APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


domingo, 23 de outubro de 2011

LANÇAMENTO DO LIVRO E DO CD DE DUDÉ VIANA em Santa Cruz

Na foto, Dudé e Francisco Gomes







Santa Cruz, RN - Débora Raquiel, jovem, professora, poetisa, inteligente, educada, lida muito bem com as palavras. Ela é a atual diretora da Casa da Cultura.




Santa Cruz, RN - Gilberto Cardoso, professor, poeta, cronista, presidente da APOESC - Associação de Poetas e Escritores de Santa Cruz-RN.





Santa Cruz, RN - As correntes de ferro que limitavam a liberdade do poeta e escravo Fabião Hermenegildo Ferreira da Rocha ''Fabião das Queimadas'' pertencem ao Museu do Sertão ''Auta Pinheiro Bezerra'', na Fazenda Boa Hora, no Município de Santa Cruz-RN.



Santa Cruz, RN - Cleudia Pinheiro Bezerra, professora aposentada do Curso de Geografia da UFRN, com a utilização de recursos próprios, fundou o Museu do Sertão ''Auta Pinheiro Bezerra'', na Fazenda Boa Hora, no Município de Santa Cruz. Em breve, segundo informação da própria professora, será instalado o Museu da Cidade, no casarão da Praça Coronel Ezequiel Mergelino.





Santa Cruz, RN - Marcos Cavalcanti , além de poeta, escritor e jornalista, é um homem vocacionado para o mundo das letras. Ele é um excelente produtor cultural.







Santa Cruz, RN - José Fernandes é poeta, escultor e desenhista. 





Santa Cruz, RN - O artista Dudé Viana observa, em silêncio, à sua sua direita, as correntes de ferro que limitaram a liberdade do escravo Fabião Hermenegildo Ferreira da Rocha ''Fabião das Queimadas'' (1848 - 1928). Dudé, a exemplo de Fabião, também, sem cometer nenhum delito, tivera sua liberdade limitada numa das celas da antiga Penitenciária Central Dr. João Chaves, em Natal-RN. As autoridades responsáveis pela elucidação dos elementos envolvidos no roubo dos 94 milhões da emergência, em 1982, no Oeste do Rio Grande do Norte, trocaram o nome de DEDÉ por DUDÉ, que se encontrava no dia do crime no Rio de Janeiro. E isso lhe causou um prejuízo de mais de dois [anos] no cárcere.



















add namedelete this tag