APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


domingo, 24 de março de 2013

QUEM FALA TAMBÉM MACHUCA, JÁ QUE RESPIRA.

 
Início de ano letivo, deparei-me com a pergunta: professor, deixo quantas linhas?

Há em educação fórmulas e formas exatas que também delimitam e retiram desde cedo suspiros de liberdade de quem vem à escola e deveria encontrar nela uma formação cidadã. O processo acontece numa contabilidade precisa de dias, horas, horários, passando pela organização engenhosa de nossas carteiras e chegando ao professor em seu posto de figura central como se detivesse o conhecimento em sua plenitude. Somente agora depois de dezesseis anos de LDB (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional) buscamos cumprir o horário integral do aluno na escola, que acontece num faz de conta, já que não temos estrutura para fazê-lo decentemente, pois investir em educação não é o nosso forte e como se não bastasse, tenta-se resolver problemas cruciais mexendo no currículo, a exemplo da Comissão do Senado que aprovou recentemente a inclusão da disciplina cidadania moral e ética no ensino fundamental, como se essa discussão não fosse já contemplada na disciplina de ensino religioso, pelas demais disciplinas através dos temas transversais, ou talvez porque se confirme a tese de que a escola não é essencialmente um espaço democrático e essa disciplina venha numa tentativa heroica para fazer esse resgate.
Em educação prevalece o intencional e o espaço que a escola determina na vida é muito bem simbolizado pelo espaço das quatro paredes num convite desde cedo à limitação ou à passividade. E essa “opressão educacional” nos leva a outros tipos de opressão, seja ela política, religiosa... econômica (O cartão de crédito, por exemplo, me credencia como cidadão, mas uma boa educação me fará enxergar que ele não me concede autonomia financeira.).
Neste contexto não se pensa e não se prepara para o contraditório, nem para saber ser contraditório. Se a nossa leitura é deficitária, se não concatenamos um ponto de vista e se argumentamos de maneira confusa, isso reflete em nossas relações, em nossa vida. Na contramão do mundo não se instiga a leitura, a pesquisa, o conhecimento, não se domina os diversos gêneros do discurso e não se faz uso da oralidade de maneira adequada. Não me admiro quando ouço que aluno bom é aluno que mal fala: ele é bonzinho! Mas num mundo sem fronteiras o que realmente incomoda nem chega a ser a ausência e sim o silêncio, embora muitos dos que falam são ignorados ou convidados a calar-se, já que o aparelho fonador existe a partir do aparelho respiratório e por isso quem fala também machuca, já que respira.
Em contrapartida há o discurso de que o professor pode fazer a diferença, mas a nossa própria formação é deficitária e muitos nem nos vemos como profissionais e sim como agentes sociais exercendo um ofício ou sacerdócio, daí a lembrança de que temos que desenvolver sentimentos amorosos, de respeito com nossos alunos, acho que como certa compensação pelo fracasso de um modelo para um aluno no século XXI, de um professor com formação pedagógica do século XX e uma educação que segue o formato do século XVIII, mas só a educação parou no tempo, que se diga. Esta discussão é interessante no processo de formação pedagógica do professor, não como projeto a ser desenvolvido em sala de aula, tanto quanto me parece inconcebível a um pediatra ou psicólogo, por exemplo, com placas em seus ambulatórios e os dizeres de que ali crianças são tratadas com dignidade, afinal, onde não for, que se denuncie.
E assim, neste sistema condensado em paredes, de dias, horários, disciplinas e minutos específicos, encontramos aqueles que delimitam também números de linhas, determinando , subestimando e encurralando ainda mais, em pleno e admirável mundo novo. Lembro a professora que pedia para os alunos desenharem uma rosa e tinha sempre que ser vermelha. Uma de suas alunas foi transferida para outra escola e quando provocada a desenhar... adivinhe o que ela desenhou.