APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


quarta-feira, 24 de julho de 2013

ARTIGO: REPRESENTAÇÕES DISCURSIVAS EM CARTAS PESSOAIS: O NORDESTE NA CORRESPONDÊNCIA DE CÂMARA CASCUDO E MÁRIO DE ANDRADE (1924-1944)



Cristiane Maria Praxedes de Souza Nóbrega (UFRN)
cristianenobrega@bol.com.br
Benedita Vieira de Andrade (IFPB)
benedita.v@gmail.com

I.                Introdução
Durante mais de 20 anos, Mário de Andrade e Câmara Cascudo trocaram intensa correspondência que foi publicada no livro “Câmara Cascudo e Mário de Andrade: cartas, 1924-1944”. Nessas correspondências, em meio a confidências e assuntos de caráter pessoal, os dois escritores teciam importantes comentários a respeito da cultura, da arte e da política brasileira, inclusive das obras que estavam produzindo.
Tomados pelo fervor de nacionalidade que pairava durante aquele período da história cultural brasileira, os escritores se dedicaram a construir – ambos ao seu modo – uma vasta produção artística que desnudasse os traços caracterizadores da brasilidade latente no território cultural do Brasil. As cartas trocadas pelos dois escritores pontuam o modo como percebiam a construção dessa brasilidade.
Neste artigo, propomos uma análise da construção de sentidos desse discurso de brasilidade tecido nas cartas de Mário de Andrade e Câmara Cascudo, com base na noção de representação discursiva (Rd) proposta por Adam (2008) e retomada por Passeggi (In BENTES & LEITE, 2010 e RODRIGUES, PASSEGGI, SILVA NETO, 2010). A noção de representação discursiva (Rd) remete ao nível semântico do texto e, para sua descrição, baseamo-nos nas seguintes operações de construção do significado: tematização, predicação, aspectualização, relação e localização temporal e espacial (cf. ADAM, 2008, para sua aplicação à sequência descritiva; PASSEGGI, 2010, para uma interpretação em termos de operações semânticas gerais de construção do significado). Nosso objetivo é descrever como a articulação de representações discursivas (Rds) constrói uma esquematização do Nordeste como espaço constitutivo da brasilidade.
Do ponto de vista metodológico, serão analisados trechos de 4 cartas de um conjunto composto de 159 cartas. Como a construção da representação discursiva de brasilidade se encontra diluída em diversas cartas desse conjunto, consideramos que não haverá problemas no recorte aqui proposto, uma vez que “uma dada representação discursiva pode ser construída em vários pontos do texto, não necessariamente sucessivos” (PASSEGGI et al, 2010, p. 268). Nesse sentido, para os objetivos desse estudo, estamos considerando que as 4 cartas analisadas serão tomadas como um único texto. Também identificaremos as cartas com a mesma numeração que foi utilizada no livro Câmara Cascudo e Mário de Andrade: cartas, 1924 – 1944.
A abordagem proposta neste artigo permitirá aprofundarmos um dos níveis da instância textual ainda pouco explorado em termos de análises empíricas: o nível semântico, apoiado nas representações discursivas e em noções que remetem ao conteúdo referencial do texto.
A próxima seção se voltará para uma apresentação sucinta da Análise Textual dos Discursos (ATD), do modo como ela vem sendo trabalhada pelos autores anteriormente citados, no contexto da Linguística de Texto desenvolvida no Brasil e, em seguida, apresentaremos a caracterização das operações de textualização com as quais trabalharemos neste artigo e que mapeiam a construção de um discurso de brasilidade.

II.               A dimensão semântica na Análise Textual dos Discursos
A Análise Textual dos Discursos, elaborada pelo lingüista francês J.-Michel Adam, é uma abordagem teórica e metodológica que se insere no campo da Linguística Textual e tem como objetivo de pensar o texto e o discurso em novas categorias. Dessa forma, “situa decididamente a linguística textual no quadro mais amplo da análise do discurso” (ADM, 2008, p.24). A ATD se propõe constituir como alternativa para atender à demanda por propostas concretas para a análise de textos. Uma teoria do texto e suas relações com o domínio mais vasto do discurso se oferecem como um novo quadro e uma indispensável coerência para as diferentes ciências da linguagem.
Com o objetivo de dar uma resposta a essa demanda, a ATD se apresenta como uma teoria de conjunto, no contexto mais amplo da LT, que postula “ao mesmo tempo, uma separação e uma complementaridade das tarefas e dos objetos da línguística textual e da análise de discurso” (Adam, 2008, p. 43), pois sendo o texto um objeto empírico complexo, cujo conteúdo semântico pode estabelecer relações com vastos domínios discursivos, sua descrição e análise prescindem de um quadro teórico mais amplo que, ao mesmo tempo em que dialoga com diferentes ciências da linguagem pertencentes ao campo das práticas discursivas, defina que operações de textualização são pertinentes para promover a materialidade discursiva.
Em síntese, Adam (2008, p. 23) designou e desenvolveu a ATD como “uma teoria da produção co(n)textual de sentido, que deve fundar-se na análise de textos concretos”. Em linhas gerais, desenvolveu sua proposta baseada em quatro níveis principais, conforme Rodrigues; Passeggi; Silva Neto (2010, p. 152)

a)           um nível sequencial-composicional: em que os enunciados elementares (a proposição-enunciado ou proposição enunciada) se organizam em períodos para compor as sequências. Estas, por sua vez, se agrupam conforme um plano de texto. Esse nível focaliza a estruturação linear do texto, no qual as sequências desempenham um papel fundamental;
b)           um nível enunciativo, baseado na noção de responsabilidade enunciativa; que corresponde às “vozes” do texto, à sua polifonia.
c)           um nível semântico, apoiado na noção de representação discursiva e em noções conexas (anáfora, correferências, isotopias, colocações) que remetem ao conteúdo referencial do texto.
d)           um nível argumentativo, embasado nos atos do discurso realizados e na sua contribuição para a orientação argumentativa do texto.

Como o objetivo desta pesquisa se volta para a dimensão semântica do texto, não abordaremos os outros níveis de análise propostos pela ATD. Nessa direção, focalizaremos uma das noções mais importantes trabalhadas pela ATD nesse nível de análise: a noção de representação discursiva. Essa noção – juntamente com as noções de correferência, anáfora, isotopia e colocação[1] – constituirá o conjunto de categorias semânticas da ATD utilizadas na análise da construção de sentidos em textos concretos. Neste artigo, algumas dessas categorias serão utilizadas para investigarmos como o Nordeste é representado discursivamente no corpus em estudo como um espaço constitutivo da brasilidade.
Segundo Rodrigues; Passeggi; Silva Neto (2010, p. 173) “todo texto constrói, com maior ou menor explicitação, uma representação discursiva do seu enunciador, do seu ouvinte ou leitor e dos temas ou assuntos que são tratados”. Essa construção resulta de atividades de referenciação concretizadas linguisticamente na tessitura de um texto.  Isso remete ao entendimento de que a construção do sentido nasce de um acordo entre os participantes de um discurso que negociam dentro do seu conjunto de crenças o como pretendem referir-se às entidades que estão no mundo, assim os objetos aos quais se fazem referência em um dado discurso não são objetos do mundo real, são entidades oriundas de uma construção mental, isto é, são objetos-do-discurso. (cf. MARCUSCHI, 2005) Entretanto, esses objetos são instituídos textualmente numa proposição enunciada, portanto é nela que se estabelece a representação discursiva, como propõe Adam (2008, p.113-114):

Toda proposição enunciada possui um valor descritivo. A atividade discursiva de referência constrói, semanticamente, uma representação, um objeto de discurso comunicável. Esse microuniverso semântico apresenta-se, minimamente, como um tema ou objeto de discurso posto e o desenvolvimento de uma predicação a seu respeito. A forma mais simples é a estrutura que associa um sintagma nominal a um sintagma verbal, mas, de um ponto de vista semântico, uma proposição pode muito bem se reduzir a um nome e um adjetivo.

Como podemos observar, a representação discursiva é construída no e pelo discurso. É o interpretante que constrói a Rd a partir dos enunciados propostos, em função de suas próprias finalidades e de suas representações psicossociais da situação, do enunciador e do mundo do texto. Embora Adam (2008) não apresente de forma explícita quais são as categorias de análise das representações discursivas, seguiremos a proposta de Rodrigues; Passegi; Silva Neto (2010, p. 172-184) que propõem, com base nas operações que a ATD define para o período/sequência descritiva, as seguintes operações de textualização: tematização, reinterpretada como um caso específico de referência/ referenciação; aspectualização e relação. Acrescentam-se também os procedimentos de predicação e localização espacial e temporal – com base nas operações lógico-discursivas de Grize sua noção de esquematização, a qual Adam (2008) se reporta ao remeter-se a sua obra de 1997, em que trata da representação discursiva.
Sem se estender muito na conceituação dessas operações, faremos em seguida uma sucinta caracterização de cada uma delas, exemplificando-as com trechos pertencentes ao corpus desta pesquisa.
A tematização se constitui como a principal operação, visto ser um procedimento de designação (tematização) e redesignação (retematização) dos referentes. Ela é responsável pela instituição dos objetos-discursivos.

“Tem momentos em que eu tenho fome, mas positivamente fome física, estomacal de Brasil agora. Até que enfim sinto que é dele que me alimento! Ah! si eu pudesse nem carecia você me convidar, já faz muito que tinha ido por essas bandas do norte visitar vocês e o norte.
Queria ver tudo, coisas e homens bons e ruins, excepcionais e vulgares. Queria ver, sentir, cheirar. Amar já amo. Porém você compreende, Luís, este Brasil monstruoso, tão esfacelado, tão diferente, sem nada nem sequer uma língua que ligue tudo, como é que a gente o pode sentir integrado caracterizado, realisticamente? Fisicamente? Eu quando me penso brasileiro, e você pode ter certeza que nunca me penso paulista, graças a Deus tenho bastante largueza dentro de mim pra toda esta costa e sertão da gente, quando me penso brasileiro e trabalho e amo que nem brasileiro.” (Carta 7 – MA)

A aspectualização reporta-se às características ou atributos dos referentes ou das predicações.

“Tem momentos em que eu tenho fome, mas positivamente fome física, estomacal de Brasil agora. Até que enfim sinto que é dele que me alimento! Ah! si eu pudesse nem carecia você me convidar, já faz muito que tinha ido por essas bandas do norte visitar vocês e o norte.
Queria ver tudo, coisas e homens bons e ruins, excepcionais e vulgares. Queria ver, sentir, cheirar. Amar já amo. Porém você compreende, Luís, este Brasil monstruoso, tão esfacelado, tão diferente, sem nada nem sequer uma língua que ligue tudo, como é que a gente o pode sentir integrado caracterizado, realisticamente? Fisicamente? Eu quando me penso brasileiro, e você pode ter certeza que nunca me penso paulista, graças a Deus tenho bastante largueza dentro de mim pra toda esta costa e sertão da gente, quando me penso brasileiro e trabalho e amo que nem brasileiro. (Carta 7 – MA)

A relação se manifesta nos processos de assimilação ou dissimilação analógica, constituindo-se como base da comparação, da metáfora e de outras figuras de linguagem. A relação também pode se estabelecer nas ligações entre enunciados (conexões), ressaltando-se o valor semântico dessas ligações, e não o estritamente textual.

“Queria ver tudo, coisas e homens bons e ruins, excepcionais e vulgares. Queria ver, sentir, cheirar. Amar já amo. Porém você compreende, Luís, este Brasil monstruoso, tão esfacelado, tão diferente, sem nada nem sequer uma língua que ligue tudo, como é que a gente o pode sentir integrado caracterizado, realisticamente? Fisicamente? Eu quando me penso brasileiro, e você pode ter certeza que nunca me penso paulista, graças a Deus tenho bastante largueza dentro de mim pra toda esta costa e sertão da gente, quando me penso brasileiro e trabalho e amo que nem brasileiro.” (Carta 7 MA)

“O sertão está morrendo de progresso e os termos bons e saborosos vêm à tona como náufragos teimosos”. (Carta 33, LCC)

A predicação remete-se ao procedimento de seleção dos predicados (designação dos processos: ações, estados, mudança de estado etc.) e ao estabelecimento da relação predicativa do enunciado.

Queria ver tudo, coisas e homens bons e rúins, excepcionais e vulgares. Queria ver, sentir, cheirar. Amar já amo. Porém você compreende, Luís, este Brasil monstruoso, tão esfacelado, tão diferente, sem nada nem siquer uma lingua que ligue tudo, como é que a gente o pode sentir integrado caracterizado, realisticamente? Fisicamente? Eu quando me penso brasileiro, e você pode ter certeza que nunca me penso paulista, graças a Deus tenho bastante largueza dentro de mim pra toda esta costa e sertão da gente, quando me penso brasileiro e trabalho e amo que nem brasileiro.” (Carta 7 MA)

A localização aponta o espaço e o tempo no qual se desenvolvem os participantes e os processos.

“Tem momentos em que eu tenho fome, mas positivamente fome física, estomacal  de Brasil agora. Até que enfim sinto que é dele que me alimento! Ah! se eu pudesse nem carecia você me convidar, já faz muito que tinha ido por essas bandas do norte visitar vocês e o norte.” (Carta 7 MA)
Na seção seguinte, apresentaremos as análises de trechos das cartas 07 e 13 de Mário de Andrade e 31 e 33 de Câmara Cascudo.

III A representação discursiva: nordeste, espaço de brasilidade
Nesta seção, propomos a análise da construção de sentidos do discurso de afirmação de uma nacionalidade, com base numa representação discursiva mais ampla que toma o Nordeste como o espaço autêntico dessa brasilidade.
Faz-se necessário, embora não venha a ser o foco desse estudo, dizer que a representação do Nordeste que se configura nas cartas se constitui e se conecta a outras representações que aparecem no seu plano textual: a representação do sertão, a representação de como os missivistas se veem nos seus próprios discursos e no discurso do outro, por exemplo.
Vejamos então, como se constrói a representação do Nordeste, espaço de brasilidade.

“Tem momentos em que eu tenho fome, mas positivamente fome física, estomacal  de Brasil agora. Até que enfim sinto que é dele que me alimento! Ah! se eu pudesse nem carecia você me convidar, já faz muito que tinha ido por essas bandas do norte visitar vocês e o norte.
Queria ver tudo, coisas e homens bons e ruins, excepcionais e vulgares. Queria ver, sentir, cheirar. Amar já amo. Porém você compreende, Luís, este Brasil monstruoso, tão esfacelado, tão diferente, sem nada nem sequer uma língua que ligue tudo, como é que a gente o pode sentir integrado caracterizado, realisticamente? Fisicamente? Eu quando me penso brasileiro, e você pode ter certeza que nunca me penso paulista, graças a Deus tenho bastante largueza dentro de mim pra toda esta costa e sertão da gente, quando me penso brasileiro e trabalho e amo que nem brasileiro”. (Carta 7 – MA)
O objeto de discurso “Brasil” é introduzido através de uma metáfora para designar a ânsia, o desejo de Mário de Andrade por conhecer o Brasil. É interessante observar que o autor, logo em seguida à primeira proposição do período, introduz com o conectivo “mas” uma operação de aspectualização para o referente “fome”: “fome física, estomacal”.Esse processo marca uma atitude em que se revela a intenção do locutor de deixar claro para seu alocutário que não se trata de uma metáfora, de fome como desejo apenas: estava falando de fome no sentido de necessidade de comer, “fome estomacal”. E essa fome é “fome de Brasil” – como espaço físico que deve ser degustado, experimentado. Essa intenção é confirmada em seguida com a proposição: “sinto que é dele que me alimento”. O Brasil retomado por “dele” é tema da predicação “me alimento”.
Sem desfocalizar o objeto de discurso “Brasil”, é introduzido o referente “norte”, como uma extensão do espaço brasileiro. Não se trata de novo referente, mas de uma retematização do referente introduzido. O norte representa uma extensão significativa do Brasil que Mário de Andrade tem fome de conhecer, explorar, “devorar”. Esse espaço é representado discursivamente como uma porção significativa de Brasil, como parte do território brasileiro, que como tal deve ser valorizado.
Mário de Andrade expressa o desejo de conhecer as coisas, os homens, as sutilezas, as diferenças do Nordeste (referido como norte) por meio de uma predicação que explora os sentidos “queria ver, sentir, cheirar”, revelando desse modo sua ânsia de demonstrar que compreende o “norte” como espaço brasileiro palpável e real que deve ser sentido e vivenciado por brasileiros, como ele, que ainda desconhecem essa porção de Brasil. Nessa ânsia de reconhecimento de brasilidade, acaba denunciando que o Brasil “tão esfacelado, tão diferente” (operação de aspectualização) apresenta espaços alheios, esquecidos, como o é o Nordeste.
Diante disso, é pertinente a passagem em que Mário de Andrade, ao comentar sobre o Congresso Regionalista[2], evidencia a importância desse espaço para a questão da brasilidade.

“A primeira de todas as teses devia ser: Contribuição do Nordeste para a constituição da Brasilidade psicológica, econômico-social, lingüística e artística.” (Carta 13 MA)

Observa-se que, na proposição citada acima, mais uma vez a operação de aspectualização (em destaque) dos referentes e a marcação de uma predicação modalizada pelo verbo “dever”, com o seu sentido convencional de “obrigatoriedade” estabelecem uma atribuição prioritária e formalista ao Nordeste para a constituição da brasilidade. Com isso, percebe-se a intenção de Mário de Andrade de registrar o quanto é necessário e urgente o reconhecimento do Nordeste como espaço que também integra um Brasil caracterizado como “monstruoso”, e por isso, “esfacelado” e “diferente”.
E é com a modalização do “poder”, marcando convencionalmente o sentido de “possibilidade” que na passagem “como é que a gente o pode sentir integrado caracterizado, realisticamente? Fisicamente?” que Mário indagando, responde em seguida que só se pode sentir-se brasileiro quando se reconhecer que o Nordeste, designado de “sertão”, é constituído e constitui o Brasil.
O sertão que Mário buscava conhecer é representado discursivamente por Câmara Cascudo como um espaço que precisa resistir às influências externas, configurando-se preso às tradições, marcado por um sertão vermelho, dos cantadores e aboiadores, conforme se verifica na seguinte passagem de uma das cartas em que mais uma vez   a predicação com o verbo “dever” funcionando como auxiliar modal, marca a obrigatoriedade de se atribuir ao sertão o valor que lhe foi confiscado no que diz respeito à questão da brasilidade.

“Se o sr. Gui  quisesse reconstruir devia conhecer uma raça que ainda não está cantada e sim fixada  - o sertanejo [...] porque o sertão  está morrendo engolido pelos açudes, pisado pelo Ford, cego pela lâmpada elétrica”. (LCC, 31)

Na mesma carta:

A casa grande derribou-se.  Agora inaugura-se o estilo bolo de noiva com requififes e pendurucalhos nas paredes.  Vaqueiros? Sumiram-se. Estamos comprando zebu, caracu, hareford etc. Bicho de comer em cocho e beber parado. Não sabe ouvir aboio nem corre no fechado da caatinga. Morre a vaquejada e com ela duzentos anos de alegria despreocupada e afoita. E é pena que o sr. Gui, vindo ao Norte, fique nas unhas de meninas recitadeiras e de garotos mastigadores de pós de arroz... (LCC, 31)

Se V. [você] vier....Com os diabos ! Não há literato que lhe ponha um dedo ou lhe cite um livro.  V. vem comer, beber, respirar e ver Nordeste. Típico. Autêntico. Completo. (LCC, 31)


Destaca-se nesses trechos a maneira como o objeto discursivo (sertão) é atualizado num processo de retematização a partir de duas designações: Norte e Nordeste. Esse processo reforça a ideia de que a “típica, autêntica e completa” brasilidade também se encontra enraizada no sertão nordestino, ameaçada pelo sopro da modernidade, e, paradoxalmente, essa ameaça, naturalmente, instiga o processo de preservação desse espaço:

 “O sertão está morrendo de progresso e os termos bons e saborosos vêm à tona como náufragos teimosos”. (Carta 33, LCC)

A relação de analogia permite destacar os atributos positivos do sertão, colocando-os em relação com o objeto “náufragos teimosos”. Nessa assimilação metafórica, o elemento comparativo “náufragos”, que contém em si a ideia de sobreviventes, é qualificado como “teimosos”, reforçando a ideia de resistência sugerida na passagem “os termos bons e saboroso vêm à tona”. Essa resistência é processada tanto por meio da aspectualização do referente “termos”, qualificado como “bons e saborosos”, quanto por meio da aspectualização de modo atribuída ao processo verbal através da expressão “à tona”. Assim, a isotopia do “sertão que morre” é significativa para a construção da representação discursiva da brasilidade nordestina, uma vez que essa “morte”, paradoxalmente, funciona como dispositivo de manutenção das tradições ligadas às práticas sertanejas que devem ser perpetuadas no discurso constitutivo da brasilidade.

I.V Considerações finais

Uma análise mais acurada da representação discursiva de Nordeste como espaço de brasilidade no discurso de Mário de Andrade e de Câmara Cascudo exigiria um estudo mais detalhado e profundo não somente das cartas aqui apresentadas como das demais que compõem o conjunto da correspondência trocada por ambos. Entretanto, os trechos aqui analisados serviram para delinear o nível da representação discursiva – vista na perspectiva de J-M Adam e demais estudiosos – ainda pouco explorado, em termos de aplicação empírica, nos estudos linguísticos do texto.
Focalizamos a representação discursiva de Nordeste como espaço de brasilidade tal como é proposta como uma das várias representações construídas nos textos estudados. Para essa análise, partimos das categorias propostas pela ATD para a construção do sentido textual. Desse modo, foi possível demonstrarmos como as operações de construção do significado aplicadas pela ATD às proposições-enunciadas analisadas neste estudo servem para revelar que o discurso de brasilidade é marcado pelo reconhecimento do quanto o Nordeste é um espaço significativo para a constituição desse discurso. E ainda para reforçar que a representação discursiva, enquanto instância de análise das categorias semânticas do texto, não prescinde de linearidade textual para que se estabeleça uma regularidade de sentido na construção de uma dada representação.
Constatamos que o trabalho com as categorias semânticas da ATD se mostrou relevante para o estudo do gênero analisado, porque permitiu a exploração da construção do significado e das representações discursivas focalizadas, proporcionando, assim, uma análise mais precisa dos textos apresentados. Dessa forma, entendemos que as noções apresentadas podem contribuir de forma relevante para a construção do significado e sua descrição em material linguístico concreto.

V. Referências
ADAM, Jean-Michele. A linguística textual: introdução à análise dos discursos. Tradução Maria das Graças Soares Rodrigues, João Gomes da Silva Neto, Luis Passeggi e Eulália Vera Lúcia Leurquim. São Paulo: Cortez, 2008.
MARCOS, A. M. (Org.). Câmara Cascudo e Mário de Andrade: cartas, 1924-1944. São Paulo, Global, 2010.

MARCUSCHI, L. A. A construção do mobiliário do mundo e da mente: Linguagem, cultura e categorização. In: MIRANDA, N. S.; NAME, M. C. (Orgs.). Lingüística e cognição. Juiz de Fora: Editora da Universidade de Juiz de Fora, 2005.

PASSEGI, Luis et al. A análise textual dos discursos: para uma teoria da produção co(n)textual de sentido. In: BENTES, Anna Christina; LEITE, Marli Quadros (orgs.). Linguística de texto e análise da conversação: panorama das pesquisas no Brasil. São Paulo: Cortez, 2010. p.162-312.
RODRIGUES, Maria das Graças S; SILVA NETO, João G; PASSEGGI, Luis. “Voltarei. O povo me absolverá...”. A construção de um discurso político de renúncia. In: RODRIGUES, Maria das Graças S; SILVA NETO, João G; PASSEGGI, Luis. (orgs.). Análises textuais e discursivas: metodologia e aplicações. São Paulo: Cortez, 2010. p. 150-187).



ANEXOS
(Textos escritos conforme a publicação em livro referendado na bibliografia deste artigo)

CARTA 07 – MÁRIO DE ANDRADE
Araraquara, 26  de junho de 1925
Luís da Câmara Cascudo.
            Estou sentindo uma dificuldade dos diabos escrevendo a mão. Máquina de escrever é um horror. Desde que comprei minha Manuela (nome de minha máquina de escrever) não peguei mais na caneta. Me acostumei. Agora que vim descansar mês e meio por estes lados cultivadíssimos [ilegível] Araraquara  só cafezal  cafezal  não se vê outra coisa na paisagem dos espigões cada nova carta que escrevo [ilegível], só vendo nem sei mais pegar na pena, ontem até me sujei com tinta que nem curumim de Grupo Escolar. Manuela ficou jururu lá na rua Lopes Chaves.
            Você nem imagina o gosto que me deu o campeiro vestido de couro que você me mandou. Andei mostrando pra toda gente e mais a fotografia do maravilhoso cacto. As três fotografias já estão bem guardadinhas na minha coleção. Se lembre sempre de mim quando vir fotografias da nossa terra aí dos seus lados. Meu Deus! Tem momentos em que eu tenho fome, mas positivamente fome física, fome estomacal  de Brasil agora. Até que enfim sinto que é dele que me alimento! Ah! se eu pudesse nem carecia você me convidar, já faz muito que tinha ido por essas bandas do norte visitar vocês e o norte. Por enquanto é uma pressa tal de sentimentos em mim que não separo e nem seleciono.  Queria ver tudo, coisas e homens bons e rúins, excepcionais e vulgares. Queria ver, sentir, cheirar. Amar já amo. Porém você compreende demais,este Brasil monstruoso, tão esfacelado, tão diferente, sem nada nem sequer uma língua que ligue tudo, como é que a gente o pode sentir íntegro caracterizado, realisticamente? Fisicamente? Enquanto me penso brasileiro e você pode ter certeza que nunca me penso paulista, graças a Deus tenho bastante largueza dentro de mim pra toda esta costa e sertão da gente, quando me penso brasileiro e trabalho e amo que nem brasileiro, me apalpo e me parece que sou maneta, sem um poder de pedaços de mim, que eu não posso sentir embora meus, que estão no mistério, que estão na idealização, posso dizer até que estão na saudade!...  É horrível. Doloroso. Por vezes eu escreve uma coisa simples, dita sem esforço até sem arte, ninguém sabe o que está ali dentro de grandeza de comoção, de viabilidade, de amor verdadeiro. Como eu vivo e vibro de ânsia brasileira! Veja se me compreende este pequenino “Poema acreano” em que disse apenas que senti  de repente  e que é indescritível, inobservável em largas paginas psicológicas porque um desses momentos de angústia amorosa sublime em que é tão forte a corrente de comoção, tão ansiados os sentimentos, tão contraditórios, tão interpostos e simultâneos!..... E agora a gente descreve tudo isso com [vontade]. É melhor dizer simplesmente. [ilegível] for como a gente compreenderá o dizer:
Poema Acreano
                                   Abancado à escrivaninha em São Paulo
                                   Na minha casa da rua Lopes Chaves
                                   De supetão senti uma friagem por dentro
                                   Fiquei tremendo muito comovido.
                                   Com o livro palerma olhando pra mim.

                                   Não Vê que me lembrei que lá no norte,
                                   meu Deus !, muito longe de mim,
                                   Na escuridão ativa da noite que caiu
                                   [Um homem pálido, magro] de cabelos escorren-
                                                           do nos olhos
                                   Depois de fazer [uma] pele com a borracha
                                                               do dia
                                   [Faz pouco se deitou] está dormindo.
                                   Esse homem é brasileiro que nem eu.

            [Gosta]? Quero que você goste.
             Você há-de compreender a ânsia de compreensão, de união, e interpretação de tudo que é amor que essas linhas humildes eu não quis gritar. Essa ânsia dolorida já me teria feito andar por aí  abraçando não sei se pudesse. Mas tenho que ganhar a minha vida aqui, sossegadinho, [ilegível], dando lição e mais [ilegível]. Porcaria! Ao menos me sobra esta certeza de que ninguém amou mais do que eu os brasileiros no Brasil . Se não faço nada por eles é porque Deus não me deu o destino dos fazedores. Assim mesmo vou trabalhando no meu canto e não tenho vergonha de mim.
            Até breve. Escreva e venha por aqui. Nos abraçamos. Que bruta conversa havemos de ter, nem é bom pensar!
Mário.
PS. [ilegível] os números que construí. E os anteriores também regularinhos. Gostei de saber que você (você = tu) está folclorizando. Isso mesmo. Trabalhe e mande as coisas que fizer. Me interessam formidavelmente , porque são inteligentes,  bem pensadas, ditas com leveza e graça. Só depois de tudo isso é que me interessam porque são suas, de amigo. Quando gosto,  gosto primeiro pelo valor. Não misturo amizade com valor. Está certo. Olhe: quero que você leia o terceiro numero da Estética que não sei quando sairá. Conhece a revista ? Terei lá um poema, “Noturno de Belo Horizonte” e uma carta a Alberto de Oliveira sobre os quais me interessa a sua opinião franca.

CARTA 13 – MÁRIO DE ANDRADE
São Paulo 6 de setembro  1925.
Luís do coração.
                  como você é tão bom pra mim! Cada carta de você é um carinho descansante pra mim, fico feliz. Deus lhe pague. Hoje é aniversario da minha prima Zilda. Pois ela tem de me esperar se quiser que tome chá junto com os outros. Hei de responder primeiro a tudo de você que tenho aqui. Vamos a ver: Primeiro me diga uma coisa, qual a silaba tonica de requififi? Palavra aguda ou grave, requifífe ou requififí? Outra coisa: é bem substantivo ou serve às vezes de adjetivo qualificativo também?  Outra coisa do mesmo genero: me diga si você já escutou por aí a palavra pratita, adjetivo qualificativo querendo significar pessoa cheia de enjoamento, de não-me-toques. “Fulana é muito pratita” se fala por aqui.
                   Quem é êsse Jorge Fernandes, heim? A apresentação de você está engraçadissima. E o tal Jorge Fernandes me deixou com água no bico. É bom mesmo. Sensibilidade e inteligência, me pareceu! “Contrição” um pouco mal realizado desde o “Andou feliz a sentida alma (sentida alma é horrível. E só pra rimar com calma! Diga pra ele que mande à merda essa rima e escreva “alma sentida” que é muito bonito.) até  “Aos pés”. Essa partinha é um pouco corriqueira por demais. Resto bom.  “Remanescente” estupendo inteirinho e o  último verso é colossal. “Talvez na guerra contra o Paraguai...” que mundo está nesse verso! Que achado formidavel. Dê um abraço no Jorge Fernandes.  Puxa, que nome feio o dele, não?
Recebi os índices. Também me puseram agua no bico. Confesso que o livro sobre Lendas e tradições me interessa mais porque me afeta nos meus assuntos e preocupações mais que os outros.  Porém que venham estes e os devorarei. Não tenho nenhuma autoridade nem sabença em nenhum dos assuntos pra dar parecer. Digo só que são interessantíssimos. Buda santo católico me parece francamente mais boutade  que outra coisa. O nome do livro é ativíssimo faz cocega na gente. Terá extração certa. O sobre Lopez me ajudará na minha sabença de historia patria tão pouco aprofundada.
                   Tenho inda por responder uma carta açu (no sentido de beleza) que a gripe fez você escrever... Conte com minha colaboração pra sua revista e se quiser a de mais alguém escolha e diga. Tratarei de arranjar. Não sei como vai ser a revista e fiquei indeciso sobre o tamanho das coisas principalmente prosa a mandar. Por isso só mando versos agora. Se a revista for do tamanho da Revista do Brasil podem sair todos num numero só, se for menor escolha o que quiser. Mandarei a prosa depois que conhecer o tamanho da revista. E ainda se você quer prosa pro 1º número avise com tempo que mandarei. Estou você pra você, isto é, mande o que quiser. É como se fosse você mesmo fazendo.
 Também fiquei entinado com a coimbrada romântica, puxa que gente espiritualmente tuberculosa! Não fui na cantoria deles (e parece que é o melhor que êles trazem) porém em tudo quanto era reunião a que ia, pronto: lá estavam os corvos. Que túmulos nesta vida tão cheia de vida do nosso Brasil! Requiescat in pace!
O tal de Congresso Regionalista me deixou besta de entusiasmo. Em tese sou contrário ao regionalismo. Acho desintegrante da ideia de nação e sobre esse ponto muito prejudicial pro Brasil já tão separado. Além disso fatalmente o regionalismo insiste sobre as diferenciações e as curiosidades salientando não propriamente o caráter individual psicológico duma raça porém os seus lados exóticos. Pode-se dizer que exóticos até dentro do próprio país, não acha? É certo no entanto que regionalismo bem entendido traz beneficio grande sobre o ponto-de-vista da propria discriminação dos caracteres gerais psicológicos e outros dum povo. Se a minha adesão vale de alguma coisa aí vai sincera com uma enorme sodade mandada pra esse Nordeste que amo como eu mesmo, que sou eu. Que pena eu não poder ir até aí! Se tivesse cobres e descobrisse tempo, ia de deveras. Como não vou mando estas rabugens pra você: Acho o programa um pouco acanhado e além de regionalista regionalizante o que é um perigo. Entre as teses dos “Problemas econômicos e sociais” vocês se esqueceram inteiramente do Brasil o que acho positivamente um erro. A primeira de todas as teses devia de ser: Contribuição do Nordeste para a constituição da Brasilidade psicológica,  econômico-social, lingüística e artistica. Pras pessoas que veem muito largo ou veem amorosamente como é o meu caso, isso está implícito no programa geral. O malentendido nasceu de haverem mais noventa-e-nove pessoas que se ajuntaram à primeira. Noventa-e-nove malentendidos quase sempre é a porcentagem. Veja se corrige isso com tempo. Se eu pudesse estudar mais seria essa a tese que escolheria ou então furava o programa falando sobre o “Conceito de regionalismo”. Na “Vida artística e intelectual” quase com a mesma intenção nacionalizante em oposição à regionalizante das teses teria incluído: Caracteres gerais psicológicos do Brasileiro refletidos ou organizados tradicionalmente nas artes nordestinas. II: Contribuições linguisticas do nordeste para a língua geral do Brasil (lexiologia, fraseologia, sintática, modismos expressionais). III: Folclore nordestino. Não vejo bem aonde a gente poderia tratar disso nas teses do Congresso a não ser de folclore no tratar de festas e jogos tradicionais. E assim mesmo... Aliás reconheço que nessa parte de vida artística e intelectual vocês se preocuparam mais com lados práticos que propriamente ideológicos. Em todo caso tudo é prático em última análise entre os temas que apontei. Porém de qualquer maneira que seja o Congresso é interessantíssimo e desejaria estar aí. E a sua casa que você não se cansa de me oferecer em Natal... Como você é bom pra mim! Se fosse possível não imagine que eu esperaria repetição de convite não. Iria mesmo. Aliás o convite está aceito. Quem sabe o que virá um dia! Se arranjar jeito irei na certa passar uns dias com você. Seria só engrandecer esta felicidade de quem como eu já é monstruosamente feliz. E você faz parte de minha felicidade, Luís.
Te abraço
                                                    Mário.
                   Mandarei Pauliceia. Briguei definitivamente com Ariel. Vou ver se dou um jeito de arranjar os números dela. Vou ver se arranjo também um exemplar do Pau Brasil, um delicioso livro do Osvaldo que não é meu parente. “Se arranjo”, porquê quero com  dedicatória dele e é o sujeito mais atabalhoado do mundo. Promete tudo de coração, se esquece  tem dez milhões de negócios complicadissimos  vai-se embora pra Europa sem a gente saber. Duma das últimas vezes eu o tinha numa fazenda quando recebi carta dele de Paris! Chegou ontem mesmo de Paris. Viaja hoje não sei pra onde. Estará no Rio na semana que vem, Está em vésperas de nova viagem pra Europa. É fantastico. Pau Brasil que já conhecia e reli hoje de manhãzinha é pra mim o melhor livro dele. Poesia genuína no sentido de lirismo. É lógico: a feição dele é o lirismo meio cômico, às vezes cômico por inteiro, divertido alegre de sujeito que come como você não imagina, passa bem é feliz dentro de todas as vicissitudes macotas que lhe têm enriquecido a vida. Porque também ele é um pouco malabarista das vicissitudes. Brinca com elas e se diverte. A Primeira parte são frases tiradas de cronistas e arranjadas juntas. É um dos achados líricos mais soberbos e ricos que nunca se fez. Que coisas lindas conseguiu construir com frases de Gandavo, de Fernão Dias, de Frei Vicente... Você verá. Ciao.
                   E mandarei uns exemplares da Escrava. Distribua se quiser.

CARTA 31 – LUÍS DA CÂMARA CASCUDO
26 de junho de 1926
Em Natal.                                                                                         
Mario de Andrade.
Sempre lhe direi que recebi sua carta e que outro leu por mim o sr. Plínio Salgado.  Estou ciente da defesa ao sr. Gui e com o agravante de não ter sido atacado. Direi a V. que  Raça é tronco de raminho fino.  Laranja muito doce fica seca. Raça é um coração num corpo sem pernas. E se você entender penas em vez de pernas , não se engana muito.  Se o sr.  Gui  quisesse reconstruir devia conhecer uma raça que ainda não está cantada e sim fixada  ¾  o sertanejo. E era pra vir dentro  duns trinta meses porque o sertão está morrendo engolido pelos açudes, pisado pelo Ford, cego pela lâmpada elétrica. A menina que eu vi reparando na gente pela fricha da porta, vive na capital, usa sapatinho vermelho e está ensinando  shimmy às primas da fazenda.
            A casa grande derribou-se.  Agora inaugura-se o estilo bolo de noiva com requififes e pendurucalhos nas paredes.  Vaqueiros ? Sumiram-se. Estamos comprando zebu  caracu, heresford, etc. Bicho de comer em cocho e beber parado. Não sabe ouvir aboio nem corre no fechado da caatinga. Morre a vaquejada e com ela duzentos anos de alegria despreocupada e afoita. E é pena que o sr. Gui , vindo ao Norte, fique nas unhas de meninas recitadeiras e de garotos mastigadores de pós de arroz...
            Se V. vier... Com os diabos! Não há literato que lhe ponha um dedo ou lhe cite um livro.  V. vem comer, beber,respirar e ver Nordeste. Típico. Autêntico. Completo. Depois pode V. retomar o passo lerdo para ouvir besteiras e safadices dos nossos jumentos e guaxinins  poetadores.
            Verdade. V. foi terrível com o Lobato. Impiedade aquele nome a 1800 e punhados.
            Estou solidário quanto ao sr. Marinetti. Este senhor está parado em 1909.
            Eu tenho a impressão que existe certas imobilidades leves e que parecem demorar pouco na inércia. Uma mulher parada, um aeroplano pousado, uma galinha presa por um pé, têm um aspecto de passo, de voo, de salto quase imediato. Outras coisas não. Um Buik, um Cadilac, um Paige, atolados na lama dão a ideia de não sair mais nunca. O sr. Marinetti atolou-se  num  “estado imóvel”. Quando sai é guinchado nas rodas e barulhando pelos palcos a tanto per capita.
            A vaia de São Paulo é idiota. Foi as avessas daquela  de 22 na “Semana de Arte Moderna”. Tempo turuna ! Quando cheguei aí. S. Paulo cheirava  pólvora  e a capa arlequinal do  Paulicéia Desvairada  era uma bandeira esfregando as ventas da Villa....Como se chamava? Ah....Kyrial ? ou Mariana ?
            Agora.....Marinetti, tempestade prevista pelo observatório Viggiane é , apenas, um rastá pisando o secular  faire l’Amérique.
            Quando V. publicar artigos em qualquer jornal e sobre qualquer tema, mande-nos se for possível. E a Gramatiquinha da fala brasileira?  Não deixe este título se evaporar. Faça a gramática. E deixe o bilhostre quadrupedar pela jumentice alheia.
            E aceite os bons dias! O clarim do Esquadrão da Cavalaria está tocando alvorada. São 4 horas da loira madrugada e Febo desperto mandará  Aurora dos róseos dedos levantar a fímbria  do horizonte numa leve carícia luminosa. Famoso!.........
            Abraços do
                                                           Luís.
V. recebeu versos e revistas ? 
Não sei se lhe mandei o artigo incluso.     

CARTA 33 – LUÍS DA CÂMARA CASCUDO
8 de agosto de 1926
Em Natal.
Mário de Andrade.
            Cheguei ontem do sertão onde fui no séquito de José Augusto receber o sr. W. Luís.  Trouxe muita poeira e uma impressão que V. lerá depois. Tive, depois do banho e do jantar, o prazer do fumo e de sua palestra. V. teve razão do “atabalhoado” da “Sistematização”. Para equilíbrio não o [possui] sobre o oblíquo das frases que escrevi .  E por sinal V. é um grande traidor.  Versos como aqueles não se publicam, seu Mário, guardam-se ou esquecem-se. Estou oscilando entre a cólera e o agradecimento. Vou explicar por que escrevo certas palavras em letras espaçadas e oblíquas.  Por ideografia pictorial ( ? ! ) V. continua a esperar a colaboração do leitor ao jeito de Baudelaire  e Conrad? Eu, dentro do possível, tento despertá-lo por uma visão gráfica, uma  sigla que o ajude na associação de ideias a pensar  no objeto descrito.  Devagar, lento,  e escorre  escritos desta  maneira  traduzem o tema numa expressão quase sensível. .  V. não tem feito outra coisa com seu estilo tamanduá-bandeira senão  “obrigar” o leitor a “ver” menos do que concordar (  que é uma questão secundária ).
            Mando uns recortes.  O “Dom Pedro II”  é o começo do artigo cuja segunda parte versa sobre  a  Escrava que não é Isaura de Débora do Rego-Monteiro. Deus lhe pague o catálogo de Dona Tarsila com o formosinho açúcar-cândi  de Cendrars.  Hoje, (domingo), o sr. W. Luís tomou conta das horas. Tive almoço a 150 talheres, tive recepção, passeio fluvial, visitas e às 7 um jantar horrendo entre pessoas graves e analfabetas.  Tenho fugido o que posso das festas.  Não sei se V. é assim. Detesto-as cordialmente. Multiplique o horror pelo número dos discursos.  Pense que o chamaram  (ao W, Luís ) Bandeirante da Política Brasileira e esta frase está impressa num botão de celuloide  com o retrato bigodudo e duro do ex-donatário da Paulicéia         .
            O estudo que lhe agradou sobre a cidade do Natal  pertence a um livro de reconstruções históricas.  Chamar-se-á  Figuras de velha memória  se Deus for servido.  Estou muito triste por não poder realizar o meu trabalho de imaginação.  O acaso tem me fornecido notas de tal maneira preciosas que sou um dos raros conhecedores do velho passado potiguar.  É um desserviço a minha terra  engolir estas notas ou  deixar que se escreva errado o que se passou direito e vice-versa.
            Não  esqueça de ir pensando  na Gramatiquinha da fala brasileira. O Sertão está morrendo de progresso e os termos  bons e saborosos vêm à tona como náufragos teimosos. V. deve recolhe-los repetindo Noé. V. sabe  não faltaram animais de toda casta em casal de cada família segundo sua espécie.  A Gramatiquinha será  no mínimo um berro de alarme. E aqui se diz  Por falta de um grito perde-se a boiada.  Estamos arriscados a perder muito mais do que chifres e cascos, coices e caudas.
            V. fala de  Amar e de Primeiro andar e onde paira  o Clan do jabuti  bicho de minha espécie deferência e estima?  V. é um anunciador de títulos despertadores de crônicas. Cada um deles vai pedindo um artigo . Vez por outra escrevo um e guardo.  Na outra carta V. não fala no livro e eu rasgo o artigo. E assim sucessivamente.
            Não tenho visto o Jorge Fernandes. Vem raramente aonde o posso encontrar.  Conversamos pelo telefone.  Jorge está tratando do livro que você receberá no original para ver o que sai. Depois publicar-se-á  para escandalo dos manes de Segundo Wanderley.  O sertão deu-lhe uma boa parte do trabalho.
            Não pense em mim nas dedicatórias. Destribuas em troco miúdo de estima impressa entre os mais apresados. Eu tomo o que é meu em V. uma parte grande de espírito e de pensamento . Nós, de bem e de mal,  estamos independentes de provas tipográficas para indosso à aliança . V. entendeu ? Pertenço aos de casa. Primeiro no coração e último na mesa.
            E dê um abraço a
                         este seu
                        Luís da Câmara Cascudo.






[1] Para maiores informações sobre essas categorias, conferir o capítulo 3 de Adam (2008). Por ora, é suficiente apenas citá-las, entretanto suas noções serão aprofundadas na tese de doutorado, momento propício e necessário para tal procedimento.
[2] Referência ao 1º Congresso Regionalista do Nordeste, evento realizado em Recife entre 7 e 11 de fevereiro de 1926,  do qual Mário de Andrade obteve o convite-programa desse evento.