APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


sábado, 30 de janeiro de 2016

O carnaval de Mané da Viúva - Rosemilton Silva


A personagem que pretendo retratar, como muita gente sabe, é meu pai que deu nome a rua onde hoje estão os galpões de fabricação têxtil. Manoel Ferreira da Silva ou simplesmente Mané da Viúva, era fotógrafo, devoto de Santa Rita e seu maior e melhor leiloeiro até hoje. Nem mesmo nós, especificamente Romualdo Silva, conseguimos sequer amarrar a “chuteira” dele. Por isso, espero não ser chato e ter a isenção necessária para não enaltece-lo, simples e puramente, por ser meu pai. Dito isso, vamos as memórias.
No sábado de Zé Pereira, cedinho ele arrumava a “lambe-lambe”, tomava seu café e me pedia ajuda para leva-la até a esquina da nossa rua, a Ferreira Itajubá, para armar a máquina ao lado da parede do mercado onde estendia o pano, já desbotado pela ação do tempo, que servia de fundo para as fotos 3x4 ou em tamanho maior.
Lá pelo meio dia com a feira já quase acabando e a grande maioria das pessoas voltando para os sítios, as cidades vizinhas, eu desarmava o equipamento, levava pra casa e ele ia até a Prefeitura ver com estavam os preparativos para o baile da noite. Durante muito tempo ele cuidou da arrumação, das necessidades da orquestra que – no tempo que alcancei – era dirigida pelo maestro Oscar. As vezes, vinha um pessoal de fora principalmente músico da banda da Polícia Militar.
Chegava pra almoçar e não descansava como fazia costumeiramente. Tinha uma rotina que eu sabia de cor, mesmo ainda com meus 4, 5 anos de vida. A casa da professora Neném Galdino e sua sobrinha, Júlia, ficava praticamente atrás da nossa, mas era preciso descer pra Frei Miguelinho e pegar a rua do Vapor ou Cagô como alguns chamavam. Ia combinar a saída do bloco, que nem tinha nome mas todos chamavam-no de bloco de Mané da Viúva e Neném Galdino. O baile na prefeitura era para os ricos enquanto que o bloco era para os pobres como nós.
Mané da Viúva não ficava no baile da Prefeitura, mesmo que fosse convidado como sempre acontecia, até para uma emergência. Preferia ficar em casa e, se houvesse alguma emergência, estaria pronto para atende-la. Coisa que nunca, que eu me lembre, houve. Essas são as recordações que tenho do baile de carnaval na Prefeitura.
E aí vamos para o carnaval de rua. No domingo de Ze Pereira, logo cedo, ele saía no caminhão de Faustino para Campo Redondo. Feira menor, com menos tempo e de volta lá pela uma hora da tarde. Almoçava em casa e não na sua comadre dona Ana do compadre Joca, e o papo com Manoel Norberto era menor. No caminho, já vinha conversando com Faustino sobre o roteiro do bloco que saía em cima da carroceria do caminhão de Faustino, embora já fosse conhecido de cor e salteado.
Assim que chegava, mamãe colocava – e ela nunca foi muito de carnaval, relutava e acabava não indo – o almoço. Ele não se demorava muito, saía para conversar com Zé Galdino, o sanfoneiro do bloco e de outras festas. Nisso ia juntando os amigos, conversando com um, com outro até coisa de quatro horas da tarde quando ele chegava em casa para um banho, trocava de roupa que não era uma fantasia porque ele não gostava e já estava pronto esperando Faustino chegar com o caminhão na porta da nossa casa. Era um carnaval simples, sem muita bebedeira. Era um passeio pela cidade pequena e isto se repetia ao longo dos outros dias de carnaval, mas sem se descuidar das obrigações do baile da Prefeitura. Ele costumava dizer que reunir os amigos era algo impagável, fosse no carnaval, fosse na festa da padroeira, no São João, no aniversário...
Interessante porque no bloco só saiam duas mulheres: Neném Galdino e Júlia. Não tinha estandarte nem fazia muito barulho. Entre os amigos de Mané da Viúva que eu me lembre na brincadeira, estavam Michael, os sapateiros Chicó Flor e Matias, o açougueiro Zé Vicente, o flandeleiro Juvenal Pé de Copa. Mesmo sem ouvir absolutamente nada, Miguel Doido não deixava por menos, estava lá firme e gritava a vontade.  Alguns outros que não lembro.
O bloco tinha algumas paradas obrigatórias. A primeira delas e me lembro que o dono da casa fazia questão que fosse a primeira, era em Jácio Fiúza, situada na esquina onde foi o INSS, onde os foliões encontravam Jácio na porta com dona Aidé, sua esposa, com uma mesa onde havia algumas bebidas e o bloco ficava no espaço do terreno se divertido por uns 20 minutos. Depois era na outra esquina, em Miguel Farias. Nada diferente e Miguel se divertia com todos eles. Mané da Viúva tinha uma amizade muito grande com os dois. O primeiro pelo lado político e da prestação de serviço durante o alistamento eleitoral e também prestação de contas de obras realizadas com recursos dos governos Municipal e Federal, quando era necessário comprovar com fotografia. O segundo, Miguel Farias, pela convivência natural da cidade, da organização do leilão e da festa da padroeira, Santa Rita. Ele tinha o maior respeito pelos dois e ainda Odorico Ferreira de Souza.
Saindo dali, passavam onde hoje é o Trairy Club e seguiam no rumo da casa de Clodoval Medeiros, aliás passagem obrigatória de qualquer farra que se prezasse na cidade. Mas não demoravam muito, seguiam o trajeto descendo a rua no rumo da cadeia pública, subiam a Eloy de Souza, davam uma volta na praça, entravam no beco das Almas, cumprimentavam monsenhor Emerson Negreiros com um toque de Zé Pereira e desciam até a cadeia para passarem o rio, se não estivesse cheio e para alcançarem o Paraíso. Subiam a Padre Antonio Rafael e desfilavam por duas vezes, atravessavam novamente o rio e chegavam a Frei Miguelinho indo até a Padre João Gerônimo para entrarem na Rua Daniel, hoje Augusto Severo e Mossoró. Em frente a igreja encerravam o desfile e cada um seguia para suas casas até retornarem no dia seguinte.

Há uma curiosidade interessante. Na terça feira de carnaval, o bloco fazia todo o mesmo percurso mas não parava em frente a igreja, descia na Camilo José da Rocha, entrava na rua do Vapor ou Cagô, hoje Dr. Jácio Fiúza, fazia uma parada em frente a casa de Neném Galdino. Ela e a sobrinha desciam, e os homens seguiam pela rua, entravam na Frei Miguelinho novamente e dobrava a direita na Ferreira Itajubá, no rumo do cabaré. Lá, todos desciam e as prostitutas vinham se agregar ao bloco no meio da rua onde dançavam até por volta das 7 da noite, todos na rua, não entravam nas ditas casas de recursos. Quando perguntado porque isso, Mané da Viúva dizia que elas também eram filhas de Deus no que minha mãe, dona Rosa, concordava. Ele dançava o tempo todo abraçado com Adelaide, sua irmã, uma mulher esguia, bonita, inteligente mas muito frustrada. Acabou cometendo suicídio, jogando álcool em todo o corpo e tocando fogo. Nunca mais Mané da Viúva encerrou o carnaval no cabaré. Os amigos iam, ele descia na curva da rua, alí onde ficava a bodega de Maria do Carmo de um lado, do outro a casa do trombonista João Leão e na frente a bodega de dona Chiu.