APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


sexta-feira, 1 de março de 2013

ENTREVISTA Com Dra. Rita de Cássia Alves Júlio - Método inovador na erradicação do analfabetismo





Gilberto: Dra. Rita, a razão principal de a entrevistarmos tem a ver com o revolucionário método de alfabetização que possibilita a capacidade de ler após apenas 8 aulas. Inicialmente, gostaria que nos falasse sobre sua área de formação, crenças, hobbies, um pouco da vida pessoal e campos de estudo.
Rita Júlio: Inicialmente, parabenizo o interesse demonstrado por este conceituado canal de comunicação, APOESC, na pessoa do Sr. Gilberto Cardoso dos Santos, meu entrevistador, por terem me convidado para esta gratificante entrevista, a qual proporcionará aos seus leitores a oportunidade de serem informados da existência deste método revolucionário de alfabetização, o qual desenvolvi com conhecimentos e experiências adquiridas na prática profissional de Psicóloga, por mais de 18 anos.
Respondendo a sua 1ª. Pergunta, informo-o que cursei o Magistério no Colégio Notre Dame em São Paulo, Pela Universidade de Passo Fundo/RS sou Bacharel em Psicologia Clínica, Organizacional e Escolar, formada também pela UPF em Licenciatura Plena em Psicologia, Pós Graduada em Terapia Familiar Sistêmica de Milão e Segurança Social e sou Psicóloga Perita Examinadora do Trânsito. Sou Católica praticante e Mariana. Meus Hobbies prediletos são pintar quadros de vidro, tocar teclado, cozinhar e jogar tranca. Gosto muito de estudar as atualidades dos acontecimentos no âmbito mundial quanto à política e crises por ela acarretada na sociedade. Leio muito sobre tudo que acresce num ser humano.
Gilberto: Com que idade aprendeu a ler e como isso se deu? Quando de fato despertou para o prazer da leitura?
Rita Júlio: Eu fui alfabetizada na fase normal de aprendizado, na época, aos 7 anos de idade.
Gilberto: Que tipo de livros e autores prefere? Fale-nos de uma ou mais  obras inesquecíveis. Há alguma de cabeceira?
Rita Júlio: Testemunhos de uma Andarilha de Alcy Irene Alves Júlio, Todos os do Augusto Cury, em especial O Futuro da Humanidade. Pai pobre, Pai Rico; Quem mexeu no meu Queijo e Pulmão de Aço da autora Eliana Zagui, são livros inesquecíveis e que transformam. Agora, para a cabeceira da cama recomendo a Bíblia.
Gilberto: O alfabetizar, no sentido literal do termo, é um grande desafio para as escolas em geral, mas principalmente para as da rede pública. Todavia, Há um outro grave problema relativo aos que conseguem ser alfabetizados: o  analfabetismo funcional. Como você avalia isso? Que causas e soluções apontaria?

Rita Júlio: As causas são as mesmas existentes entre analfabeto absoluto e analfabeto funcional, afasto apenas como problema sem solução, os casos de transtorno neurológico grave. Todos os outros casos a solução está no método desenvolvido com a técnica que aplico. Entendo que analfabeto funcional é o produto decorrente de uma alfabetização tardia e muitas vezes  sofrível a qual retirou do educando o prazer da leitura desde o inicio de seu aprendizado o que não lhe proporcionou o prazer que teria adquirido pela leitura no momento certo oportunizado de ler, interpretar e compreender as pequenas histórias infantis.  
Respondendo a segunda parte da pergunta, vejo como solução a fase pré-escolar (4 a 6 anos) que é um período ideal, muito tranquilo para aprender as oito aulas, que são oito etapas, proponho ainda que lhes sejam ensinados, aplicando as seis (06) primeiras etapas no primeiro  semestre e as duas últimas (7ª. e 8ª.) etapas no segundo semestre, dedicando-se este período mais a leitura de frases e interpretação de pequenos textos, bem como a iniciando com a leitura de histórias infantis ilustradas, o que facilita muito a memorização e o “conhecimento cognitivo”, e assim, ligação melhor as palavras entre si, como um todo no contexto, o que resulta no entendimento pleno do texto, seja em forma de historinhas ou de mensagens. Portanto É UMA FASE IMPORTANTÍSSIMA para formar uma pessoa com um ótimo raciocínio lógico, pois a lógica é a mãe da sabedoria.
É imprescindível lembrar que a criança quando começa a frequentar o 1º. Ano do ensino fundamental, não aprende somente o português, mas também tem outras disciplinas, como: história, geografia, ciências, matemática (a qual também necessita saber ler para entender as equações propostas), além de inglês como é o caso de algumas instituições educandários e demais disciplinas que variam de acordo com a grade curricular de cada colégio ou rede de ensino. Portanto, TEM QUE INICIAR O ENSINO FUNDAMENTAL JÁ LENDO! 
O procedimento metodológico de duas horas cada aula deve ser aplicado apenas nos casos considerados drásticos como adolescentes, jovens, adultos e idosos que já perderam tempo demais da vida para ser liberado do analfabetismo.
Gilberto: Agora passemos ao seu método. Descreva-o em linhas gerais e diga-nos que objetivos efetivamente ele atinge.
Rita Julio: Partindo do princípio que pelas Diretrizes da Educação é considerado alfabetizado quem é apto nos cinco itens abaixo relacionados:
 1. Quem conhece todas as letras do alfabeto
2. Quem conhece todas as sílabas.
3. Quem consegue ler e escrever palavras soltas
4. Quem consegue ler e escrever pequenas frases.
5. Quem consegue interpretar pequenas frases.
ESTES CINCO itens em Oito aulas de duas horas cada, o aluno consegue aprender! Estes cinco objetivos são alcançados através do método que desenvolvi. É cediço que é necessário o hábito da leitura e da escrita para redigir e interpretar "grandes textos" e isto o aluno só consegue com a prática e o tempo.        
Gilberto: Tente traçar um paralelo entre o seu método e o famoso método Paulo Freire. Em que convergem e em que diferem?
Rita Júlio: Paulo Freire (75) - (1921-92). Gilberto, O método dele foi criado ou pela primeira vez aplicado em 1962, quando Paulo Freire era diretor do Departamento de Extensões Culturais da Universidade do Recife,creio que Freire foi grande contribuinte com sua metodologia, onde há relatos que conseguiu com seu método ensinar em 45 dias, lecionando no período de 40 horas, não utilizava  cartilha, inclusive criticava o uso destas; bem como, já naquela época criticava o sistema educacional brasileiro. Não entendo, o por que do nosso sistema educandário, após ter passado mais de 50 anos, da metodologia criada pelo  Sr. Paulo Freire, não ter conseguido ainda erradicar o analfabetismo. Confesso que não conheço a metodologia que ele desenvolveu, más com certeza absoluta é diferente da minha, pois uso apostila, seja física ou virtual.
Talvez, o método dele também seja eficiente e ele tenha tido o mesmo problema que eu estou tendo para que os “métodos revolucionários” sejam adotados pelos órgãos competentes e responsáveis pelas diretrizes de ensino do País.
Ainda, veja a tecnologia como era naquela época e como é hoje… perceba a ciência como um todo; as descobertas que existem são incríveis e tudo vem como uma soma do que se tinha na busca da melhor perfeição. Assim deveria estar acompanhando a educação como no conjunto, deveria estar evoluindo, aprimorando, melhorando, aperfeiçoando, facilitando, modernizando, usando de toda esta avançada tecnologia em prol da educação como tão bem se usa no avanço científico e criações de eletrodomésticos inteligentes por exemplo. Para entendermos de forma prática, basta esta comparação: Que tipo de tecnologia existiam na época de Paulo Freire e quais inventos criados nos últimos anos, mudaram drasticamente, facilitando a vida na era moderna em que vivemos. Ao contrário disto, o que vemos comprovadamente é que a educação estagnou ou pior, regrediu, se comparado à qualidade do ensino público de alguns anos atrás com o atual. O método que desenvolvi é informatizado, dividido em oito módulos, as aulas serão filmadas e poderão ser acompanhadas por leigos no assunto,  apenas para verificarem a correta aplicação dos sons e escrita dos alunos no outro lado da tela. Tornando a técnica mais interessante e atrativa para o educando, além do aluno adulto não sentir-se envergonhado de comentar para os outros que está frequentando “aula de alfabetização”, ele pode dizer com mais orgulho, sem estar mentindo, que esta frequentando “aulas de informática”. Porque ele também aprende noções básicas de informática quando é alfabetizado com esta ferramenta, mas é bom deixar bem claro que não é necessário utilizar um computador, ou qualquer meio informatizado, para aprender pelo método em 08 aulas, pode também utilizar apostila (o que era contra o Paulo Freire), só que desta forma o material tem que ser impresso, não podendo ser disponibilizado imediatamente para todo o Brasil, tem um custo bem mais elevado do que utilizando o sistema informatizado, além desta forma ser mais prazerosa, atrativa e divertida.
Inclusive já fiz a experiência pratica de entregar o método para dois sobrinhos meus, o Edélsio Rivelino Júlio(17) e a Ingrid Júlio(18), o primeiro era estudante no 3º. ano do ensino médio e a outra, é universitária, na época tinha concluído o 1º. Fase do curso de Negócios Internacionais; os dois tiveram êxito em alfabetizarem em menos de oito aulas, sendo: um adolescente de 17 anos, o qual frequentava o 7ª ano do ensino fundamental em uma escola municipal do RJ e ainda era analfabeto; a outra que foi alfabetizada se tratava de uma Sra. de 68 anos que frequentava há pelo menos três anos o curso de alfabetização ministrado no CREJA/RJ - Centro de Referência de Educação de Jovens e Adultos – da cidade do Rio de Janeiro.
Me permita utilizar um pouco da metodologia de Jesus Cristo que foi o maior Psicólogo da humanidade e quem eu admiro muito e me inspiro; Jesus somente ensinou e transmitiu as suas mensagens por meio de parábolas; como ele vou contar-lhe uma: Meu irmão e patrocinador Edelson Júlio me criticou uma vez de eu ter que utilizar oito aulas para ensinar a ler, pois ele lembrou-me e eu sei que é verdade, até já presenciei, que ensina qualquer pessoa, com condições físicas normais, a andar de bicicleta em 15 minutos e a nadar em 30 minutos; indagando ele então o porque de eu precisar de 16 horas para ensinar alguém a ler?  Respondi a ele que é para dar tempo de fixar a memorização em razão de ser muita informação para alfabetizar alguém. Retruquei-o perguntando: “Como você consegue ensinar em tão pouco tempo? Ele, simplesmente me respondeu que determinava que seus aprendizes fizessem ao contrário do que os outros “professores” tentavam ensinar, dizia para os que queriam aprender a se equilibrar sobre a bicicleta “que virassem o guidão para o lado que esta fosse cair” e não o inverso, que o inverso era somente para inclinar o corpo. Já para os futuros nadadores que também: “não tentassem nadar como cachorrinho”, ou seja, com a cabeça fora d´agua; pois a nossa cabeça é muito pesada, proporcionalmente entre todos os animais, que o peso da mesma em relação ao volume é o maior das partes humana, inclusive é a única parte que afunda sozinha, então a solução é soltá-la na agua e virar o rosto somente para aspirar ar pela boca, retornando com o rosto sempre reto com o corpo, ai, é só bater as pernas e trabalhar (puxar) com os braços (mão aberta e dedos fechados), após um tempo expira pelo nariz, dá um tempo, vira novamente o rosto somente o necessário para a boca sair fora da agua e aspira o ar de novo, continua tudo novamente, já esta nadando! Me disse ele: Assim como estas situações em todo aprendizado existem “mitos” que “parecem lógicos” masnão o são e estes atrapalham o aprendizado; principalmente das pessoas que tem o raciocínio muito apegado a lógica e são por demais fiéis as determinações de seus instrutores, com a falta de lógica, sua cabeça não consegue compreender, e muitas vezes eles acabam desistindo; aceitando a avaliação dos seus “instrutores” que eles “não tem dom para aquilo” ou que “não levam jeito para esta coisa”, pior, “que ele é um aluno especial”.   
O Meu método tem muito disto, tira, exclui vários MITOS (sete) os quais atrapalham o aprendizado, a alfabetização!
Gilberto: Já tentou levar seu método ao conhecimento dos órgãos competentes de sua cidade, seu estado e do âmbito federal? Como reagiram?
Rita Júlio: Busco contato com o MEC há três anos. Para comprovar a eficácia do Método me disponho a alfabetizar pessoas escolhidas e pré-avaliadas por uma equipe de profissionais que documentem anteriormente que os selecionados são mesmo analfabetos e que após as oito aulas sejam reavaliados pela mesma equipe e esta também documente a conclusão obtida. A Secretaria Estadual da Educação de Santa Catarina está selecionando três pessoas.
Quero te explicar, ainda, que o "método" uma vez divulgado ele automaticamente pode ser usado de forma "universal" em especial pelo BRASIL TODO sendo que seria injusto um Município ou um Estado pagar sozinho a “conta” para todos os demais usufruírem gratuitamente. Temos interesse que o povo receba de forma gratuita e não passaremos para qualquer entidade/empresa que queira cobrar do educando um direito que lhe é nato e garantido gratuitamente pela Constituição.
Pensando assim, quem deve patrocinar é o Governo Federal ou qualquer empresa que queira fazer "investimentos sociais" assim como fazem nos "investimentos ecológicos" e “esportivos” tirando proveito de sua sustentabilidade ou de compromisso sócio/econômico o que lhes proporcionam bom Marketing e valorização de suas "ações" no mercado financeiro, pensamos em apoio tipo: Petrobras, Vale, Eletrobrás, BB, Itaú, Ambev, etc. ou do próprio Governo Federal que gasta valores demasiadamente  superior (ao qual pretendemos pelo método) com obras públicas com fins que possui muita restrição social ou de pouca utilidade pública.

Gilberto: Você se recusa a disseminar o know how desse sistema. Já foi muito cobrada e criticada por isso? Só o trará a público caso tenha um incentivo financeiro? Por que não o divulga gratuitamente?
Rita Julio: Temos interesse em desenvolver muitos trabalhos de filantropia e esta é a nossa chance de obtermos recursos para realizarmos também os nossos sonhos e de mudar a vida de muitos outros infortunados, com situações de vida mais lamentáveis ainda que a dos analfabetos. Queremos fazer muita diferença e resolver sérios problemas sociais, os quais têm sido dados pouquíssima atenção, principalmente quando se trata de "inválidos socialmente". Com este método de alfabetização poderemos tirar milhões de pessoas condenadas a linha da pobreza, proporcionar-lhes condições de poderem participar de cursos profissionalizantes, melhorando a carência de mão de obra qualificada que tanto tem necessitado a indústria e o comércio, de forma que, muitas pessoas , hoje analfabetas, estão desempregados, que possam ter emprego e com alguma qualificação profissional, que lhe garanta uma renda melhor, com isto uma melhor qualidade de vida para ele e sua família, poder incluí-los na era digital, contribuindo assim para uma sensível melhora no nosso índice do IDH, o qual também é vergonhoso para o Brasil que esta entre os 20ª maiores países de desenvolvimento, atualmente ocupamos o 7º. Lugar no ranking do PIB mundial, mas em contrapartida socialmente em análise feita entre 177 países, estamos na 70º posição do IDH.
Assim também acho justo valorizar os 18 anos de minha vida profissional dedicados para aperfeiçoar a metodologia usada nesta técnica de alfabetização e na solução do principal problema social deste Pais atualmente, que reflete significativamente nas condições econômicas das pessoas que se encontram nesta situação, além dos, das cifras milionárias que o Governo desperdiça com a repetência escolar, a qual por sua vez, é a causa principal do abandono escolar de muitos de nossos adolescentes e jovens, muitos acabam indo para o mundo da violência, drogas, roubos, prostituição e muitas outros atos que causam sérios problemas para a sociedade.
Podem imaginar o quanto a sociedade brasileira ganhará com a erradicação do analfabetismo?

Gilberto: Que testemunhos sobre a eficácia do método citaria para nós? Forneça-nos alguns links para vídeos ou textos que nos tragam maiores esclarecimentos.
Rita Júlio: Indico que assistam aos vídeos documentários que estão em
Gilberto: Com base em um desafio feito por você, pergunto-lhe: Se disporia a deslocar-se  até nossa cidade para mostrar in loco a eficácia de seu método?
Rita Julio: Sim, com muito prazer!!! Pergunto apenas: após a comprovação em sua cidade que acesso vocês poderiam me dar junto ao Governo Federal?  Comprovar em sua cidade pode fazer o método desenvolvido chegar ao MEC? Este é meu maior objetivo: Apresentar e comprovar ao MEC. Irei com certeza aonde preciso for para apresentar ao Brasil esta metodologia inovadora e eficaz. 
Gilberto: Em relação aos resultados, há diferença entre alfabetizar uma criança e um adulto? O que você prefere?
Rita Júlio: Já ensinei com muita facilidade crianças de 05 anos, bem como, idosos de 78 anos. Crianças são mais dispersas e adultos mais concentrados nas aulas, no entanto, crianças aprendem mais rápidas porque os adultos já aprenderam a fazer a leitura das imagens, isto é, pela logomarca ou detalhes de desenhos nas marcas, eles aprenderam a identificar locais comerciais (Bancos, Farmácias, Padarias, etc.…), outro exemplo que o shampoo a tampa de abertura fica para cima e do condicionador para baixo. Este aprendizado do adulto, aliado a baixa estima por anos sem ter conseguido aprender no método convencional prejudica, MAS não por muito tempo, visto que todos (volto a dizer: todos exceto os que possuem transtornos neurológicos graves) aprendem em no máximo Oito Aulas.
Gilberto: Nota diferença significativa entre alfabetizar um que já tentou aprender a ler e outro que terá sua primeira experiência com as letras?
Rita Júlio: A primeira experiência com o letramento torna-se mais difícil porque envolve coordenação motora para a escrita.
Gilberto: Por obséquio, fale-nos um pouco sobre dislexia e disgrafia. Nós, professores, nos deparamos com isso frequentemente e nos sentimos carentes de embasamento teórico adequado para lidar com tais situações.
Rita Júlio: Gilberto, posso escrever sobre grandes autores que decorrem sobre estes ditos distúrbios de aprendizado, a teoria é rica na internet, mas vou te ser bem franca: Como psicóloga já me foram encaminhados casos (pessoas) ditos de dislexia e disgrafia e ambos eu alfabetizei com facilidade, então não posso falar do que na prática não conheço.
Gilberto: Você sempre fala que seu método é eficaz com pessoas dentro da normalidade psicológica. Entre em detalhes, por favor, a respeito disso. Que tipo de distúrbios tem em mente ao dizer isso? Não é comum vermos pessoas mentalmente desequilibradas e com melhor desempenho em leitura que outras ditas normais?
Rita Júlio: Quando falo, me refiro a transtornos neurológicos graves. Não faço milagres.  São os casos, por exemplo, de Mal de Alzheimer que não pela dificuldade de memorização torna-se difícil aprenderem. Outro caso que acontece e prejudica o aprendizado são as pessoas (geralmente os idosos) que tomam medicamentos controlados que prejudicam a atenção concentrada, a memória, medicamentos que possuem como reação adversa um declínio cognitivo. 
Gilberto: Acha você que a progressão continuada e a frouxidão dos atuais métodos de ensino são responsáveis por crianças chegarem ao segundo grau sem estarem devidamente alfabetizadas? Que pensa sobre isso?
Rita Júlio: Exatamente. Deve-se respeitar o direito da criança adquirir este conhecimento na idade certa para a alfabetização e cobrar dos educadores o cumprimento desta Lei.
Nesta questão habita o maior problema no ensino brasileiro, visto que o não aprender na fase certa, gera distorção série idade. Criaram então a  progressão automática que no meu entender é a vilã, a grande culpada da situação caótica em que se encontra a educação em nosso país. As crianças deveriam ser "niveladas" pelo grau parecido de conhecimento adquirido e não pela idade em que se encontram.  Quantos traumas, quanta depressão infanto juvenil estamos produzindo nas crianças e adolescentes colocados numa mesma sala confirmando durante quatro horas diárias que o saber do colega da carteira ao lado é maior que o delas. Quanta tristeza e sofrimento vivem estes alunos?!!!  É óbvio que na adolescência estes mesmos alunos acabam na evasão escolar e vivam para sempre condenados `a linha da pobreza... São culpados? NAO!!! São vítimas do sistema que vivemos, do grito que nós "letrados" calamos, da cegueira e egoísmo de quem aprendeu e corre em busca de seu quinhão, não se importando com a dor e sofrimento de quem mora ao lado. Vítimas de falsos políticos, de quem ganha com a situação em que eles se encontram... 
Gilberto: Em um dos vídeos, você diz que cada um tem seu próprio ritmo de aprendizagem. Esse ritmo, em regra geral, estaria restrito a 08 aulas?
Rita Júlio: Cada uma das oito aulas possui duas horas. Tem vários casos que os alunos concluem uma das aulas (etapa) em 15 minutos, outra em 45 minutos... Quando falo que o ritmo de aprendizado é diferente, quero deixar claro que alguns aprendem muito rápido, ou seja, apenas os que mais demoram usam as oito aulas. 
Gilberto: Ensino a partir de um sétimo ano. Os alunos chegam até mim das mais diversas instituições com enormes dificuldades em leitura e escrita. Sinto-me quase impotente diante da situação. Que conselhos me daria para enfrentar esse problema? Lastimável é o quadro. Esforço-me por despertar neles o amor pela leitura, mas não alcanço o resultado pretendido. Aprovo-os, mas sinto que saem aquém do esperado. Help me.
Rita Júlio: Gilberto, creia que maior do que tua vontade de saber a técnica desenvolvida é a minha vontade de contar ao mundo todo. Assim que possível for o farei e poderás ajudar nesta nobre causa da erradicação do analfabetismo no Brasil e assim acabar com este sofrimento em milhões de brasileiros e de suas famílias, bem como, de educadores comprometidos como eu e você, com o verdadeiro dom de partilhar o saber e que sofrem por não alcançarem tal objetivo.  
Gilberto: Recomende-nos algum filme, livros, links... e escreva um ou mais pensamentos que julga extraordinários.
Rita Julio: Isto é grave! Analisem os dados revelados nesta reportagem abaixo: 
 "Brasil usa sistema de alfabetização ultrapassado"
 Falta de políticas públicas comprometem a educação
Pesquisadores brasileiros divulgaram um estudo mostrando que a alfabetização no país não é eficiente e provaram isto com números: Uma pesquisa feita com 350 mil alunos de escolas públicas e privadas de todo o Brasil, mostra que no:
SEGUNDO ANO do ensino fundamental 86,4% dos alunos não estão alfabetizados;
TERCEIRO ANO: 73,5% também não...
QUARTO ANO: 60,7% ainda não aprenderam...
QUINTA SÉRIE: 50% = Metade dos alunos não sabem ainda ler e escrever.
Em outra avaliação internacional, que analisa a capacidade de leitura de alunos com 15 anos de idade da rede pública, detectou-se que: 
1. O Brasil ficou na posição 53º. num ranking de 65º países;
2. Numa escala de 1 a 5, a média brasileira foi "2" ;
3. O exame mostrou que a maioria dos estudantes não compreende textos.
O problema segundo os pesquisadores está mais nas Políticas Públicas adotadas no Brasil e não só na má aplicação delas, os cientistas também perceberam que nem as diretrizes curriculares dizem o que os professores devem ensinar e nem em que sequência.
Conclusão: "O Brasil não tem um programa de ensino eficiente", é o que provam os dados acima, não sou somente eu quem afirma, muitos já estão tendo coragem de falar isto abertamente, sem se preocupar com os responsáveis, mas sim com os infortunados e necessitados.
Gilberto: Dirija-nos suas palavras finais. Sinta-se à vontade.
Rita Júlio: Finalizo, pedindo a DEUS que derrame uma benção especial a quem fizer chegar esta metodologia até os responsáveis pela educação no Brasil, bem como, rezo para que Ele aja no coração e na consciência de quem está à frente de nosso Governo, ou mesmo de alguma grande empresa, comprometida socialmente, que estejam realmente preocupados e compromissados em resolver este GRAVE problema Brasileiro, o qual reflete drasticamente até mesmo nos índices de desemprego e criminalidade, além de deflagrar sérios casos de depressão em grande parcela de nosso povo, fato que, também já temos no Brasil um alarmante índice neste sentido.
Situações estas e outras que serão reduzidas sensivelmente com a erradicação do analfabetismo, inclusive com diminuição de crianças e adolescentes que hoje são encaminhadas para Instituições tipo APAE e Centros de Educação de Jovens e Adultos, só porque o sistema educandário atual não teve competência para alfabetizá-los e por isso, muitos foram rotulados de “alunos especiais”, sendo em certos casos receitados medicamentos psicotrópicos, sem que haja necessidade, e, os quais advindos de seus efeitos diretos e colaterais, deflagram verdadeiros problemas mentais, bem como, uma total sensação de incapacidade, de inferioridade, de dependência, de improdutividade, de fracasso... enfim, um enorme grau de baixa estima; com elevadíssimos custos para a sociedade, levando ainda a família da "vítima" há também sofrer depressão e desgaste moral e social.
Lembrem-se ainda que segundo dados do IBGE: São 14, 1 milhões de brasileiros analfabetos e 30 milhões de brasileiros analfabetos funcionais. Eles precisam deste método. Estou fazendo minha parte e o convido para que você que está lendo este reportagem, ajude-os também divulgando esta metodologia que será a revolução na educação do Brasil. 
Por fim, rogo que este método seja logo adotado pelo Governo Federal ou por alguma empresa de porte - que tenha interesse em fazer investimentos na área Sócial/Econômica. Abraçando esta causa e oportunidade, permitindo que a mesma seja  disponibilizada GRATUITAMENTE a toda o povo brasileiro e até mesmo mundial, atitude que, com certeza, valorizará ainda mais a sua MARCA e consequentemente proporcionará retorno do investimento. Lembrando: investimento social também faz parte do tripé da sustentabilidade.
Concluo afirmando que:  A ERRADICAÇÃO DO ANALFABETISMO É POSSÍVEL SIM! E DEVE SER TRATADO COM A MÁXIMA URGÊNCIA, JÁ FOI PERDIDO TEMPO DEMAIS PARA QUE FOSSE RESOLVIDO ESTE GRAVE PROBLEMA E ISTO ESTA SAINDO MUITO CARO PARA O BRASIL, ALÉM DE PREJUDICAR A NOSSA IMAGEM NO MUNDO!!!
Novamente, muito obrigada ao Sr. Gilberto Cardoso dos Santos, agradeço também a atenção dos Srs. leitores e convido a todos a abraçarem este projeto, ajudando no que possível for para a divulgação e assim com as devidas parcerias, chegarmos o quanto antes na aplicação do mesmo em nosso país. 

Se alguém quiser entrar em contato comigo, utilize um dos seguintes meios:

ritalju@hotmail.com
aprenderaler@globo.com
https://www.facebook.com/rita.julio