APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

TRÊS HOMENAGENS A TUIÚ (Marcos Cavalcanti, Hélio Crisanto e Lucivânia)


TUIÚ, PATRIMÔNIO IMATERIAL DE SANTA CRUZ (Marcos Cavalcanti)

Se eu pudesse conjugar a pouca habilidade de fotógrafo e meus parcos recursos de escrevinhador para pintar, em homenagem, o melhor retrato de Tuiú, eu o faria com muito gosto, mas reconheço que nem as fotos que fiz nem o texto que agora faço são suficientes. Se Sanderson Negreiros guiasse-me a palavra no teclado e se Jaeci Emerenciano apertasse junto comigo o obturador de minha velha Zenit, talvez eu pudesse com a ajuda destes dois notáveis de saudosa memória, dar ao personagem desta crônica de saudades, as cores certas na composição ideal da figura inolvidável que a sociedade santacruzense gestou, viu crescer e agora vê findar os seus dias. O certo é que Santa Cruz está mais pobre, pois perdeu toda a riqueza demasiadamente humana de Tuiú. Quanto isso representa? A nossa sã ou vã imaginação não pode imaginar, não pode calcular ou converter em cifras ou cifrões a falta que ele fará. Todos os Bancos da cidade não estão agora e para sempre órfãos de sua onipresença em suas filas? Estará presencialmente ausente das conversas dos caixas e não mais adentrará as portas giratórias para driblar vigias e seguranças no ímpeto de seus depósitos imaginários. Todos os Bancos deveriam hastear bandeiras a meio mastro em reverência póstuma ao seu maior cliente, aquele cujo rico capital, nenhuma caixa forte ou cofre poderia conter ou reter, nem multiplicar ou subtrair. Tuiú era correntista de si mesmo, era em si mesmo um milionário, porque indigentes são ou foram apenas aqueles que lhe insultaram, aqueles que lhe pilheriaram, os que não entendem nada de humanidade ou de educação.
Tuiú carregava em suas capangas e bolsas várias, seu mundo imaginário, suas angústias e sonhos: promissórias amarrotadas, talões de cheques, cartões de créditos ilimitados e os saldos estratosféricos de velhos comprovantes encontrados em suas andanças. Era um andarilho nato, e por isso mesmo, mais empurrava a sua enfeitada bicicleta do que nela montava. Tinha-lhe um ciúme danado e não deixava que ninguém a tocasse. Tuiú também não se deixava fotografar facilmente, detestava os papparazis. Uma selfie? Nem pensar. Se alguém tiver uma selfie com Tuiú, eu mesmo compro a preço de ouro de Tuiú.
No pingo do meio dia, Tuiú desafiava o clima com seu surrado paletó e fazia charme olhando por cima de seu “Rayban”. Era irmão de Buluca, outra figura icônica de nossa cidade. Segundo soube, Buluca ora se refugia na capital.  Poucos entendiam as suas falas e queixas, sendo as de Buluca, quase indecifráveis e dificultadas ainda mais pelo filtro dos pelos longos de seu inconfundível bigode. Tuiú, tinha de singular, a barba, que jamais viu lâmina de barbeiro. Seu semblante me fazia lembrar de figuras como Antônio Conselheiro ou do místico Rasputin.
O meu último encontro com Tuiú se deu no restaurante de Dona Zefa. Falávamos de saudades, da saudade dos entes queridos que nos deixam, por vezes, assim, tão repentinamente. Aproximou-se e perguntou por papai e por mamãe, prometendo um dia visitá-los na Serra da Tapuia. Assenti que fosse mesmo e que seria, como todos, muito bem recebido. Foi-se embora e a visita ficou só no desejo, na imaginação, e agora, não poderá se realizar mais, porque repousa Tuiú no cofre da mãe terra, na condição onde todos somos iguais. Tuiú, o sonho etéreo fez de ti o mais rico dos homens santacruzenses e o teu saldo, nenhum dos bancos tem lastro ouro suficiente para aquilatar. És credor de nossas saudades, de nossas lembranças, pois tua riqueza é imemorial e imaterial!

P.S.: Faço um reparo, segundo outra informação que tive, posterior a publicação de meu texto, Buluca continua residindo em Santa Cruz, fazendo parte, portanto, do nosso cenário geográfico de figuras icônicas.



O TRISTE FIM DE TUIÚ (Hélio Crisanto)

Hoje recebi a notícia da morte de Tuiú. Um Santa-cruzense do bem, que talvez não tenha deixado grandes feitos ou grande legado, a não ser suas contas bancárias imaginárias e seus carros possantes guardados na garagem da sua imaginação. Como diria Shakespeare, só os mendigos conseguem contar suas riquezas. Pela sua deficiência mental foi vítima da hipocrisia humana e da exclusão social. Morreu sozinho, sem alarde, suplicando socorro à própria dor, como um indigente, carente de afeto e calor humano, sem honrarias e sem homenagens. Agora sim, irás conhecer o reino dos justos. Descanse em paz.

TUIÚ, UM HOMEM SENSÍVEL (Lucivânia Souza)

Tuiú vez por outra aparecia na oficina de meu pai (Everaldo). Chegava com sua Mobilete, como se fosse seu alazão branco, desejando que retornasse à vida para economizar uns passos seus em suas andanças. As vezes chegava no sábado até quase antes do sol apontar e lá ia pai atender Tuiú. Um dia, quando a oficina de pai ainda era na rua da feira, eu caí de bicicleta e parei quase debaixo de um carro. Tuiú estava do lado, saltou de um susto e prontamente me socorreu. Tuiú me pegou pelo braço, ajudou a tirar a poeira da roupa e demonstrou preocupação por eu ter me machucado. Mas quem era Tuiú além de mais uma pessoa em mais um dia como qualquer como outro? Tuiú, eu não o conhecia. Tuiú, o muito obrigada que dei a ele naquele dia, agora ecoa no universo diante de sua mortalidade. Tuiú com tão pouco ou quase nada, investiu cuidado com meus arranhões. Depois disso, agora guardo na memória a feliz cena de Tuiú indo embora com um bisaco de lado (certamente contendo seus tesouros) em sua Mobilete, contente da vida porque sua magrela agora andava. Tuiú, se neste mundo fostes pobre, agora Deus te dará as reais riquezas que todos esperam.