sexta-feira, 31 de dezembro de 2021

O Jogo - Maria Goretti Borges

                                                              



O Jogo

 

No fim do jogo, o rei e o peão voltam para a mesma caixa (provérbio italiano). Se no fim o encaixe é igual para todos, o mesmo não se dá durante a travessia. Do início ao fim, mais especificamente nesse ínterim, muitas lutas são travadas, encontros e desencontros, se dão. Observando-se o início, é bem visível que os personagens do jogo da vida não saem da mesma caixa, comparando-se a uma simples corrida, poderíamos dizer que muitos queimam na largada. No decorrer da partida e nos movimentos das peças, a vida acontece! Depois do fim, o que importa, algo importa? O ato da ressurreição de Jesus, seria uma prova cabal de que mesmo depois do fim o jogo continua? O Jesus humano, em sua trajetória, representa muito bem o percurso, ruas, becos, veredas e vielas no tabuleiro da vida da imensa maioria dos jogadores (peões). Advindo de uma família simples, num contexto de disputa por espaços em campos diversos, Jesus nasce refugiado e no decorrer da vida sofre as perseguições próprias, dos que se insurgem. No jogo da vida não lutou para vencer, não almejou a glória pessoal, sonhou um pódio para todos.  Germinou depois do fim, nasceu para amar e morreu para esperançar. Numa sociedade de desfavorecidos não existe vencedor, meritocracia sem equidade é blefe! “Navigare necesse, vivere non est necesse”. Frase atribuída ao general romano Pompeu (106-48 a.C.). Nesse vai e vem das ondas da vida, navegar é preciso! Na vida, assim como no canto de Zeca Pagodinho: “camarão que dorme a onda leva”. Estar acordado, atento, conectado, engajado e em movimento é pressuposto para permanecer no jogo. Jogar é preciso! A estada é individual, mas também é coletiva. Na escalação do time, muitos vão apontar e tentar definir o seu lugar, sua posição “natural”, onde supostamente você renderia mais. Mais ou menos como na canção, Portas. “nesse corredor portas ao redor(...) tentam decidir qual é a melhor”.  Daí vem os questionamentos: “por que uma única porta, se todas dão em algum lugar, se todas servem para sair ou para entrar, se todas servem para ventilar o corredor? No jogo da vida é necessário questionar, lutar, não aceitar jogar um jogo de cartas marcadas, previamente escolhidas, rotuladas, posicionadas, etc.

Em seu livro, Uma Terra Prometida, Barack Obama descreve sua trajetória na política e também na sua vida pessoal. Estão entrelaçadas, obviamente. Para mim a maior lição a extrair dessa história, é exatamente a sabedoria do escritor (Obama). Cite-se: como se portar em cada ocasião, aproveitar as oportunidades, encarar os desafios (muitos), ser audacioso, rever conceitos, dialogar, dentre outros. Enfim, focar nos objetivos traçados, sem perder a luz de sua essência, plantar e esperar o tempo certo da colheita, chorar e sorrir, quando necessário. Nos versos do compositor Guilherme Arantes, estaria o resumo da ”ópera da vida”? “Vivendo e aprendendo a jogar, nem sempre ganhando, nem sempre perdendo, mas aprendendo a jogar.”  No jogo da vida seremos eternos aprendizes, nada de entregar o jogo ou antecipar vitórias, avante!

O desamor, a falta de caridade, a incompreensão, a ganância e arrogância desumanizam o homem, embolam o meio de campo, jogo não flui de forma justa.  “E mesmo que tudo tenha dado errado, eu ficarei bem aqui diante do senhor da música, com nada em minha língua a não ser aleluia” (Leonard Cohen). Após travar lutas diárias, atravessar mares tenebrosos, romper a escuridão e não nos restar mais nada, nem mesmo forças, fiquemos com o Senhor da Vida. Feliz Ano Novo!


Maria Goretti Borges









16 comentários:

  1. Seu texto deu-me a oportunidade de conhecer a música PORTAS e as janelas por você abertas me trouxeram mais luz ao eu. Felicíssimo 2022! - Gilberto Cardoso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é um poeta muito sensível, um amigo maravilhoso! Obrigada por tudo, feliz ano novo!

      Excluir
  2. Que texto verdadeiro e ao mesmo tempo sensível. 👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻

    ResponderExcluir
  3. Excelente texto, Goretti. Feliz 2022 para você, Júnior, seu Marido, e o casal de filhos.

    ResponderExcluir
  4. Muito obrigada, Heraldo! Você com sua arte encanta a todos, felicidades e um próspero ano novo.

    ResponderExcluir
  5. Que texto ma-ra-vi-lho-so! Fico admirada, professora Gorete, com tanta sabedoria. Não perco a oportunidade de ler, procuro fazer a leitura bem devagar e degustar de cada reflexão apresentada. Seus textos aguçam minha curiosidade. Que possamos sempre seguir no jogo da vida carregando dentro de si o Senhor, o dono da vida. Muito obrigada por compartilhar seus textos inspiradores.

    Feliz ano novo!

    ResponderExcluir
  6. Muito obrigada, que bom que vc gostou, fico feliz por poder manter esses diálogos! Um abraço.

    ResponderExcluir
  7. Texto elegante, inteligente, preciso, bonito e profundo. Sempre uma alegria ler você, Goretti.

    ResponderExcluir
  8. Quantos elogios lindos, coisas de poeta! Muito obrigada, feliz ano novo!

    ResponderExcluir
  9. Belo texto, bem contextualizado.
    Cada dia mais, escrevendo melhor.
    Parabéns.

    ResponderExcluir
  10. https://www.facebook.com/joaomaria.medeirosdantas1 de fevereiro de 2022 08:38

    Belo texto, bem contextualizado.
    Cada dia mais, escrevendo melhor.
    Parabéns.

    Responder

    ResponderExcluir
  11. Que belo texto, como sempre. Parabéns Goretti. Feliz ano novo! Sempre é tempo de desejarmos coisas boas para os nossos. Beijos.
    Joseni Santos

    ResponderExcluir

Comentários com termos vulgares e palavrões, ofensas, serão excluídos. Não se preocupem com erros de português. Patativa do Assaré disse: "É melhor escrever errado a coisa certa, do que escrever certo a coisa errada”