APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


domingo, 27 de maio de 2018

A Leneide Farias, uma singela homenagem - Gilberto Cardoso dos Santos



A Leneide Farias, uma singela homenagem

A notícia me veio de longe, dos Estados Unidos. De Lenexa, alguém comunicou: “Gilberto, Leneide faleceu.”  A notícia psicologicamente me afetou de imediato; tinha o gelo cortante dos antigos telegramas, apesar dos esforços de Erílio para torná-la mais palatável. Depois disso, Marileide e outros buscaram entrar em contato comigo para fazer o triste comunicado.
Disse-me Eliel que foi um dos maiores enterros da história de Cuité.
Isso, porém não me causou qualquer surpresa, pois era de se esperar. De tanto bem semeado, não se poderia esperar inferior colheita.
Leneide mexia com vidas e da melhor maneira. Atuou no campo educacional e na saúde de modo inequivocamente brilhante.
Tive o privilégio e o prazer de ser seu aluno no Colégio Estadual. Jamais vi qualquer coisa que desabonasse sua carreira como docente. Pelo contrário: manifestava ter profunda química com a matéria que ensinava e a transmitia com entusiasmo. Invariavelmente doce no exercício da docência, entrava na classe disposta a dar o melhor de si. Algumas coisas que retenho de Química, devo-as a ela.
A partir do tempo em que com ela estudei, tornamo-nos amigos próximos. Aliás, proximidade era o que não nos faltava, pois morávamos em ruas que se interligavam. Também tinha proximidade e convívio com seu pai, Déu, com quem algumas vezes fui ao sítio, na ladeira do Olho Dágua. Como era agradável, enquanto colhíamos algo, provar do fruto do conhecimento de quem tanto contribuiria para o afloramento de meu amor à poesia!!
Leneide incentivou-me na carreira poética, pois sempre estimulava-me a continuar escrevendo e compondo. Via ela naquele jovem desvalido da beira da lagoa um potencial que nem todos conseguiam enxergar. Mais que simpática, Leneide transbordava  empatia. Vez por outra, ao voltar de Campina Grande, presenteava-me com algum alimento orgânico, substitutivo da carne, pois sabia de meu interesse pelo vegetarianismo.
Em minha formação muito devo a ela, não apenas por ter sido minha professora, mas por ter dado todo e incentivo e apoio quando fiz o vestibular. Não fosse ela, por exemplo, eu teria perdido o prazo de inscrição na UFRN!
Além de aluno, vizinho e amigo de Leneide, fui seu irmão de fé. Frequentamos por um bom tempo a Igreja Adventista. Com o tempo a abandonamos - ela bem antes que eu. Sair ou entrar na igreja não a piorou nem a melhorou, pois Leneide sempre fora a mesma. Havia nela uma ânsia por ser ética em tudo quanto fazia. Antes do batismo nas águas, já o fora no espírito, onde os verdadeiros batismos acontecem.
Era uma mulher do bem, mais preocupada com a felicidade alheia que com a própria.  Falava-me dos exames de endoscopia que tanto a desagradavam, mas isso não empanava seu sorriso, firme como uma flor em eterno desabrochar.
Eu e milhares de outros cuiteenses certamente muito nos surpreendemos ao saber de seu precoce fim. Entendemos, porém, que ela foi em paz ao último descanso, pela consciência de todo bem que fez. Perfeita em suas limitações, ela deu o melhor de si e fez um trabalho completo.
As raízes dessa saudade tão firmemente encravadas nos corações dos parentes, estendem seus tentáculos sob nós. Ao dizer “nós”, não nos parece fácil mensurar o alcance de sua (e)terna influência.  Desde sua morte, a voz de Minervina tem sido ouvida reiteradas vezes nos Estados Unidos por alguém cujos olhos têm se mantido úmidos. E o que tanto o comove são os versos feitos por Déu, seu pai, quando Leneide, chegou aos quinze anos:

“Leneide hoje completa
quinze anos de idade
Recebas de seu papai
parabéns felicidade
Esta data tão feliz
 jamais será esquecida
O dia em que nasceu
a minha filha querida

No dia em que nasceste
senti tão grande alegria
o meu coração pulsava
a minha alma sorria
ao lado da mãe querida
naquele humilde bercinho
eu sempre te contemplava
e te fazia carinho.

Não tenho prêmios nem joias
Que possa te oferecer
Somente estes versinhos
Te dedico com prazer
Receba, filha querida
Como tão simples presente
Já que tu és para mim
Uma filha obediente.

Como és estudiosa,
caprichosa e dedicada,
tens um futuro brilhante
sendo bem recompensada
a estrela do futuro
teus caminhos ilumina
com a paz, a perseverança
e a proteção divina.

Deus sempre está junto a ti
Sempre, sempre te ouvindo
Os anjos de lá do céu
Sempre te olham sorrindo
Almejo felicidades
para ti, filha querida,
Que serás minha esperança
No final da minha vida.”


 Estes versos, como disse alguém, têm uma doce singeleza, penetram os recônditos da alma. Todavia, não foram os melhores versos de seu pai. Leneide, certamente, foi o melhor poema que ele nos deixou.
Que Zé Pereira (a quem tanto admiro), seus irmãos, os talentosos filhos (Emile e Caio) e demais familiares consolem-se com o fato de que ela permanece viva nos pensamentos e corações da coletividade; pois isto é bem mais importante que emprestar seu nome a ruas ou instituições – algo também perfeitamente pertinente e profundamente desejável!
Com absoluta certeza, e no que de nós depender, Leneide perdurará na memória do cuiteense.

Gilberto Cardoso dos Santos
Filho de Cuité.
Membro da ANLiC (Academia Norte-rio-grandense de Literatura de Cordel) e Fundador da Associação de Poetas e Escritores de Santa Cruz
Santa Cruz, 26.05.2018