domingo, 17 de março de 2013

TUDO ISSO FAZ LEMBRAR DA MINHA VELHA MORADA


       Adriano Bezerra

No alto da cumeeira
Uma casa de besouro,
No fogão uma chaleira,
No torno um chapéu de couro,
Na porta antiga uma trava,
Na sala um paió de fava,
No alpendre a rede armada,
E a brisa mansa a soprar
TUDO ISSO FAZ LEMBRAR
DA MINHA VELHA MORADA.

Lá no canto da cozinha
Um pote e o velho pilão,
Sob a mesa uma quartinha
E a panela no fogão,
Lá no tripé o leiteiro,
A caçarola, o poncheiro,
E a carne dependurada
Num pau exposta a secar
TUDO ISSO FAZ LEMBRAR
DA MINHA VELHA MORADA.

O colchão feito de palha,
A cama e o camiseiro,
Os cambitos, a cangalha,
Os bichos lá no terreiro,
A tarrafa e uma rede,
Uma foto na parede
Pelo tempo desgastada,
E um velho rádio a tocar
TUDO ISSO FAZ LEMBRAR
DA MINHA VELHA MORADA.

O barulho da enchente,
O canto dos passarinhos,
O bafo da terra quente,
O piado dos pintinhos,
O gado lá no curral,
O feijão e o milharal,
A chuva e a trovoada,
E o céu a relampejar
TUDO ISSO FAZ LEMBRAR
DA MINHA VELHA MORADA.

5 comentários:

  1. Mais um belo texto, poeta. Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Na minha também tinha tudo isso poeta, grandes versos!

    ResponderExcluir
  3. Valeu Gilberto, valeu Hélio! Abraço!

    ResponderExcluir
  4. ESSE POETA ADRIANO É MUITO TALENTOSO MEUS PARABENS ADRIANO BEZERRA
    JOSE ACHIETA

    ResponderExcluir
  5. Obrigado José Anchieta pelos incentivos. Abraço!

    ResponderExcluir

Comentários com termos vulgares e palavrões, ofensas, serão excluídos. Não se preocupem com erros de português. Patativa do Assaré disse: "É melhor escrever errado a coisa certa, do que escrever certo a coisa errada”