
  4. Maria Goretti Borges13 de junho de 2020 10:49

    É bonito de se ver a relação que vc estabelece com seis alunos, parabéns Luzia!

    ResponderExcluir
  5. O texto é tão tocante, que não sei como devo me expressar, pois não quero quebrar a magia desse momento!

    ResponderExcluir
  6. Ao menos um sorriso do bobo seus textos me arrancam, mas não apenas um sorriso, pois, são camadas de sentimentos e pensamentos. É invejável sua capacidade de 'brincar' com as palavras, sem perder de vista o trágico contexto atual e social. Com certeza essa aluna e muita outras e outros aspiram ser iguais a você, um(a) professor(a)! Parabéns!

    ResponderExcluir

Comentários com termos vulgares e palavrões, ofensas, serão excluídos. Não se preocupem com erros de português. Patativa do Assaré disse: "É melhor escrever errado a coisa certa, do que escrever certo a coisa errada”