APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


domingo, 30 de julho de 2017

OH, QUE BOBAGEM, AS ÁRVORES NÃO FALAM... - Naílson Costa


OH, QUE BOBAGEM, AS ÁRVORES NÃO FALAM, SIMPLESMENTE EXALAM O PERFUME DAS ROSAS QUE ROUBAM DE SI!

Aquele árvore frondosa, defronte ao Bar do Baixinho, com o seu jeito elegante e discreto de ser e de ficar ali, na sombra agradável de seu silêncio, tem as rosas mais cheirosas de todas. Ela tentava, sem sucesso, confabular no ouvido de minha atenção sempre que por lá eu aparecia. Nunca lhe dei atenção! Ela nada dizia à mesa redonda de meus amigos na hora de nossos brindes barulhentos. Ela ouvia as confidências ditas, as sentenças condenatórias prolatadas nas páginas infiéis das nossas risadas de bar. Ouvia com discrição as estórias verossímeis, extraídas do universo pobre daquela província. E ela nunca silenciou, para mim, na estrada de minhas lembranças o seu segredo não dito. Aquela árvore do Baixinho queria me dizer algo. Sempre quis. Foi ela que me levou hoje, de volta, à telúrica cidade de meus primeiros passos. E fui a Santa Cruz matar a saudade daqueles tempos de outrora, para ressuscitar as minhas boas lembranças e confabular com aquela árvore, que quisera, há muito, dizer-me algo, mas que eu nunca lhe fui atencioso! E fui, e cheguei e olhei àquela árvore linda, que me recebeu como nunca antes recebido, com as suas seivas, os seus galhos, suas folhas e suas rosas a caírem educadamente por sobre a minha presença. Poxa, quanta honra! Sentei-me à mesa posta debaixo de sua sombra única, pedi a Eduardo Couro de sapo a minha cerveja preferida, abri, apurei os ouvidos, escutei seu cumprimento delicioso, bebi todos os prazeres daquela espera e contemplei a grandeza da estátua de Santa Rita, bem à minha frente. Cadê os amigos Ivonaldo, Zé da Luz, Otacílio, Leonardo, Meireles, Baixinho, Zé Lins, Lambão, Willard, Fernando Rola, Bezerril, Pedro Bala, Valmir, Nícolas, Eurípedes, João Alberto, Gildo... onde foram todos com os seus espantos, suas mímicas, confidências, exageros, suas músicas, suas paixões, suas fomes, suas sedes, seus castelos, ... cadê aquelas mentiras deliciosamente frescas? Cadê as calúnias amistosas de morte, nossas risadas e nossas estórias? Não vieram para regar as raízes daquela árvore feliz. E fiquei a sós, eu, a árvore frondosa , a mesa redonda e a ávida cerveja, sozinhos, a costurar os tecidos da alma inesquecível daquele tempo, quando, de repente, um clarão, com formato de auréola gigante, surge assustador no céu do meio-dia de toda a cidade! E outro e outro clarões! Ventania estúpida a virar a mesa e a irrigar os pés de minha árvore quieta, que agita suas folhas, galhos e rosas pra mim na sufocante tentativa de algo me dizer, mas, mais uma vez, não lhe dou atenção. Barulho ensurdecedor, a minha cerveja chora, a terra se abre e o povo da feira corre sem direção para escapar da gravidade mortal daquele novo momento; a ceiva escorre das feridas expostas na testa de Santa Rita, que implode de seu Alto e sucumbe no desfiladeiro profundo do fogo e da sede da agonia de nossa Santa Cruz. Eu, bem no centro dessa nova estória e à espera de meus amigos de ontem, que nunca virão, olho, atônito, para essa nova velha Rosa de Hiroshima que surge e desenha, por sobre a minha consciência, as trombetas de Kin Jong-Um, os sorrisos esquizofrênicos de Trump, as nuvens atômicas de Vladimir Putin e a bandeira bestial do Brasil, a tremular com a frase “Libertas que sera Temer”. Acordo e vejo, da janela feliz de meu alívio, o dia nascer lindo e promissor, neste domingo, 30 de julho de 2017. Abro o computador e leio as manchetes dos principais jornais internacionais: “Coréia do Norte testa novo míssil intercontinental e EUA, Coréia do Sul e Japão posicionam seus bombardeiros B-1B.” As árvores brotam do chão, crescem e lutam pra ser o verde mais lindo da aquarela de Deus. Quando derramam as suas ceivas, as suas folhas e as suas rosas, sem motivo aparente, por sobre a chegada inesperada de alguém, penso que queira, apenas lembrar da “rosa, da rosa, da rosa de Hiroshima, a rosa hereditária, a rosa radioativa, estúpida e inválida, a rosa com cirrose, a anti-rosa atômica, sem cor, sem perfume, sem rosa, sem nada.” Mas não tenho certeza se é isso que ela quer falar, e este texto é uma grande bobagem, até porque as árvores não falam, simplesmente exalam o perfume das rosam que roubam de ti! (Nailson Costa)