APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

O VERDADEIRO NATAL (Professor Ismael André)




Dezembro é um mês de festa
Dizia o meu avô
E de uma forma honesta
Falava do Salvador:
"Cristo, Filho de Deus Pai
Diante Dele prostrai
E elevai o seu louvor.  
Ele nasceu numa manjedoura

Ele nasceu numa manjedoura
Refletindo despojamento
Sua vinda promissora
Trouxe-nos grande ensinamento
De Deus, Ele tinha vindo
Para os homens ia servindo
Mostrando conhecimento.
  
Uns aos outros amar
Foi o grande ensinamento
O perdão e o se doar
Gera maior discernimento
Alivia a insanidade
 Aumenta a caridade
Humaniza o sofrimento.  

Na sua condição humana
Se comportar foi o valor
Da lei divina que emana
 Se curvar para o Senhor
A Ele somente a glória
É o rei da excelsa vitória
 Toda honra e louvor. 

Porém, ao longo dos anos
Valores foram desfeitos
Deus revestido de humanos
Mostrou-se sem grandes feitos
A cada dia um lamento
Do homem sem seu contento
Sem Cristo e sem seus preceitos.    

O Cristo da salvação
Nascido de uma mulher
Viu a profanação
Substituindo a fé
Renegaram seu reinado
Seu exemplo mutilado
Acredite quem quiser. 

A caridade pregada
Caiu no capitalismo
A fé tanto promulgada
Foi vítima do fatalismo
De humano sem amor
Que do poder se apoderou
Instaurando um egocentrismo.  

Para que pensar em amor?
Ser caridoso e solidário?
Exaltar um criador?
Isso é coisa de mercenário
É com a espécie acabar
Um paraíso gerar
E ter um mundo ordinário.  

O melhor é guerrear
E não olhar para trás
A discórdia saborear
Chega de pregar a paz
O que importa é viver
Sem mesmo por merecer
Que vida eterna, rapaz?  

Roubar mais todos os dias
É uma palavra de ordem
Furtem sonhos, alegrias
Promovam grandes desordem
Tirem de quem não tem nada
Deixe a sociedade alienada
Os conflitos que eclodem.    

E para os que divergir
A todos mandem matar
Seja no que emergir
E naquilo que pensar:
Política, cultura, religião
Nada que gere divisão
Se pode perpetuar.  

A lei é bem definida:
Chega deste humanismo!!!
Da fé que foi emitida:
Amor, perdão e pacifismo
Do Natal, só os "reais":
Grana, fama e ideais
Nada de cristianismo!!!  

Ao sujeito cristão
Jesus é a perseverança
Propagar a religião
É ainda a esperança
De um mundo mais humano
Diante de tanto insano
Que nem sabe o que é bonança. 

Seja qual sua crença
O Natal nos faz lembrar
Que a vinda de uma criança
No mundo fez propagar:
Conceitos do que é amor,
Caridade, perdão e o sabor
Do que poucos fizeram provar.