APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


quinta-feira, 21 de junho de 2012

A COERÊNCIA CHOCANTE DA CHAPA LULUF - Sérgio Malbergier


O abraço que Lula deu em Maluf nos jardins de sua casa nos Jardins é de uma coerência chocante.

Não há nada de novo ali, só um retrato. A aliança do PP com o PT é antiga: o partido de Maluf, com origens na antiga Arena, já apoiava o governo Lula desde a década passada. Todo mundo sabe que há muito tempo vale tudo na política brasileira. A única vantagem disso é que a locupletação geral e irrestrita pelo menos consolidou a estabilidade política e a, digamos, democracia, aditivos poderosos à estabilidade econômica.
Mas o retrato daquele abraço do operário e do industrial nos jardins malufistas é forte demais para ser ignorado. Lula e Maluf por décadas simbolizaram posições antagônicas e trocaram insultos pesados. Maluf foi sempre demonizado pelo PT, e Lula sempre foi demonizado pelos malufistas.
Então há certa indignação no ar, que deve durar menos do que a soma de minutos de TV que a campanha de Haddad levou com a malufada. E os tucanos podem ter dificuldade de explorar aquele abraço porque também cortejavam Maluf.

Moacyr Lopes Junior - 19.jun.12/Folhapress
Maluf (à dir.) com Haddad e Lula em sua casa em evento para selar aliança do PP com PT
Maluf (à dir.) com Haddad e Lula em sua casa em evento para selar aliança do PP com PT

Não há oposição forte no país por isso. Vivemos a grande acomodação da politica brasileira, da qual a CPI agora em curso é outra prova. Essa grande acomodação viabilizou nos últimos anos a criação de maiorias funcionais no Congresso que permitiram aos governos federais aprovar seus projetos e, digamos, funcionar.
Perdemos com isso a força da oposição, que no médio prazo pode ser fatal. Mas ganhamos estabilidade, que precisávamos. Um centrão sólido e consistente, desde que bem alimentado.
Lula prometeu exterminar a direita brasileira. De alguma forma, ele conseguiu. Mas fica a pergunta: foi Lula quem derrotou a direita ou foi a direita que conquistou Lula? Aquele abraço em Maluf ajuda a responder.