APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


quinta-feira, 24 de maio de 2012

O CORDEL E O BAIÃO NORDESTINOS NA MARQUÊS DE SAPUCAÍ


UM TRIBUTO A ROMANO DA MÃE-D`ÁGUA,

INÁCIO DA CAATINGUEIRA

E LUIZ GONZAGA.


                                                                              Jair Eloi de Souza (*)


Tempos idos no meu Sertão, era de 1870, a tristeza e a melancolia grassavam nas tendas quilombolas, mas, serviam de mote para o ponteio da viola e o batuque do pandeiro, acompanhar o versejo de dois monstros sagrados do repente: O Grande Romano da Mãe-d`água e o Negro alforriado Inácio da Catingueira, ambos do Teixeira. O palco, a pequena urbe por todos nós conhecida: Patos das Espinharas, sertão paraibano, que recebe o batismo do rio de mesmo nome. O embate destacou-se sob a forma de desafio, e durara segundo as fontes da oralidade aproximadamente oito dias. Por isso os dois vates, representam expressiva vertente da cantoria nordestina, embora um sendo cativo e analfabeto e o outro conhecedor das ciências populares, mas, também muito pobre. Esqueceram estes a melancolia de seu povo, o negro que aprendera na leitura da ciência pelas filhas do seu amo, tinha a rapidez fulminante das respostas, do épico, cantara a alegria de sua saga. Romano brioso, também ovacionara a bravura dos seus que embora brancos, eram atrelados do eito servil. Esses desbravadores de uma poesia rimosa, não imaginariam que um dia, a semente versejante triunfasse como tema num cênico que para muitos é hoje, o maior espetáculo da terra, o carnaval alegórico do Rio de Janeiro, na Marquês de Sapucaí.

Lembrados esses dois heróis do gemido poético em ponteio de viola e batuque do pandeiro, neste ano, o grande homenageado foi o Velho Lua, de Exu, Fazenda Santana, no pé da serra do Araripe, em Pernambuco. Menino “bolchudo”, cabeça grande, puxado na cor, um caboclo sanfoneiro espirrado do fole de oito baixos do velho Januário. Já taludo, fez aboio reboado, no traquejo da gadaria. Cantou toada nordestina na pega de gado nos brejinhos do sertão, domara a vaca estrela e o boi fubá. Muito cedo despertara para os “toques”, acompanhava seu pai Januário, de Itaboca a Rancharia, de Salgueiro a Bodocó. Frangote, após servir o ”exerço”   brasileiro, deu de cabo da sanfona  choradeira.

Nos anos trinta, meandrando as estradas empoeiradas em pau-de-arara, transpõe o semi-árido nordestino, e enfrenta o Rio de Janeiro. Toca em pequenas casas noturnas, no mangue carioca, barra pesada, a preço de trocados que mal davam para o sustento. Permeia no baião, no xote jineteado, grava vire-e-mexe, em 1941, a primeira. Depois “Dança Mariquinha”. Mas, já de parceria com Humberto Teixeira, lança “No meu pé de serra”, em 1946, onde rebrota sua saudade, melancolia, de seu torrão natal, sua pequena Exú, e suas andanças na Serra do Araripe, em solo cearense.   
    
No ano de l947, já na RCA, solfeja a ASA BRANCA, e A VOLTA DA ASA BRANCA, em l950, a primeira considerada o hino dos povos do cinzento, retrata a seca inclemente, devastadora, impiedosa para com os viventes dos sertões. A segunda, noticia a volta das chuvas, o ronco do trovão, os rios cheios, o amor telúrico do nordestino ditando sua volta às terras do Sertão.
          
Para cantar o Sertão andou na tenda de Patativa do Assaré, esse gigante da poesia provinciana, com a “triste partida”, decantou a tristeza do “Assum preto”, dissertou sobre a feira de mangai, de Caruaru, chorou em lamento “a morte do vaqueiro”, cantou luar do sertão, onde Catulo da Paixão Cearense ponteou a solidão e manifestou sua vontade no verso que se segue:

Ai que me dera que eu morresse lá serra,
Abraçado a minha terra,
E dormindo de uma vez,
Ser enterrado numa grota pequenina,
Onde a tarde a sururina,
                                      Chora sua viuvez”.

Finalmente, somos pequenos, para decantar a obra poética, melódica, cancioneira, do ícone Luiz Gonzaga: o retrato do vaqueiro, do aldeão rurícola, do cantador de viola, do cordelista, do puxador de fole ou concertina, do brado sertanejo em ano ruim, do canto da acauã, do cheiro de xandusinha, do destemor da mulher paraibana, do amor platônico da cabrocha, “quando ia passear, comprar farinha lá feira de Pilar”.

Lua, é tudo isso:  o chão, a terra, o povo, o canto e a saga nordestina.
                                          
(*) Professor do Curso de Direito da UFRN.