APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

MENTIROSOS POR NATUREZA


Mentirosos por natureza • A orquídea Orphys speculum, presente no sul da Europa e no norte da África, produz pequenas flores sem néctar para atrair polinizadores em potencial. Para seduzir os incautos machos, as orquídeas têm em suas flores uma mancha violeta que se parece com os reflexos das asas semicruzadas de uma fêmea em repouso. Além disso, um longo tufo de pelos vermelhos simula aqueles encontrados no abdômen do inseto e as pétalas superiores imitam suas antenas. Para completar a farsa, ainda liberam um forte aroma que simula os feromônios das vespas fêmeas. 

O Buteo albonotatus (gavião-de-rabo-barrado) tem o hábito de camuflar-se em meio a bandos de urubus-de-cabeça-vermelha quando está à procura de comida. Como os urubus se alimentam de carniça, as presas em potencial do gavião (em geral, aves e mamíferos) não se sentem ameaçadas quando a revoada se aproxima. Mas basta as aves chegarem perto da presa para que o gavião abandone seu disfarce e, mais que depressa, faça sua investida fatal. 

• Às vezes, uma criatura inócua tende a imitar o hábito de outra repelente para escapar de inimigos naturais. Foi o que aconteceu com as borboletas da família Pieridae - uma fina iguaria para os pássaros. Para fugir das investidas das aves, as borboletas da família Pieridae passaram voar com as da família Heliconiinae, que têm um sabor detestável. 

• O pequeno lagarto Heliobolus lugubris é nativo do deserto de Kalahari, na África. Para não ser importunado por predadores, ele imita, quando filhote, a aparência do besouro oogpister ("mija-olho", em africâner), que tem um jato de substâncias tóxicas contra predadores. Os lagartinhos, porém, não mimetizam apenas a cor e o tamanho do besouro. Eles imitam até seu jeito durão de andar. 

• Um ótimo exemplo de "lobo em pele de cordeiro" é a tartaruga da espécie Macrochelys temmincki. Ela passa os dias no fundo de um riacho, com a boca aberta voltada para a superfície. A parte interna da boca é cinza, mas, no fundo, há uma parte rosácea que imita a aparência de um verme. Qualquer peixe tolo o bastante para abocanhá-lo corre o risco de virar almoço. 

• Quando símios descobrem comida, normalmente emitem um alerta para outros da mesma espécie, que logo aparecem para dividir a refeição. Mas há indivíduos da espécie Rhesus (Macaca mulatta) que agem diferente: em vez de chamar os outros, começam a vascular o ambiente ao seu redor. Depois de se certificar que não estão sendo observados, devoram a comida - sozinhos.

• Quando é abordada por um inimigo, a cobra da espécie Heterodon platyrhinos começa a estrebuchar, como se estivesse agonizando - com direito a boca aberta e língua para fora. Para completar a encenação, ainda exala de sua cloaca um cheiro repugnante.

Saiba mais Por Que Mentimos? - Os Fundamentos Biológicos e Psicológicos da Mentira David Livingstone Smith, Campus, 2005