APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


quarta-feira, 27 de junho de 2018

PARADA NACIONAL (Gilberto Cardoso dos Santos)

PARADA NACIONAL (Gilberto Cardoso dos Santos)

O brasileiro precisa
Revisar bem seus conceitos
Pois quando é dia de jogo
Todos param satisfeitos
Como se isso importasse...
Ah se o povo parasse
Pra lutar por seus direitos!

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
Fui comprar material, praticamente tudo fechado. Entregas só a partir de amanhã.
Um dos trabalhadores não veio porque ia assistir o jogo. Daí surgiu esta estrofe.




segunda-feira, 18 de junho de 2018

O Diabo quando não vem, manda o secretario.


O Diabo quando não vem, manda o secretário.


Escrevo agora sobre um assunto que tive bastante dúvida em escrevê-lo. Mas o hábito que tenho, o prazer em escrever, me levaram a escrevê-lo

Diz um ditado popular que quando o diabo não vem, manda o secretário. E foi numa missa em trigésimo aniversário de falecimento de um velho amigo e parente meu, que o tinhoso, o coisa ruim , (como muitos chamam o diabo) resolveu intervir, acho eu!!!
Estava eu, acompanhado de um amigo, um idoso e também muitíssimo amigo do falecido, quando no começo da missa, sentou-se a nossa frente uma bela moça com um belo vestido comprido, lascado a altura da coxa e as costas toda nua! Ela estava presente à missa junto da mãe e aparentava ter entre 19 a 20 anos.
Confesso, amigos, sem nenhum exagero que não foi fácil pra mim concentrar-me na liturgia daquela cerimônia religiosa.

O amigo, homem já com seus 85 anos bem vividos, por sinal, chegou a dizer-me: - Fica difícil pra mim concentrar-me nesta missa, amigo, magine pra você, que ainda é moço!
Achei estranho uma mãe levar a filha a uma solenidade religiosa, ou permitir que a jovem usasse aqueles trajes num ambiente que exige certo respeito.
Ri um pouco, baixinho, claro e falei pra ele:
-Meu amigo, o diabo quando não vem, manda o secretário! Ele também riu e disfarçamos um pouco. Mas não foi fácil acompanharmos toda a solenidade. As vezes, baixávamos às vistas e, assim foi a missa quase toda.

Portanto, não se deve ir à missa com a mesma roupa que se vai ao Carnaval. Mas quem sou eu pra condenar ninguém? Quem sou eu para condenar o mundo?
Acho que, em cada ambiente, devemos usar umas vestimentas apropriadas ao momento, o que não foi o caso daquela bonita jovem. Não se vai à escola com a mesma roupa que se deve ir à praia e vice-versa. Assim como não se deve vestir-se com a mesma roupa de formatura e com ela ir jogar bola! Mas é assim, amigos , que caminha a humanidade.
















***João Maria de Medeiros é professor, poeta e cronista.

sexta-feira, 15 de junho de 2018

Sobre o amor e vulnerabilidade do ser - Nelson Almeida



Todos os dias ficamos diante da imprevisibilidade dos acontecimentos que a vida nos proporciona. Nesses momentos é maravilhoso ter com quem contar. À guisa de exemplo, depressão. Um mal que assola dezenas de milhares de pessoas. Esta sutil moléstia sucumbe o ser humano e o faz sentir-se frágil, vulnerável e inútil. Quando assim estamos, um imenso abismo se abre diante dos nossos pés e não sabemos voar; o que nos leva fatalmente a cairmos nas profundezas da consciência humana. Tudo isso é complexo e intangível.
De fato, há tratamento médico contra esta terrível enfermidade. Existem medicações e longas sessões com psicólogos e psiquiatras; tudo isso ajuda e o bom senso recomenda que se procure ajuda especializada. No entanto, nada é mais aprazível e reconfortante do que o amor, carinho e atenção. Sendo estes elementos consequências de ações e palavras dos nossos pares, daqueles que se preocupam conosco. Isso mesmo, ações e palavras!
A magia habita nestes terrenos afáveis. A magia está nas palavras e nas ações. Às vezes pequenos gestos de amor ao próximo, palavras de compaixão, atenção e compreensão causam grandes efeitos positivos nas vidas das pessoas que nos cercam. Essa é a verdadeira magia, encanto e sentido da vida.

segunda-feira, 11 de junho de 2018

Quem são os Verdadeiros heróis deste pais? - João Maria de Medeiros


Tomei uma decisão radical sobre a Copa do Mundo! Mas sobretudo, sobre a Seleção Brasileira: "Não irei assistir jogos da "amarelinha". E mais, torço que não passe da primeira fase.
Esses caras são endeusados pela mídia, sobretudo pela Globo!
Quem sao os verdadeiros heróis deste pais?
Sao os professores, com seus salários baixíssimos e péssimas condições de trabalho (nem vou enumerá-las, pois não caberá neste espaço), os policiais, médicos, enfermeiros, condições de trabalhos mais péssimas ainda. Heróis são os agricultores , que labutam de sol a sol, para sustentar esse pais de alimentos, frutos do suor do seu corpo. Heróis são todos os trabalhadores, que veem seus direitos serem retirados por um Congresso corrupto, conseguidos na luta, com sangue, suor e lágrimas!!
Esses que a midia chama de heróis, não jogam nada, vão ali a campo por dinheiro, são mercenários. Não lembram mais da vergonha que sofremos frente à Alemanha?
Podem achar que estou louco, mas nesta Copa não torcerei por nenhuma seleção. Ou melhor, vou torcer que estes mercenários não passem da primeira fase. Só isso mesmo. Mas vou trabalhar, pois o trabalho dignifica o homem!


João Maria de Medeiros é professor, poeta, contista e cronista.


domingo, 10 de junho de 2018

Invenção Contínua (Nelson Almeida)


Invenção Contínua

09/06/2018 (Nelson Almeida)

Todo dia nasço e morro nos versos da poesia. Se o poema me consola, desola-me a agonia. A minha vida é assim, uma contínua invenção Onde a racionalidade luta contra o querer do coração Você é o meu querer, luz sobre a minha sina Iluminas minha vida, essa invenção contínua Onde a dor não sobrepuja os versos da minha rima Não há um dia somente que eu não pense na morte Inevitável partida que a nossa vida solapa Seja rico, pobre, gordo ou magro nenhum sujeito escapa Mas vivo a eternidade da brevidade poética Onde tudo é possível e a vida se completa.


quinta-feira, 7 de junho de 2018

O PODER DOS ELEFANTES


                A cada dia fica mais difícil o ser humano se tornar elefante. Os elefantes possuem o controle dos meios de comunicação. Para mostrar poder, recentemente transmitiram uma chocante cena onde manifestantes eram esmagados por patas. Nossa comida ficou prejudicada por esse esmagamento. Nada disso importa para quem se alimenta de folhagens. 
             Outras cenas chocantes foi ver a união dos elefantes internacionais. Eles apoiaram os elefantes daqui com vista a defender o capim internacional. Usaram mensagens mentirosas e imagens distorcidas para denegrir o movimento reivindicatório. Venceram pelo cansaço. Pobres humanos. Precisam de gás para colocar a comida no estômago enquanto os elefantes conseguem in natura. 
          Como os dinossauros, os elefantes precisam ser extintos do planeta para que os seres humanos possam viver em paz. Enquanto eles estiverem no poder, só nos resta gritar, chamá-los de desumanos, mas nunca dizer que são deselefantes. Eles são unidos. Lutam por seus ideais e defendem a manada a qualquer custo. Mas não se amam. 
          Os elefantes menores ocupam cargos privilegiados e ficam satisfeitos por nunca faltar leite para seus filhotinhos. Alguns elefantes comandam outros nas tropas de choque. Em cada Estado há um elefante que é eleito por seres humanos para massacrá-los. É interessante como os elefantes conseguem convencer os humanos a votarem em outro ser que não seja da sua espécie. Acredito que isso acontece porque todos os elefantes na época da eleição usam a tromba para acariciar os domesticados humanos. Jamais utilizam suas presas de marfim para matá-los nem suas patas para esmagá-los.  Falam mal de outros elefantes com objetivo de conseguir apoio nas urnas. Dão-nos falsas esperanças para mais quatro ano de patadas, trombadas e espetadas. Eles sabem que nunca iremos entender suas artimanhas. São inteligentes, isso ninguém pode negar. Sua inteligência é proporcional ao seu tamanho e a utiliza para se manterem confortáveis.
        Os olhos elefantídeos nos observam dia e noite através da audiência dos seus berrosjornais. Utilizam bramidos, trombeteios e sons idiossincráticos para nos manter submissos. São muito competentes no que fazem. Sabem nos manter escravizados por longos períodos. O pior é que eles não se envergonham de ser elefantes. Não têm religião para domesticá-los, apenas fingem que têm. Não amam seus semelhantes, apenas se suportam por conveniência. Quando um deles quer roubar o capim do outro, não hesitam... matam! 
          Os paquidermes mais poderosos estão utilizando algo que inventaram para o ser humano: a cadeia. Muitos estão enjaulados porque elefantes pertencentes à outra esfera de poder assim decidiram. Mas será por pouco tempo. Há um consenso entre eles que precisam abolir essa punição. Até já combinaram para não usar algemas em elefantes. Só em seres humanos. Com frequência, elefantes estão ficando em prisões domiciliares com o objetivo de sensibilizar os seus eleitores que existe igualdade na lei. 
         Fofoqueiros, cafajestes, corruptos e hipócritas, os elefantes adoram manipular os humanos. Enquanto os seres humanos pensam em arte, empatia e altruísmo, os elefantes, em poder. Vinte e quatro horas por dia planejando como massacrar os serem desprovidos de inteligência racional, os humanos. Por isso que dá certo. Podem chamá-los de ladrão que eles adoram. É um elogio. O reconhecimento do que realmente são. Nesse momento seu ego é inflado em silêncio.
          O sonho da maioria dos seres humanos é se transformar em elefante, mas nem todos conseguem. O primeiro passo é pensar como elefante. Aprender a si vender. Fingir-se de bobo. Só assim, tromba e presas crescem. As pesadas patas irão sendo acrescidas com a prática nos palanques. Os berros precisam ser prolongados por anos para que os humanos possam reconhecê-los quando àquele elefante pregar uma ideia. 
Os caminhos são vários. Desde religião até associações e sindicatos. Mas o ser humano que pretender chegar rápido a esse clube corporativista precisa ter diversas folhagens armazenadas. Os elefantes adoram cana de açúcar na sua dieta. Quem conseguir mantê-los alimentados por mais tempo consegue o apoio de todos.
             Só não é permitido que um elefante de segunda classe queira liderar a manada. Se isto acontecer, o traidor irá para a cadeia escrever livros, assistir televisão e tomar remédio tarja preta.  

Autor: 

Natal/01.06.2018