APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


segunda-feira, 29 de agosto de 2011

VISITA À CASA DA AVÓ - Aldenir Dantas

VISITA À CASA DA AVÓ

Pelo terreiro vazio, assovio
uma canção amiga, antiga....
Antiga como o “eu”, que se perdeu
- conta deslocada de velho colar -.

Entrevistos meninos; franzinos
emersos de outros tempos.
Lufadas de vento no telhado
telha vã acinzentada
Vó sentada...

A voz do Brasil: o acalanto
A prima: o encanto
Joanas, Zefas, Marias... Tias.

Um menino chupa cana e me chama
- Não posso, estou assoviando
uma canção amiga, antiga...
Antiga como o “eu”, que se perdeu
no tosco alpendre da meninice.


Aldenir Dantas


6 comentários:

  1. Me fez lembrar do tempo onde eu ia fazer uma visita ao minha avó .Recordações muito diferentes das suas .
    Recordação dos invernos rigorosos quando o vento e a neve chicotearem nossos corpos pequenos.......Recordação da casa de minha avó onde o corpo e o coração acharam este calor que dá à infância o sabor da felicidade .Quantas saudades !!!
    Parabens Aldenir pelo poema maravilhoso e comovente !!!

    ResponderExcluir
  2. Esse poema cantou a minha infância, lindo demais

    Vitória

    ResponderExcluir
  3. Belissimo Aldenir, seja bem vindo ao nosso espaço poético e cultural.

    ResponderExcluir
  4. Parabens poeta Aldenir, adoro poesia enriquecida com metáforas

    Francisca Lúcia

    ResponderExcluir
  5. Belíssimo poema Adenir. Fico muito feliz quando vejo novos poetas enriquecendo esse espaço virtual. Parabéns e continue nos agraciando sempre mais com os seus poemas.

    ResponderExcluir
  6. Amigos, eu que agradeço por ter o privilégio de compartilhar com vocês deste rico espaço.

    Aldenir Dantas

    ResponderExcluir

Comentários com termos vulgares e palavrões, ofensas, serão excluídos. Não se preocupem com erros de português. Patativa do Assaré disse: "É melhor escrever errado a coisa certa, do que escrever certo a coisa errada”