APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


sábado, 24 de março de 2012

“Estradeiro” Representa o RN no II Festival de Músicas do Cangaço




                               Poema de Hélio Crisanto, musicado por Zeca Brasil com música interpretada pela cantora Lysia Condé, “Estradeiro” está classificada para a final do II Festival de Músicas do Cangaço, que ocorrerá no próximo dia 28 de abril, na Estação do Forró, na cidade pernambucana de Serra Talhada, terra natal de Virgulino Ferreira da Silva, “Lampião”, o Rei do Cangaço.


                                                                                        Reprodução
Capa de Retrato Sertanejo de Hélio Crisanto


                             “Estradeiro” está no livro Retrato Sertanejo, do poeta Hélio Crisanto, editado pela Supercopia Gráfica Express, de Santa Cruz, na região do Agreste Potiguar, no ano de 2008.

                                    
                                                                   Foto: Cedida
Hélio Crisanto com Gilberto Cardoso no palco


                                “Na vereda do destino/Já pisei muitos espinhos/No lodo do meu caminho/Tropecei entre o cascalho/Sou terra seca no malho/Semente que não germina/Sou a luz da lamparina/Clareando a vastidão/Sou a lua do sertão/No decote da colina”. A primeira estrofe da obra resume como o poeta define sua criação: “Estradeiro é um pouco da estrada da vida”.

                                                   
                                                                           Foto: Tiara Andrade
Zeca Brasil, Dudé Viana e Epitácio Andrade


                                Musicada pelo laureado cantor Zeca Brasil, que na foto aparece com pesquisadores do cangaço, a segunda estrofe da poesia ilustra a sua harmonia com a música: “Trago na mala/A viola e o repente/E o grito dessa gente/Que tem sede e quer o pão/Numa nação/Que despreza os desvalidos/E a dor dos oprimidos/Faz doer o coração”.

   
                                                                 Foto: Lilian Holanda
Epitácio Andrade, Gilberto Cardoso e Hélio Crisanto



                             Não é a primeira vez que Hélio Crisanto incursiona pelo universo do cangaço. No período de 08 a 10 de julho do ano passado, na companhia de Epitácio Andrade, Gilberto Cardoso e outros cangaceirólogos, participou ativamente das atividades socioculturais do cortejo “Cangaço e Negritude”, por várias cidades do interior do Rio Grande do Norte e da Paraíba, como registra a foto da passagem pelo Instituto Cultural “Casa do Beradero”, do ativista cultural Chico César, em Catolé do Rocha.


                                 A estrofe seguinte, com humor e arte, alude ao cangaço: “Sou estradeiro/Sou o fogo do corisco/Sou a faca que fez risco/No bucho de Lampião/Sou cantador, sou fulô que não se cheira/Sou raiz da catingueira/Ressequida pelo chão”.

                                                    
                                                                                    Reprodução
Cantora Lysia Condé

                                    “Não sou herói/Bandoleiro ou vagabundo/Carrego as dores do mundo/Nos meus ombros de menino/Fujo a galope nas asas da ventania/Meia noite, meio dia/Vou correndo em desatino”, conclui-se o poema “Estradeiro”, de Hélio Crisanto, cuja música de  Zeca Brasil, parece ter sido criada para a graciosidade e suavidade da intérprete Lysia Condé.


Texto: Epitácio Andrade