quinta-feira, 4 de abril de 2013

Conclusos para Despacho! - Aristóteles Pessoa



Advogado, na nossa militância sagrada
No passar dos dias sempre encontramos
A dormência de uma Justiça quase parada
Desistimulando o trabalho que tanto amamos.

Não temos mais como esconder os desenganos
Quando os constituintes indagam com desilusão
Dos processos que advogamos e somos patronos
E temos que lhes responder: “autos à conclusão”.

Os clientes sem esperança, de tanto ouvir explicações
“Conclusos para despacho” é só o que existe nos autos
Nós Advogados, cansados de repetidas justificações
Recebemos a culpa de quem não realiza os seus atos.

Os que buscam a tutela jurisdicional do Estado-Juiz
Quase sempre as recebem, fora de tempo, no ocaso.
“Conclusos para Despacho” é o que o processo diz.
Infelizmente, a Justiça não anda, continua no atraso.

E consultando no site oficial não há bom movimento
Novo só: “Voltem-me os autos conclusos para despacho”
Mandando o Magistrado dar “URGENTE” cumprimento.
Podemos concluir, o Edifício da Esperança é mamaracho.

Cuité, PB., 22 de fevereiro de 2013

4 comentários:

  1. Marcelo Pinheiro5 de abril de 2013 05:57

    Assino em baixo, nobre colega de profissão e amigo. Infelizmente nós terminamos suportando o fardo do precário aparato que o governo fornece ao funcionamento do Judiciário.

    ResponderExcluir
  2. Marcos Cavalcanti5 de abril de 2013 20:48

    CONCLUSOS: PARA JUSTIÇA!

    Nobre advogado, o problema da justiça é complexo,
    E Vossa Excelência, em alguns pontos tem razão.
    A lentidão da engrenagem estatal é uma evidência,
    Mas pela análise, cheguemos a uma justa conclusão:

    O aparelho judicial vem dia a dia se modernizando
    Para atender melhor a causídico e jurisdicionado,
    Mas as demandas crescem em progressão geométrica,
    Enquanto aritmética é a progressão do nosso Estado.

    São tantos os recursos à disposição da ampla defesa,
    São tantas vias, vielas e veredas em nossa legislação:
    Os incidentes, os embargos e as petições protelatórias,
    Que às vezes é o advogado quem puxa o freio de mão.

    Faltam Recursos Humanos para uma maior celeridade,
    Mas culpabilizar-nos tão somente, data vênia, é injustiça,
    Às vezes é a omissão ou intransigência de uma das partes
    Que põe por terra o bom andamento da nossa justiça.

    Seja como for, Justiça, Ministério Público e Advogados,
    Trabalhemos juntos por uma Têmis que não enguiça,
    Sejamos bons, honestos, cônscios de nossos atos,
    E louvemos a verdade para além de uma visão postiça.


    Marcos Cavalcanti

    ResponderExcluir
  3. Concordo com o Poema e com o artigo de opinião, respectivamente elaborados pelo Dr Aristóteles e por Dr Marcelo, ambos publicados neste blog. Admiro a coragem destes dois bachareis, pois resolveram transparecer e dialogar sobre os problemas do sistema judicíario. Como todos sabemos, o nosso país como a maioria adota o sistema da tripartição dos poderes (harmonicos e independentes). Uma das Caracteristicas da tripartição foi aumentar a eficiência, uma eficiência não só na forma de resolver cada conflito (nas areas especializadas), mas também uma eficiência que tenha atribuições de presteza e de um bom redimento funcional, ou seja, pretende garantir a melhor qualidade nas atividades.Porém essa qualidade que me refiro não é aquela que diz respeito ao SABER e sim do comprometimento de alguns ou ate mesmo a falta de uma quantidade expressiva de funcionarios para que funcione com mais RAPIDEZ o nosso sistema juridicional. Não sei de fato o que acontece internamente, mas gostaria que os CONCLUSOS PARA DESPACHOS fossem despachados.

    ResponderExcluir
  4. Será porque acontece a lentidão???

    ResponderExcluir

Comentários com termos vulgares e palavrões, ofensas, serão excluídos. Não se preocupem com erros de português. Patativa do Assaré disse: "É melhor escrever errado a coisa certa, do que escrever certo a coisa errada”