APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


quarta-feira, 20 de maio de 2015

DESABAFO DE UM GRANDE ARTISTA SANTACRUZENSE


Em mensagem enviada ao poeta Hélio Crisanto, Rosemilton (compositor santacruzense) escreveu o seguinte:

Bom dia, Mestre. Tudo bem?
Bom, estou enviando duas músicas para você ouvir. A primeira, "Eu Ví 

Deus" é letra minha com música de Jarlene Maria, uma curraisnovense boa 

de sanfona que você deve conhecer. Ela canta a música com Xangai na 

gravação.



A segunda, "Terra Seca" também é letra minha com música de Rogério do 

Maranhão que canta na gravação. Mas foi esta música que me tirou da 

composição no início dos anos 80. Estava voltando dos Estados Unidos e 

lendo o Jornal do Brasil quando me deparei com a capa do Caderno B cuja 
manchete era "Pixinguinha fora da MPB", de hoje minha amiga Ana Maria. 
Comecei a ler a matéria e ví que a escolha do grupo do MPB Shell, da 
Globo, tinha deixado de fora três compositores: Pixinguinha, Alam Brum e 
Rogério do Maranhão. Adivinha qual era a música? E meu nome não estava 
lá. Cheguei na casa de Jarlene, que na época morava no Rio, lá em 
Botafogo em frente ao Pinel, de lado do Canecão, e já a encontrei 
furiosa porque fora ela que me apresentara a Rogério. A noite, fomos 
encontrar com meu amigo Vital Farias, no Forró Forrado, onde tem um 
teatro na parte cima e Vital estava ensaiando para um musical com 
Geraldo Azevedo. Quando Vital soube do acontecido, nos disse: "Rogério 
vem aqui agora a noite". Esperamos. Quando o cabra me viu, quis 
arrifugá, mas já não dava mais tempo. Vital aberturou Rogério e disse: 
"Amanhã você vai na sociedade onde registrou a música e desfazer esta 
safadeza". Dito e feito. Mas ficou a mágoa. Parei de compor. Encontrei 
também, no mesmo dia, com Adelson Alves, no programa que ele tinha na 
Globo da meia noite em diante. E ele me disse que a música mais bonita 
que tinha ouvido naquele ano, foi "Eu ví Deus", mas teve que parar de 
tocá-la por determinação da direção da emissora. Fiquei satisfeita com 
as palavras de Adelson e a matéria do JB. Eu estava entre os melhores 
compositores. Mas isso nunca me subiu a cabeça. Pode parecer ufanismo 
tudo isto que estou lhe dizendo, mas é algo que precisava contar há 
muito tempo.



EU VI DEUS 


Eu vi Deus, tava tão bonito
Vestindo gibão
E chapéu de couro
Segurando o cavalo pelas rédeas
Se livrando do xique-xique e cardeiro

Correndo atrás do barandão
Touro macho fuçador e chifreiro
Mas Deus é macho ele é vaqueiro

Eu vi Deus tava tão perfeito
Enxada nas costas e de pé no chão
Avexado debaixo do imbuzeiro
Pois ele tem fome que nem nós
E o pior não é a fome do comer
O pior é calar pra não sofrer

Eu vi Deus e tava tão triste
Tava implorando pedaço de pão
Então ele disse para mim
Teu caminho é de dor e sofrimento
Tua terra é vida, é salvação
Relembra que eu sou teu irmão.

Eu vi Deus...

Letra: José Rosemilton Silva
Melodia: Jarlene Maria (Sanfoneira curraisnovense)



Ouça Terra Seca em nossa rádio APOESC


Terra Seca Letra: Rosemilton Silva Música: Rogério do Maranhão Tá tudo seco seo minino E só iscapa agora os granfino (x2) O sol já está a pino E o gado todo mufino (2x) O feijão qui nois come Há munto já morreu de fome (2x) Num tem água que ele tome E o roçado só tem nome (x2) Eita raça véia disgraçada Tuda cumida é o cabo da inxada (x2) O sertão é mesmo sofredô E nóis é mestre em passá fome (2x) Suportá sol e calô Cumida qui rico num come (2x) Eita raça véia disgraçada Tua cumida é o cabo da inxada (2) Ai alumia, clareia.