APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


quinta-feira, 18 de outubro de 2012

TRISTE LEMBRANÇA - Adriano Bezerra














Guardo dentro da lembrança
Quando o meu pai sem dinheiro
Sem nenhuma esperança
Botava no bagageiro
Um saco branco de pano
Depois saía sem plano
Embalado na carreira,
Da roça para a cidade
Todo cheio de vontade
De voltar com uma feira.

Ano seco, sem fruteira,
Sem ter milho, sem feijão,
Sem batata ou macaxeira,
Pra comer na refeição
Muitas vezes o que tinha
Era um pouco de farinha,
Com alho, cebola e sal
E mamãe pra nós fazia
Mexido numa bacia
Como prato principal.

Lembrar disso me faz mal
Mas como posso esquecer?
Foi tudo muito real
E nem posso me conter
Quando relembro o regresso
De papai, que sem sucesso,
Despontava entristecido
Trazendo vazio à mão
O saco, sem fruta ou pão
Cabisbaixo e ressentido.

Hoje porém já crescido
Distante de tanta dor
Mesmo com tudo sofrido
Aprendi dele o valor
De homem justo e decente...
E não há maior presente;
Papai lhe sou muito grato!
Daqui sigo lhe honrando,
Sentindo e me recordando
Olhando pro seu retrato.

16 comentários:

  1. A lembrança é triste , mas a poesia é linda. Parabéns , poeta!

    ResponderExcluir
  2. Poesia tocante, me emocionei bastante poeta.

    ResponderExcluir
  3. Belo poema Adriano , muito comovente .
    Parabens !!!

    ResponderExcluir
  4. Obrigado Maciel, Gilberto, KEFIR e Hélio. Foram tempos difíceis esses, 10 filhos para sustentar em tempo de seca forte na roça vocês devem imaginar. Passamos muita fome, mas os meus pais faziam o que podiam para nos alimentar. O meu pai faleceu em 27 de Novembro de 1992 aos 48 anos vítima de infarto. Fiquei com 14 anos e desde então já comecei a trabalhar para ajudar a minha mãe.

    ResponderExcluir
  5. Francisca Joseni dos Santos19 de outubro de 2012 10:32

    Ao ler este poema recordo-me de momentos tristes de seca e estiagem que passamos no Sítio Ipueira em São Bento do Trairi - RN. Faço minhas as palavras de Maciel. Parabéns Adriano.

    ResponderExcluir
  6. Sandra Marques 19 de outubro de 2012 18:45
    Esta poesia retrata a vida de muitos Adriano, que passaram e passam ainda situações difíceis em nosso país. Parabéns Adriano,belíssima!!!!

    ResponderExcluir
  7. Adriano, comovente a sua poesia, traz uma história triste, entretanto te engrandece, pois te ensinou a lutar de maneira honesta por dias melhores.

    Cristiane Praxedes Nóbrega

    ResponderExcluir
  8. Obrigado Joseni, Sandra e Cristiane pelos comentários. Embora a situação da fome tenha sido amenizada em nosso país, infelizmente ainda podemos ver situações como essas.

    ResponderExcluir
  9. Adriano, esta sua poesia é alimento da memória, emocionada e emocionante, que nos lembra a todos a importância de uma vida vivida com dignidade. Você reflete em sua vida, o exempo substancioso e substantivo que o seu pai lhe deixou como aherança. Parabéns também pela excelente assessoria que vc prestou a Lucicláudio!

    ResponderExcluir
  10. Muito obrigado Marcos pelas palavras. Meu pai não me deixou herança material, mas a maior de todas, o caráter, o qual honrarei para sempre. Obrigado também por reconhecer a assessoria que venho prestando ao vereador Lucicláudio, que para mim tem sido motivo de orgulho, pois também é um grande exemplo de dignidade e caráter.

    ResponderExcluir
  11. vi um pouquinho da minha historia nesse verso, grande poeta adriano bezerra

    Helena praxedes

    ResponderExcluir
  12. EITA VERSO DA GOTA!!!

    LUIZ COIMBRA

    ResponderExcluir
  13. Valeu Helena, valeu Luiz Coimbra, obrigado!

    ResponderExcluir

Comentários com termos vulgares e palavrões, ofensas, serão excluídos. Não se preocupem com erros de português. Patativa do Assaré disse: "É melhor escrever errado a coisa certa, do que escrever certo a coisa errada”