APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores)

A APOESC (Associação de Poetas Escritores Simpatizantes e Colaboradores), criada em 03.2010 em Santa Cruz -RN, existe para congregar amantes da cultura, apologistas e produtores da arte da palavra.


quinta-feira, 17 de novembro de 2011

O DRAMA DE SANTA CRUZ - Dinamérico Soares



Peço ao Senhor das alturas                                             
um pouco de sua luz                                                         
para assim eu  descrever                                                 
pois só ele me conduz                                                      
o drama das envernadas                                                                             
e das tristezas causadas                                                  
na cidade de  Santa Cruz. 
                                               
Reinava perfeita calma                                                    
naquela boa cidade                                                                
as chuvas iam caindo                                                        
em tom de prosperidade                                               
todos estavam contentes                                                
plantando suas sementes                                                
na maior tranqüilidade. 
                                                 
Parecia que até                                                                
Santa Rita  padroeira                                                     
tinha atendido aos pedidos                                            
daquela hospitaleira                                                     
gente simples, fervorosa,                                               
que tanto lhe davam rosas                                             
com a fé verdadeira.
                                                       
Assim o verde brilhava                                                 
Nos campos, na plantação                                           
Tudo agora era esperança                                            
Mudado estava o sertão                                               
E as águas sempre correndo                                        
Os açudes se enchendo                                                   
Sanando a situação.

Era chuva em abundância                                                 
Chega dava gosto olhar                                                     
Os enormes sangradores                                              
Tão grossos a esborrar                                                      
Cada vez mais se enchendo                                          
Os açudes do lugar.                                                         
                                                                                             
Os maiores e mais fortes
além de muito se encher                                               
iam recebendo outros                                                        
que deixavam de viver,                                                     
Paredes foram tricando                                                     
E os donas se lastimando                                                
Sem saber o  que fazer.   
                                                           
Faça juízo, portanto                                                          
do quadro de aflição                                                      
todos os filhos deixando                                             
sua cidade-torrão                                                           
que brevimente seria                                                   
um resto, uma lama fria                                                    
com a grande destruição.
                                                
E assim a metros de altura                                              
ouve a total invasão                                                        
no “ paraíso”, este bairro                                              
foi grande a demolição                                                   
mil e tantos outros casas                                                 
caíram feitas torrão.                                                         



Objetos de mil tipos                                                            
se foram na inundação                                                     
homens que deitaram ricos                                           
acordaram sem tostão                                                     
foi-se as pobres taperinhas                                                
das gentes tão pobrezinhas                                              
também foi as do barão.                                                 
                                                                                             
A turma de uma “C – 10”
que trilhavam sem saber                                                    
na ponte se liquidou                                                             
um pode se socorrer                                                           
pendurado num coqueiro
a noite, o tempo inteiro
resfriado a padecer.

Vendo a hora o coqueiro
cair e ele morrer,
pois logo dentro do Rio
isto foi acontecer
o coqueiro balançava
for socorro ele gritava
sem ninguém aparecer.
                                                                                                
Disseram os mais antigos
 nunca viram inverno igual
pois assombrava a todos
algo estava desigual
os cientistas falharam                           
isto muito comentaram
Para mudança total.

O maior pavor seria
o velho açude “ Mãe D’água”      
vizinho a Campo Redondo
quase seis légua de água
se arrombasse seria
a mais horrível agonia
clamor, morte, e muita mágoa.

Pois inundar Santa Cruz
era sua solução
desaguava em outros dois
açudes da região
e com o rio completava
a calamidade brava
de extravasar coração.

Agora escutam leitores
o lado II da história
o ano 81 se incravou na memória
do povo do trairi
ficou as marcas ali
duma invernada sem glória.

Foi justamente senhores
o que ali sucedeu
o forte açude “Mãe D’água”
as suas forças perdeu
e aos turbilhões soluçando
As águas foram secando
 E seu rumo percorreu.

Antevendo o tal perigo
ligaram prá Santa Cruz
que o povo se retirasse
pelo nome de Jesus,
o povo então desertou
Enquanto apagou-se a luz.  
         
Mil e duzentas famílias
perderam seus bens, seu pão
uns perderam armazéns
avaliado em milhão
enquanto em um talhado
Zé disse que foi achado
uma porca e um barrão.

Mas graças a Hidelbrando
que é um Prefeito padrão
e dos estados vizinhos
a imensa coasão,
a todo Rio Grande do Norte
com fé, esperança e sorte
triunfará nosso irmão.
                                                           
Dá pena ver o destroço
parece o fim de uma guerra
coitada de Santa Cruz
tem mais cruz em sua terra
só a cruz de nosso Pai
Livrara á deste ai
pondo o braço em sua serra.
                                                                                                  Cuité – PB /1981.
                                                                                              Autor: Dinamérico