APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


quinta-feira, 28 de maio de 2015

SAINDO DA MATRIX - Cecília Nascimento


Hoje estou especialmente arrasada comigo mesma... Lembra do filme, quando Neo sai da Matrix e retiram-lhe os eletrodos e ele começa a viver pela primeira vez fora da ilusão virtual, mas cheio de dor e de buracos? Pois é, é assim que eu me sinto agora... tendo um tubo retirado de cada vez e começando a viver um pouco por dia, esburacada. Provei a vida e tem sabor amargo! Mas os tubos já não me cabem mais, nem que eu quisesse repô-los. Preciso seguir adiante!
Como pude viver trinta anos dessa maneira? Descobri que a ingenuidade tem prazo longo, podendo durar a vida inteira e que é fatal, podendo tanto matar o corpo como fazer perecer a esperança de muitos. Eis uma praga incomparável, que arrasa vidas e destrói sociedades: a ingenuidade! Ela mesma, essa que é capaz de te cegar de tal forma que podes caminhar facilmente à boca dos leões como quem caminha por um jardim florido e pode fazer com que arrastes contigo até aqueles que já não padecem desse mal, dadas as consequências dos estragos promovidos.
O Mestre nos alertou para sermos “simples como a pomba e espertos como a serpente”, coisa que para mim até hoje foi muito custosa; sempre fui afeita ao quixotismo e olha aonde vim parar, sempre medindo as pessoas por aquilo que dava de mim, não atentando para as possibilidades que habitam nossa carne, a de todos nós, sem exceção. E eu, que tenho a cobra cega no nome, não aprendi a lição das serpentes tão cedo quanto gostaria...
Espero, após tantos estragos já curtidos e promovidos, aprender de vez o caminho das pedras, pois já tenho matéria prima suficiente para construir um império de stonehenges, cercado por uma queda d’água digna das Cataratas do Niágara, só que de lágrimas, as velhas companheiras, porque não sou hiperbólica nadinha, só traumática.
Mas, a essa altura do curso das coisas, o saldo negativo ainda é maior que o benefício da visão. O medo compõe poemas que não ouso declamar para mim mesma, mas também não me vejo lendo outra coisa. Medo de confiar; medo de me doar; medo de ser o que sempre fui; medo de não ser mais nada de que eu possa me orgulhar; medo de descobrir que nunca tive nada para me orgulhar; medo de perceber que nada foi verdadeiro; medo de ser justamente aquilo que sempre detestei e medo de constatar que não há outra maneira de viver senão esta... Os temores da timorata renderiam um novo livro, com final impreciso, ao contrário do de Seis Vezes Lucas. O livro Trinta Vezes Cecília exigiria muita paciência dos leitores e não sei se ao final da leitura, o esforço valeria o enfado; se algo resultaria proveitoso de tantas ilusões jogadas ao pobre papel, indefeso contra minhas insanidades. Esse exercício de descrever-me é talvez a única salvação para minha mente cansada e enfadada da ressaca da vida. Mais um tubo se vai. Dor.

Cecília Nascimento
28/05/2015 – 00h16min.