APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


sábado, 9 de julho de 2016

O carregador de celular (Cecília Nascimento)


O carregador de celular
(Cecília Nascimento)

Benício, menino tranquilo do interior do Ceará, virou Beninha, na adolescência,  e levava os dias a viajar com uma trupe de atores itinerantes pelo interior do estado, exalando arte, cultura e muito mais... A essa altura, contava já com os seus 20 anos e sempre foi simpático e cordial com todos os convivas.
Nos últimos dias, havíamos acampado numa cidadezinha qualquer, alugado um casebre onde dividíamos as despesas. Um dia, fazíamos shows nos barzinhos à noite em troca de jantar, noutro, apresentávamos teatro de rua na praça pública e passávamos o chapéu. Éramos ao todo uns 18 e com os trocados que recebíamos, comprávamos pão, pinga e cigarros, pro dia nascer feliz.
Naquela semana, em especial, Beninha estava atordoada não sabemos por que... Ouvi até ela dizer-me que iria à igreja, precisava orar para se acalmar. E assim o fez. Mas, naquela tarde, chegou ao casebre onde estávamos alojados e perguntou-nos a cada um onde estava o carregador do seu celular... Meus colegas e eu não sabíamos ou, se alguém tomou posse do mesmo, certamente não assumiria; tão unidos que sempre fomos; só que não...
Beninha reuniu toda sua indignação, estilo e determinação e informou-nos que sairia e quando retornasse, queria que seu carregador estivesse posto numa mesa à vista de todos. Saiu, voltou e não teve seu desejo atendido... Como gostasse de mim, disse:

_ Querida, pegue suas bolsas e suma daqui que vou tocar fogo nessa casa e é agora!

_ Oxe, amiga, deixe de onda! É claro que não vai fazer isso! Retruquei-lhe.

Naquele momento, eu acabara de lavar a louça e sentara-me à mesa, com meu recém-preparado almoço.
Beninha sumiu por alguns instantes e reapareceu com um colchão velho... Posicionou-o na porta da cozinha e gritou:

_ Salve-se quem puder que vou tocar fogo nessa casa agora!

Eu, ainda sem acreditar, continuava a pôr colheradas na boca, desatenta a qualquer sinal de perigo, mas observando tudo como quem assiste a um jornal sem dar a menor atenção às notícias.
Beninha, já com um rolo de papel amassado na mão, deu de garra de um isqueiro e queimou o papel que, com velocidade, abraçou o colchão velho com muita paixão. Para acabar de arrebentar, pegou um desodorante aerossol e disparou o jato de baixo para cima, o que fez subir uma lavareda imensa até o teto.
Rapidamente as chamas se alastraram por todo o casebre. Ainda concentrada em mim mesma, ouvia ao longe os companheiros gritando e me chamando... Um deles, veio, agarrou-me pelo braço e me puxou pela porta dos fundos... Outro, magrinho que só ele, não se sabe como arranjou força e coragem, mas agarrou-se com o fogão e o botijão de gás e lançou-os à sala de estar, salvando-nos de uma explosão.
Já na calçada, a ficha foi caindo e me dei conta de todo o alvoroço... A vizinhança corria atônita para prestigiar o espetáculo horrendo... Meus colegas choravam, imaginando-se churrasquinhos por pouco e finalmente tive a ação de juntar água num balde e lançar às chamas, que, com a ajuda de alguns vizinhos, cessaram-se.
Apagado o fogo, não restara eletricidade ou móveis no ambiente... Mas, minha fome permanecia. Então, entrei na cozinha acinzentada, abri a geladeira queimada e retirei de dentro dela uma garrafa de água ainda gelada, garrafa esta indiferente aos acontecimentos externos, pois não se deixara levar pelo calor da emoção. Com a determinação daquela garrafa, fiz uma limonada, sentei-me na calçada e fui terminar de almoçar... Não ia perder um pratão daqueles de comida... sabe-se lá quando eu iria comer novamente...
Quanto à Beninha... ninguém mais a avistou. O dono da casa anda a sua procura, louco da vida com os prejuízos causados... Uns dizem que voltou para a casa dos pais... Outros que se converteu e foi pras missões... E outros ainda que, a exemplo daquelas chamas, aguarda resolutamente o pré-juízo final.


08/07/2016 – 23h51 min.