APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Velho Chico - Mariano Ferreira da Costa



01

Lá na Serra da Canastra
No Estado das Minas Gerais
Chiquinho nasceu tranqüilo
Limpo como os cristais
No seu berço milenar
Chiquinho sonha com o mar
Desde tempos ancestrais...

02
Como brincadeira de menino
Chiquinho foi encontrando
Nas cercanias das montanhas
Amiguinhos abraçando
Sem pressa para descer
Entre pedras a correr
E o mar lhe esperando...

03
Quando Chiquinho se viu
Com muitos amigos ao lado
Sentiu força pra descer
Conquistar outro estado
Abraçar o oceano
Realizar o seu plano
Ver sonho concretizado.

04
Lavou ouro e cristais
Com sua forte correnteza
Cortou serras e montanhas
Mostrou sua destreza
Como sábio artesão
Não faltou inspiração
Lapidando a natureza.

05
Foi traçando caminhos
Conquistando a liberdade
Levando a cada lugar
Vilas, campos e cidades,
Um pouco de sua história
Por de mais meritória
Sem nenhuma vaidade.


06
Chiquinho adolesceu
Mostrou sua rebeldia
Pisou no solo baiano
Tranqüilo no fim do dia
Lá fez sua oferenda
Brigue mas não ofenda
Nossa pacata Bahia.

07
Como um bom baiano
Sem pressa para chegar
Foi irrigando o solo
Desde as terras do Araxá
Deixando muita fartura
Nas várzeas beleza pura
Como quer Iemanjá.

08
Na sua juventude
Já se sentindo forte
Com seu corpo espraiado
Buscando o seu norte
O Chico amadureceu
E com as bênçãos de DEUS
Traz vida onde há morte.

09
Desbravando os sertões
Das minas e do nordeste
O seu leito oferece
Ao nosso cabra-da-peste
Riqueza pra sua gente
Que se torna emergente
E cada dia ele cresce.

10
No solo alagoano
O Chico é homem feito
Conquistou autonomia
Tem noção do seu direito
Mas não falta com o dever
Sua riqueza oferecer
Retirando do seu leito.

11
Na terra de Nambuco
Com suas belas carrancas
Espantando o egoísmo
De suas margens arranca
Crescimento e progresso
Lá não há retrocesso
Nem anda com perna manca.

12
Juazeiro e Petrolina
Recebeu este presente
Como o Egito do Nilo
Ambos estão na crescente
Exportando a riqueza
Importando a pobreza
De um povo indolente.

13
A monocultura se expande
Ao longo de suas margens
A população ribeirinha
Ver mudar toda paisagem
A riqueza se concentra
É muito dinheiro que entra
O pobre não ver a imagem
14
Projeto de irrigação
Emoldura o velho Chico
É um show de tecnologia
O pobre não tem um bico
As multinacionais
Todo dia leva mais
Muito pobre e pouco rico.

[...]
36
Meu Velho Chico você
É a nossa redenção
Brigue, mas não se entregue
Ao capricho do patrão
Venha conosco viver
O nordeste desenvolver
Traga a vida pra o sertão. 

http://marianocordel.blogspot.com.br/