APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


terça-feira, 2 de dezembro de 2014

POETA MESMO OFENDIDO SABE OFERECER AFETO. ( Hélio Crisanto X Maciel Souza)

Maciel SouzaHélio Crisanto


 Mesmo de alma ferida
O poeta tem doçura
Se alguém lhe esconjura
Ele oferece guarida
Não guarda mágoa na vida
Esse dilema eu decreto
Se é julgado de abjeto
Ninguém vê o seu gemido
Poeta mesmo ofendido
Sabe oferecer afeto


 
 Maciel Souza

Poeta distribui flores
Inspirado nas canções
Confortando os corações
Diminui as nossas dores
Acima dos pecadores
Tem um sentido eterno
Contagia quem tá perto
Dá luz pra quem tá perdido
Poeta mesmo ofendido
Sabe oferecer afeto


Nos seus ombros de menino
Carrega as dores do mundo
Seu sentimento é profundo
Seu canto parece um hino
Se é vitima do destino
Não desvia o seu trajeto
Seu repertorio é seleto
O seu caminho é florido
Poeta mesmo ofendido
Sabe oferecer afeto


Poeta sabe o caminho
Que nos conduz à alegria
Compartilha simpatia
Quando sofre dá carinho
Se chora, chora sozinho
Lágrimas transforma em verso
Quando com ele converso
A vida ganha sentido
Poeta mesmo ofendido
Sabe oferecer afeto.


Todo poeta carrega
Um fardo de sofrimento
No verso procura alento
A alma, a Deus ele entrega
Na matéria não se apega
Amar é o seu dialeto
Seu universo secreto
De muito amor é nutrido
Poeta mesmo ofendido
Sabe oferecer afeto


Sofrendo viveu Bandeira
Numa fase muito escura
Tuberculose sem cura
Consumindo a vida inteira
Drummond em rima certeira
Da pedra fez-se arquiteto
Sofreu com José por perto
Tristonho, desiludido
Poeta mesmo ofendido
Sabe oferecer afeto
.


Augusto por ter talento
Sofreu grande preconceito
Mesmo ferido no peito
Não desistiu do intento
Morreu no seu aposento
Nunca teve um desafeto
Sempre foi homem dileto
Um cidadão instruído
Poeta mesmo ferido
Sabe oferecer afeto


Castro Alves se feriu
Com tiro no pé à-toa
Fez muita poesia boa
Espalhada no Brasil
Padre Anchieta sentiu
Dores por nosso alfabeto
A Joaquim e Adalberto
Ensinou Tupi benzido
Poeta mesmo ferido
Sabe oferecer afeto


Gregório já foi taxado
Como o boca do inferno
Mas nem por isso o caderno
Deixou de ser rabiscado
Depois de ser censurado
Mudou de vida o projeto
Foi um poeta completo
Antes de ser redimido
Poeta mesmo ferido
Sabe oferecer afeto


José de Alencar cursou
Seu sonho advocacia
E na sua freguesia
A política ele adotou
Denúncias como escritor
Escreveu lá do seu teto
Embora estivesse certo
Não foi bem compreendido
Poeta mesmo ferido
Sabe oferecer afeto.


O famoso patativa
Viveu da agricultura
Mas em nós sua cultura
Continua sempre viva.
Sua obra nos cativa
Do verso foi arquiteto
Mesmo sendo analfabeto
Foi um poeta aplaudido
Poeta mesmo ofendido
Sabe oferecer afeto


Que bom eu aqui teclando
No face compartilhado
Com Hélio do outro lado
Eu e ele aqui versando
Colegas acompanhando
Torcendo para dá certo
E pra quem deseja veto
Sinta-se muito aplaudido
Poeta mesmo ofendido
Sabe oferecer afeto.


Sensível e sentimental
Sofre com a dor alheia
Sua vida vive cheia
De sorriso e bom astral
Não tem tendência pro mal
Seu caminhar é correto
Tem a paz como projeto
E ver o pão repartido
Poeta mesmo ofendido
Sabe oferecer afeto