APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


terça-feira, 14 de junho de 2016

A importância da religião - Renan II de Pinheiro e Pereira



Como de costume, quando acontece algo com a gravidade desse atentado da madrugada de domingo, logo se levantam vozes revoltadas dizendo que "a religião é o que desgraça a humanidade" e conclamando, geralmente através de frases de impacto, que a evolução do pensamento reduza sua influência até que desapareça. E por incrível que pareça esse raciocínio é compartilhado até por pessoas de Fé, que fazem questão de dizer que a religião não é necessária para adorar ou conhecer a Deus. São opiniões fortes, ditas por convicção e que têm cada vez mais adeptos, mas serão verdadeiras?
Talvez não. É preciso reconhecer que em todas as religiões (inclusive as consideradas "politicamente corretas", como é o caso do budismo) existem os "sepulcros caiados", que querem posar de modelos irrepreensíveis de conduta mas tem personalidades intolerantes e opressoras, não aceitando ninguém que pense diferente delas por um milímetro que seja, e até nem são tão "puros" assim. E tampouco podemos esquecer que em muitos casos a religião foi usada como pretexto ou até incentivo para se cometer o mal, inclusive contra pessoas de Fé, como é o caso de Joana D'Arc. Mas penso que se basear apenas no que as pessoas religiosas fazem de mal para emitir esse juízo é se esquecer no heroísmo de inúmeros religiosos e leigos, desde os tempos do Cristianismo primitivo, como os missionários que viajam para diferentes partes do mundo, enfrentando todo tipo de privações, para difundir a palavra de Deus, não raro enfrentando o martírio, ou das ordens e associações religiosas que cuidam de doentes e famintos. Aliás, alguém esqueceu das pessoas que, por sensibilidade religiosa, ajudaram ou protegeram judeus e outros perseguidos durante a II Guerra Mundial, ou de Irmã Dulce, Dom Bosco, a Dra. Zilda Arns e o papa Francisco, entre tantos, que sem sombra de dúvida ajudaram ou ajudam o mundo a ser um lugar melhor?
Ah, mas alguém dirá: "São as exceções que só confirmam a regra". E onde está escrito que a Igreja vai ser sempre perfeita? O Novo Testamento deixa bem claro que o comportamento dos apóstolos enquanto Jesus era vivo muitas vezes era extremamente repreensível, e mesmo depois do Pentecostes eles muitas vezes precisaram se reunir para resolver conflitos. Se você só quer encontrar pessoas em estado de graça nos ambientes que frequenta, vai ter de ser paciente e esperar até chegar ao céu.
Sem mencionar que há uma coisa que poucos reparam: mesmo para quem declara que adora a Deus e não precisa de uma religião para isso, ele só conheceu a Deus porque alguém, seja pessoalmente ou por outro meio (livros, discos, Internet) apresentou-o a ele, e essa pessoa só o apresentou porque alguém já tinha feito isso com ela anteriormente, ou seja, através de um conjunto de crenças religiosas preexistente transmitido por mais de uma geração - traduzindo: UMA RELIGIÃO. Até porque, ao dar a Deus características excessivamente personalizadas ("criar" um sistema religioso próprio), o "fiel" corre o risco de tirar o D e o S de Deus e deixar só o "Eu", usando Deus apenas para satisfazer suas próprias necessidades. E principalmente, adorar a Deus só faz sentido se você se deixa tomar por ele para atuar de forma positiva no seu meio, algo que só ocorre de forma plena se você vive entre outras pessoas. E como católico, ainda tenho um argumento mais específico da importância da religião: é só no contexto de uma celebração religiosa que posso receber o Corpo de Cristo, dado por Ele aos fiéis na última ceia.
"E os países onde a religião está desaparecendo e parecem não ter problemas com isso?" Mas será que eles realmente são exemplos a serem seguidos? O "paraíso laicista" que é a Europa está sofrendo com a crise demográfica, pois os casais são tão individualistas que quase não querem ter filhos, e, sem algo em que se apoiar, principalmente nessa época de crise econômica, muitos jovens passam por crises existenciais graves, às vezes chegando ao suicídio, às vezes usando drogas, e a esterilidade intelectual parece progredir no velho continente através de movimentos iconoclastas na arte e na política, onde ninguém tem medo de ser gratuitamente ofensivo, como é o caso do Femen. Na verdade, o fato de que cada vez mais jovens estão demonstrando simpatia por grupos radicais islâmicos (alguns nem sequer sendo descendentes de árabes), pode demonstrar que a secularização aparentemente "salvadora" no fundo talvez não os satisfaça. Já há quem fale que futuramente a Europa "ateia" de hoje se tornará muçulmana. Só espero que da linha moderada, e não da xiita...

Talvez minha opinião seja incompleta, ou mesmo imperfeita. Mas, antes de qualquer teórico iconoclasta, prefiro ficar com o poeta abaixo. Podem me chamar de "simplório" ou "ignorante", mas em muitos aspectos essa música é o meu retrato e me orgulho disso: