APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


terça-feira, 27 de março de 2012

POR UMA BANDEIRA - Prof Francisco Maciel



Eu disse outro dia em seção na Câmara de Vereadores: quando meu filho

nasceu nossa bandeira já existia e se os senhores, enquanto representantes

de todos os japienses permitirem, eu quero mostrá-la também para os

meus netos. Minha neta apressadinha está a caminho e espero que sejamos

capazes de segurar nossa bandeira por mais tempo. Eu fui apelativo porque

sabia que apesar das enquetes nas redes sociais e de documentos oficiais

apontando o desejo de uma maioria ali representada ser pela permanência

da nossa bandeira, a decisão final estava mesmo era entre os legisladores

e espero ainda que apesar da insistência por parte do poder executivo

municipal, sejamos capazes de conquistar a esta altura, a simpatia de quem

de fato deveremos.



Por algum tempo me detive na impressão de que nossa bandeira já

estivesse segura e protegida. Ainda mais quando estive na Câmara de



Vereadores dias depois por duas vezes. Primeiro participando de audiência

pública sobre nossos limites territoriais e depois em nova audiência

para decidir a aplicação da emenda de iniciativa popular no valor de R$

400.000,00 aqui no município. Nestes dias eu a vi tremular e não tremer

entre os nossos vereadores e, por último, nossa bandeira estava como

se quisesse abraçar o prefeito. Foi o que afirmei ali. Ela estava em seus

fascínios, exuberando um deslumbramento que lhe era oficial, num lugar

que lhe era de fato e de direito, de onde pensei que nunca haveria de sair.

Encantei-me com a cena e assim imagino outros também, mas hoje lamento

pelo possível reverso da história e por dentro sofro, enquanto que na

bandeira é quase isso o que antevejo por fora.



Foi observando a natureza das coisas que desde cedo aprendi que não é

apenas o vento, mas também o tempo que lança distante o eco, até que

se cria um ambiente favorável para que se estabeleça o contraditório. Com

a passar do tempo voltou a proposta de substituição da bandeira aqui no

município e no projeto de lei, enviado pelo prefeito à Câmara Municipal,

no art. 5° “a antiga Bandeira não será incinerada e sim, arquivada como

elemento histórico e de pesquisa”. A verdade é que com a substituição não

mais veremos nossa bandeira onde antes estivera, ou haveria de estar. E

sorte minha e dela que não conhecemos a ditadura pela ditadura e sim

através da História, porque tanto quanto ela ainda está aqui; eu, no foco,

brincava inocentemente nas quatro ou cinco ruas que tínhamos, enquanto

se baixava decretos para que se emudecesse de vez e sem voz, sem força

ficasse, ou que a força não fosse suficiente para se levantar bandeiras.



É verdade que pouco temos assistido de sua imponência, pois seus dias

têm sido bem empoeirados, vitimados também pelo descaso do percentual

desastroso de analfabetismo que nos persegue, mas creio que não só em

mim existem lembranças, boas lembranças, de suas aparições ostensivas,

nos raros momentos de civismos pontuais em que esteve presente, ladeada

de outras, ao seu modo irredutível. Lembro as poucas vezes quando esteve



a devolver reverência em testemunho aos filhos de nossa terra por suas

conquistas e quando aqui ou além-fronteiras por nós velava os presentes

só de corpo, onde por vezes eram bem poucos e ela, somente, por último, a

vê-los em despedida para que só então partissem... de vez.



Antes até se cogitou o exagero de um plebiscito para seu destino. Ideia de

gente que como eu foi convidada a dá palpites. Quisera eu, estivéssemos

a fim realmente de irmos ao mais profundo do sonhado exercício

democrático. Distante disso, a historiadora e escritora Anadite Fernandes,

bem ao jeito dela, foi quem enxergou na bandeira um equívoco histórico

e desconfiou de sua capacidade de nos representar decentemente. Até

então, só conheço seus rastos, mas é ao menos nela ainda que espero a

chance de ter o tão cobrado argumento único que me seja tanto e quanto

convincente do porquê de tal mudança: unzinho somente.



É natural que arrisque aqui minha desconfiança no aval daqueles

que desacreditam nas traças e dos que insistem em fazer história em

detrimento da História para que o destino de nossa bandeira ganhasse

forças bem nas mãos da escritora, no seu traçado, nos seus traços,

desenhos, toques e retoques na outra, que insiste em querer se impor em

sua pujança, embora a nossa já esteja fincada e com raízes na história, em

cujos deveres cívicos constam não poder ser arriada, assim, a qualquer

hora, ainda mais na negritude do momento.



Mesmo assim torço para que não se confirme minha desconfiança de que

isto que agora nos acontece seja o anúncio ou prenúncio de coisa pior e

para que caso consigam o que querem com a nova bandeira, que com o

tempo ela consiga devolver-me ao menos o carisma que só quem tem é

bandeira envelhecida.



Prof. Maciel. Japi/RN.